“Moro é um herói com pé de barro, em desmoronamento”, diz Ciro Gomes

"Sergio Moro é um canalha, não é nada mais, nada menos do que isso. E um dia as pessoas vão ver", afirma o ex-presidenciável do PDT. Na entrevista, ele ainda rejeita a ideia de uma frente progressista

Jornal GGN – O ex-candidato à Presidência pelo PDT Ciro Gomes disse, em entrevista à Rádio Gaúcha, que o ministro da Justiça e ex-juiz federal Sergio Moro é um “herói com pé de barro, em processo de desmoronamento.”

“Ele condena um político, depois sai da magistratura para ser ministro do político que ganhou a eleição, porque o outro não participou. Isso faz do Brasil uma República de bananas”, disparou Ciro. “Sergio Moro é um canalha, não é nada mais, nada menos do que isso. E um dia as pessoas vão ver”, acrescentou.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Na visão de Ciro, a sociedade brasileira está vendo que juiz não teve comportamento adequado a um juiz. “(…) inventaram isso de herói, que não existe. Para mim, Moro é um politiqueiro de quinta categoria. Sempre foi.”

Ele ainda avaliou que a crise em torno da Lava Jato, decorrente da publicação de mensagens de Telegram vazadas ao Intercept, deve fazer o processo contra Lula no caso triplex voltar à estaca zero.

Lula não é inocente. Agora, o processo do triplex, juridicamente, é fraco. Com esse conjunto de suspeição, o processo é nulo. Não é que Lula fique absolvido. Volta à estaca zero. A denúncia é fraca e a sentença é pior.”

FRENTE PROGRESSISTA

Questionado sobre seu apoio a uma eventual frente progressista de oposição ao governo Bolsonaro, Ciro respondeu: “Isso não é útil para o Brasil, porque tudo o que se falou de frente, da redemocratização para cá, significa hegemonia de populistas, de personalistas, do PT. Se fosse ao redor de um projeto, tudo bem, mas qual projeto? Não tem. É um projeto de poder pelo poder, de concessões das mais variadas por uma pseudoética de que, pela revolução, pode fazer qualquer merda.”

Leia a entrevista completa aqui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora