Mandetta e as circunstâncias: como se comportou no impeachment

Antes disso, Mandetta era apenas um deputado obscuro pré-bolsominion, que levantava cartazes obscenos e defendia o fim do +Médicos. Agora, cumpre papel essencial, com uma dignidade exemplar. Viva Della Rovere.

Um homem é ele e suas circunstâncias. Dependendo das circunstâncias, é crápula; dependendo das circunstâncias, torna-se herói.

Nunca saiu da minha memória o general Della Rovere, de Roberto Rosselini, com Victorio De Sica, batizado no Brasil como “De crápula a herói”.

Os germanfilos da Itália matam o general, comandante da resistência. E, para desmoralizar suas ideias, preparam um sósia, um ator de segunda, incumbido de se apresentar ao povo como se fosse Della Rovere e abjurar seus princípios.

Na hora acertada, o ator encarna o personagem, e faz um discurso épico, como se fosse o Della Rovere autêntico.

Desde então, sempre tive enorme curiosidade por esses personagens que se movem de acordo com as circunstâncias, em geral para pior. A longa carreira jornalística me permitiu acompanhar de perto as mutações circunstanciais de políticos – como José Serra -, magistrados – como Luis Robert Barroso -, jornalistas – nem menciono, pela quantidade -, em geral reeditando um Della Rovere pelo avesso.

Mas às vezes, o filme se torna realidade. É o caso de Gilmar Mendes, que propunha a extinção do PT e que, depois do impeachment consumado, tornou-se uma âncora da legalidade. Ou do Ministro Luiz Mandetta, depois da pandemia consolidada.

Antes disso, Mandetta era apenas um deputado obscuro pré-bolsominion, que levantava cartazes obscenos e defendia o fim do +Médicos. Agora, cumpre papel essencial, com uma dignidade exemplar. Viva Della Rovere.

 

O Sr. Mandetta está tendo uma chave de redimir parte dos imensos prejuízos e problemas que causou a todos. Como todos que trabalharam para derrubar nosso edifício institucional, com o golpe de 2016, ele tem sim muita culpa. Não sei se o seu atual comportamento é fruto de uma crise de consciência, ou de oportunismo político ou se um despertar para a realidade, afinal se fracassar nesta crise é o fim de sua carreira. Mas agora isso não importa, temos de dar a ele todo nosso apoio. Deixemos para depois os julgamentos, quando a crise for controlada.

Orides