Movimento que “quebrou” site de Steve Bannon chega ao Brasil, mirando a extrema-direita

Sleeping Giants ganha uma versão brasileira no Twitter, com intuito de minar a sustentação financeira de sites que vivem de fake news

Jornal GGN – Imagine um movimento no Twitter conseguir convencer grandes marcas a parar o financiamento, via publicidade automática no Google, de sites de extrema-direita que praticamente vivem de fake news.

Esse movimento existe, conseguiu “quebrar as pernas” do blog de notícias idealizado por Steve Bannon, e agora chega ao Brasil, mirando os portais que estão ao lado do governo de Jair Bolsonaro.

O movimento no Twitter se chama Sleeping Giants. A experiência nos Estados Unidos foi conduzida por um publicitário que se manteve no anonimato durante muito tempo. Ele criou a conta para chamar a atenção de empresas e consumidores sobre os anúncios em sites extremistas.

No caso do Breitbart News, de Bannon, a polêmica era certa, pois o portal de “notícias”, tendencioso, foi usado para atacar adversários políticos de Trump com golpes baixíssimos. Além de tudo, tem relação com supremacistas brancos.

Segundo um documentário da Netflix, o Breitbart perdeu 8 milhões de euros (ou 50,7 milhões de reais) em publicidade no Google por culpa do Sleeping Giants.

Um dos atos realizados pelo Sleeping Giants nos EUA foi uma vaquinha online que patrocinou uma ação para convencer a Amazon a parar de anunciar em blogs de extrema direita.

Os anúncios questionados são os de mídia programática. Muitas vezes, as marcas participam de leilões no Google e não afinam os critérios para descartar esses portais que atacam direitos humanos e minam as bases da democracia.

Após o El País Brasil contar da iniciativa lá fora, um estudante brasileiro que desenvolve pesquisas sobre fake news decidiu criar uma conta Sleeping Giants para o Brasil. A conta tem aval dos precursores norte-americanos e já ganhou mais de 20.000 seguidores.

Leia também:  Organizações indígenas e ONGs notificam Casino/Pão de Açúcar a parar de vender carne originada de desmatamento no Brasil e na Colômbia

“Enquanto a conta original norte-americana se define como “um movimento para tornar o fanatismo e o sexismo menos lucrativos”, o perfil adaptado ao contexto político brasileiro pretende “impedir que sites racistas ou de fake news monetizem através da publicidade””, descreveu El País.

De acordo com o jornal, pelo menos duas empresas – Telecine e Dell – já se comprometeram a suspender publicidade no site Jornal da Cidade Online, que em 2018 ajudou Bolsonaro espalhando fake news.

Mais sobre Steve Bannon:

Sua tia não é fascista, ela está sendo manipulada, por Rafael Azzi

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Porque não fazer uma campanha atacando logo a Google e obrigando eles a serem éticos pra banir de uma vez por todas esses sites? A Google e todos nós sabemos que esses sites são de fake news

    47
    4
    • A questão é embutir um custo anti publicidade e anti-segurança de dados nas contas de telefonia.
      Viabilizando o retorno da verdadeira internet livre de controle seja ele qual for pois foi com a pressão sobre pirataria, vendas de armas, pedofilia, publicidade, etc…

    • Pensei a mesma coisa.
      Por que não cobrar responsabilidade do google ?
      Se preciso for, a esquerda se une para boicotar o google adotando motores de busca dos concorrentes.

  2. Boa!
    Espero que não apenas tirem o dinheiro, mas que avaliem o mal que fazem a população, e que paguem por isso.

    30
    2
  3. Excelente!
    Agora, uma reflexão: por que não somos capazes de ter ideias assim?
    Sempre dependemos de uma iniciativa para tentar copiar.
    Nós, a esquerda brasileira, fossilizamos?
    A direita com certeza não.

  4. Estamos nas mãos de bandidos digitais que não medem forças para EXCLUIR qualquer expansão da Esquerda. Vamos levar mais de uma década para levar o Povo de volta ao Governo.

    17
    2

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome