Moro teria pedido ajuda aos EUA para prender hacker do Intercept

Somente cinco dias após Moro retornar ao Brasil, Walter Delgatti e outros acusados pelo crime cibernético foram presos

Jornal GGN – Reportagem exclusiva da Agência Pública, divulgada nesta segunda (4), indica que o ex-ministro da Justiça Sergio Moro pode ter viajado aos Estados Unidos, em julho de 2019, em buca de ajuda para identificar e conseguir deter o hacker Walter Delgatti, principal alvo da Operação Spoofing.

Preso pela Polícia Federal, Walter confessou que seria o responsável por invadir o Telegram de membros da Lava Jato e vazar o conteúdo para o site The Intercept Brasil – que, por sua vez, não comenta sobre a fonte do dossiê que abalou a imagem de Moro.

Atingido pelos vazamentos em 9 de julho, Moro decidiu tirar licença do Ministério da Justiça entre 15 e 19 daquele mês. Viajou aos EUA e até postou fotos no Instagram com a esposa, Rosangela.

Um colaborador da Pública então questionou ao FBI, por meio da Lei de Acesso à Informação, se houve agenda com o então ministro da Justiça naquela semana.

A resposta, de acordo com o site, foi um “reconhecimento tácito”: “a polícia americana ‘não pode confirmar nem negar'”, o que, para a Pública, soa como o governo dos EUA sinalizando que a informação deve ser verdadeira.

Somente cinco dias após Moro retornar ao Brasil, Walter Delgatti e outros acusados pelo crime cibernético foram presos.

A reportagem ainda mostrou que, enquanto ministro, Moro “abriu as portas” do governo ao FBI. As agendas entre agentes norte-americanos e brasileiros foram intensificadas. Até solicitaram mais verba ao governo dos EUA para ampliar a equipe atuante no Brasil.

Leia também:  Cláudio Couto: Moro e Mandetta podem conquistar bolsonaristas arrependidos

A Lava Jato criou uma indústria de acordos de leniência entre grandes empresas brasileiras e o Departamento de Justiça dos EUA, além da Comissão de Valores Mobiliários norte-americana.

No final de 2019, o GGN produziu uma série documental inédita e exclusiva sobre a influência dos EUA na Lava Jato.

Acesse a playlist com os 5 episódios aqui.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Se os EUA já tem tal domínio e controle no Brasil, imagine com um vassalo que ontem desfilava ao lado das bandeiras israelense e ianque, os líderes em softwares de espionagem?
    É o sonho de todo déspota com intenções milicianas. O perigo nem é por ele, pois incompetente apesar de cruel e insensível, mas pelos senhores a quem servem que certamente preferirão manter o paraquedista na poltrona.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome