Ministério da Infraestrutura de Bolsonaro é um bunker de Temer, Moreira Franco e Padilha

Dos 7 nomes que formam o atual quadro de comando do Ministério, 6 já tiveram relações de trabalho com Padilha e Moreira Franco. A exceção é o único militar no primeiro escalão da pasta

O presidente Jair Bolsonaro recebe a Faixa Presidencial de Michel Temer, no Palácio do Planalto.

Jornal GGN – Alçado à Presidência da República com um discurso de “outsider”, “contra tudo que está aí”, Jair Bolsonaro, de maneira contraditória, manteve em seu Ministério da Infraestrutura várias autoridades ligadas ao grupo de Michel Temer, Moreira Franco e Eliseu Padilha, do MDB. Os dois primeiros foram presos nesta quinta (21), numa operação da Lava Jato no Rio de Janeiro.

Dos 7 nomes que formam o atual quadro de comando do Ministério, 6 já tiveram relações de trabalho com Padilha e Moreira Franco. A exceção é o único militar no primeiro escalão da pasta.

A lista:

1. Ministro da Infraestrutura – Tarcísio Gomes de Freitas: Foi secretário de Coordenação de Projetos do Programa de Parceria de Investimentos (PPI) da Presidência da República sob Michel Temer. Trabalhava diretamente com Moreira Franco, buscando ativos brasileiros para vender ao mercado estrangeiro.

2. Secretário Executivo – Marcelo Sampaio: Ligado a Padilha, foi subchefe adjunto da Gestão Pública da Subchefia de Articulação e Monitoramento da Casa Civil, entre 2017 e 2018.

3. Secretária Executiva Adjunta – Viviane Esse: Ex-assessoria especial e também subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil de Padilha, também durante o governo Temer.

4. Secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias – Natália Marcassa: Outra subordinada do setor de Padilha, era subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil.

5. Secretário Nacional de Aviação Civil – Ronei Saggioro: Ex-chefe do Departamento de Outorgas e Patrimônio e do Departamento de Políticas Regulatórias, liderando o programa de concessões aeroportuárias. Foi da Secretária de aviação Civil quando Moreira Franco e Padilha eram ministros.

Leia também:  Defensores da prisão em 2ª instância usam dados inflados para criticar debate no STF

6. Secretário Nacional de Transportes Terrestres – Jamil Megid Junior: Único militar no segundo escalão do Ministério, não tem ligações com o MDB de Temer, Moreira e Padilha.

7. Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários – Diogo Piloni: Assim como o novo ministro trabalhou no PPI de Temer, sob o comando de Moreira Franco.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. A prisão de Carlos Goshn da Nissan/Renault foi feita de maneira discreta sem show da mídia. Nem sequer uma foto do presidente da Nissan foi publicado. Aqui descobre-se de repente que um cara é ladrão Há 4o anos e só agora resolveram prende-lo. Mais um show fora da lei da lava-jato para projetar seus procuradores.

  2. Comentário desproporcional, tendencioso e mostra que o autor desconhece totalmente o perfil das pessoas citadas. TODOS são servidores efetivos (CONCURSADOS), têm perfil técnico e são altamente capacitados para as áreas que ocupam (ou que já ocuparam). Independentemente de quem seja ou de qual partido seja o governo, tais servidores continuarão, pois mais que servidores “de governo”, são servidores DE ESTADO!!!
    Pesquise melhor suas fontes, reflita e reveja seu posicionamento (e suas fontes de informações!😉

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome