Moro leva corte de 32% no orçamento 2020 e diz que trabalho ficará inviável

A discussão sobre o corte no orçamento antecede o envio do Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) de 2020 pelo governo ao Congresso, com deadline até 31 de agosto

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Na esteira da emissão de sinais de desprestígio pelo governo Bolsonaro, Sergio Moro precisou enviar 3 ofícios ao ministro da Economia, Paulo Guedes, reclamando da notícia de que, para 2020, o orçamento do Ministério da Justiça e Segurança Pública sofrerá um corte de 32% em relação ao valor autorizado para o exercício de 2019.

Moro narrou nos ofícios que entende a crise econômica, necessidade de ajuste fiscal e as limitações decorrentes da PEC do teto dos gastos, mas alertou que seu trabalho ficará inviável com um orçamento de R$ 2,61 bilhões. Ele pediu que o valor seja reajustado para pelo menos R$ 3,71 bilhões.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer se aliar a nós? Acesse: www.catarse.me/LavaJatoLadoB

“Embora compreenda os problemas decorrentes dos ajustes do teto de gastos, informo, respeitosamente, que o referencial monetário apresentado representa significa redução no orçamento deste Ministério, resultando em alarmante cenário de inviabilização de políticas públicas de segurança, cidadania e justiça essenciais para a sociedade brasileira”, escreveu Moro em um dos ofícios.

O ministro ainda acrescentou que o corte causará “inadiável corte nas ações de segurança pública, acarretando riscos a ações estratégicas e fundamentais para a missão institucional do Ministério”. A informação é do Estadão desta segunda (26).

Ainda de acordo com Moro, ações de todos os serviços ligados ao ministério, “como operações da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, mobilização da Força Nacional de Segurança Pública, emissão de passaporte, além de ações de combate ao tráfico ao crime organizado, à corrupção e à lavagem de dinheiro”, serão prejudicados.

A discussão sobre o corte no orçamento antecede o envio do Projeto de Lei Orçamentária (PLOA) de 2020 pelo governo ao Congresso, com deadline até 31 de agosto.

Nesta segunda, repercutiu em alguns jornais a informação da revista Crusoé, dando conta de que Moro estaria estudando o melhor momento para se afastar do governo Bolsonaro. Na semana passada, o site Antagonista – porta-voz informal da Lava Jato – publicou notas provocando Bolsonaro a demitir Moro, em vez de manter a humilhação em praça pública.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Rogério Bezerra

- 2019-08-27 01:12:49

Julho de 2016, na minha sala, parente que atua na área de segurança disse que "quando um governo quer parar uma operação policial, acaba com os recursos destinados a ela". Foi o melhor elogio que ele se permitiu fazer a Dilma, Lula e ao PT que não usaram esse expediente contra a Lava à Jato. Hoje isso não importa mais, militar ou civil, nenhum de nós teremos um outro governo como o do PT. Espetáculo do crescimento, marolinha, democracia, tolerância, sutil nacionalismo, esperança, confiança, respeito internacional constatável nas alfandegas do mundo por onde pisássemos. Tudo acabou quando us dotô letradú da universidade, dos serviços públicos e da privada iniciativa aceitaram o entreguismo e o falso moralismo de sempre dos donos do país, os milionários e bilionários daqui. Darcy Ribeiro disse para Alexandre Machado: "Os intelectuais daqui eram subalternos e os empresários subornáveis". Espero viver meus últimos dias fora do Brasil... E que meus filhos não mais procriem aqui.

Ivan de Union

- 2019-08-26 19:52:42

Fazer mais palestras esta fora de questao a esse ponto, Moro?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador