Mães infetadas podem transmitir COVID aos bebês no útero, suspeita pesquisador

Estudo com 31 mulheres grávidas hospitalizadas na Europa encontrou o SARS-Cov-2 em placentas, no cordão umbilical, na vagina e no leite materno

Foto: Ana Nascimento/MDS/Portal Brasil

Jornal GGN – Um estudo conduzido por cientistas da Universidade de Milão detectou o vírus SARS-Cov-2 em placentas, no cordão umbilical, na vagina e no leite materno. Anticorpos específicos da covid-19 em cordões umbilicais de várias mulheres, bem como em amostras de leite, também foram encontrados.

Segundo reportagem do Diário de Notícias (Portugal), a pesquisa com mais de 30 mulheres na Europa sugere que é possível que o coronavírus seja transmitido da gestante para o bebê ainda no útero, embora nenhuma criança tenha contraído o vírus dessa forma durante o estudo.

Para um dos autores, o estudo convida “a comunidade científica a considerar a gravidez em mulheres com covid-19 como um assunto urgente para caracterizar e analisar.”

Do Diário de Notícias

Segundo os investigadores que realizaram o estudo, citados pela agência noticiosa francesa AFP, “embora tenha havido apenas casos isolados de bebês infetados com o novo coronavírus, esses resultados demonstram o vínculo mais forte até hoje na transmissão de mãe para filho”.

A AFP relata que os investigadores estudaram 31 mulheres grávidas hospitalizadas com covid-19 e encontraram o vírus SARS-Cov-2 em placentas, no cordão umbilical, na vagina e no leite materno.

Os cientistas também identificaram anticorpos específicos da covid-19 em cordões umbilicais de várias mulheres, bem como em amostras de leite.

Claudio Fenizia, da Universidade de Milão e principal autor do estudo, disse à AFP que os resultados “sugerem fortemente” que a transmissão no útero é possível.

“Dada a quantidade de pessoas infetadas em todo o mundo, o número de mulheres que podem ser afetadas por esse fenômeno pode ser potencialmente muito alto”, adiantou.

Nenhum dos bebês nascidos durante o período do estudo contraiu covid-19, disse, admitindo que “embora a transmissão no útero pareça possível, é muito cedo para avaliar claramente o risco e as possíveis consequências”.

Leia também:  Pacientes com sequelas da Covid-19 começam a chegar na rede básica de saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou no mês passado que as mães infetadas com o novo coronavírus devem continuar a amamentar.

“Sabemos que as crianças correm um risco relativamente baixo para a covid-19, mas correm alto risco para muitas outras doenças e condições que a amamentação impede”, disse na altura o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Entre outras descobertas, os investigadores identificaram uma resposta inflamatória específica desencadeada pela covid-19 no plasma sanguíneo da placenta e do cordão umbilical das mulheres estudadas, todas no terceiro trimestre de gravidez. Claudio Fenizia adiantou que mais estudos estão em andamento entre as mulheres com covid-19 que estão em estágios iniciais da gravidez.

“O nosso estudo tem como objetivo aumentar a consciencialização e convidar a comunidade científica a considerar a gravidez em mulheres com covid-19 como um assunto urgente para caracterizar e analisar ainda mais”, declarou Claudio Fenizia, sublinhando que “promover a prevenção é o conselho mais seguro que se pode dar a esses pacientes no momento”.

O estudo foi divulgado na 23.ª Conferência Internacional da Sida, realizada esta semana, pela primeira vez na Internet devido à pandemia da covid-19.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 550 mil mortos e infetou mais de 12 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome