O fakenews do governo Bolsonaro sobre o IDH, por Tereza Campello e Sandra Brandão

Contra a verborragia, vamos aos números do PNUD. No período do PT, o IDH vinha crescendo de forma praticamente contínua

Tereza Campello e Sandra Brandão

O PNUD divulgou hoje relatório de Desenvolvimento Humano, como faz praticamente todos os anos, com dados sobre a evolução do Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil.

Os dados expõem não um ponto da conjuntura, mas séculos de desigualdade e exclusão: 1/3 da riqueza do país fica nas mãos dos 1% mais ricos. O Brasil é o segundo país mais desigual do mundo, depois do Catar (que tem uma população um pouco maior que a cidade de Brasília). Seria melhor já dizer de cara: o Brasil é o país mais desigual do mundo!

Qual seria a reação de um governo sério? Ajudar a explicitar as razões para este padrão de desigualdade secular, e apontar caminhos para construir soluções para superá-los.

Mas são óbvios: segundo a casa Civil, os resultados apontam para a “hipocrisia do discurso petista de atenção aos necessitados e a ineficiência das políticas petistas de combate à desigualdade”.

Contra a verborragia, vamos aos números do PNUD. No período do PT, o IDH vinha crescendo de forma praticamente contínua, como resultado das políticas de combate à pobreza e inclusão. O golpe interrompeu a tendência.

O legado do PT está neste gráfico, para quem quiser ver.

 

Os cortes nos gastos em saúde e educação estabelecidos pela PEC do fim do mundo, a precarização do trabalho e a redução dos direitos previdenciários só tendem a piorar as perspectivas para o próximo período.

2 comentários

  1. Tendo a interpretar como veraz e fidedigno o panorama traçado aqui. Como adverte o jornalista do NYT Bem Casselman, “entre as pessoas e os dados e a tecnologia, fico com as pessoas…
    ET: desisto de postar neste saite, pois a verificação de que “não sou um robô” está cada vez mais artificiosa e ‘solerte’. Até um futuro próximo…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome