Para os neolibelês

“Livre mercado”? Nem nos USA, nem em Cingapura, cara pálida!

Vejam as justificativas de “segurança nacional” — coisa que os neolibelês locais esquecem na hora de vender empresas e o satélite brasileiro.

Quer over o que a Mírian vai dizer….

 

https://olhardigital.com.br/pro/noticia/donald-trump-proibe-broadcom-de-comprar-a-qualcomm/74552

Donald Trump proíbe Broadcom de comprar a Qualcomm

 

 

Há alguns meses se discute a possibilidade de Broadcom e Qualcomm, duas das maiores fabricantes de chips do mundo, anunciarem a maior fusão da história da tecnologia. Essa possibilidade finalmente foi por água abaixo nesta segunda-feira, 12, por meio de um decreto de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos.

 

O texto que justifica a decisão apresenta questões de segurança nacional para o impedimento do negócio. A Broadcom é uma empresa de Cingapura, que tomaria o controle da Qualcomm, uma companhia americana com sede na Califórnia. Segundo o comunicado, “existem evidências sóilidas” de que a Broadcom “pode realizar ações que ameace a segurança nacional dos Estados Unidos”.

 

A negociação está ocorrendo há alguns meses, sempre com respostas negativas da Qualcomm, que exige mais dinheiro pela transação. A oferta mais recente apresentada pela Broadcom envolvia US$ 146 bilhões; desse total, US$ 121 bilhões seriam para tomar o controle da Qualcomm e US$ 25 bilhões são referentes a uma dívida que seria assumida pela asiática.

 

Diante das respostas negativas da Qualcomm, a Broadcom tentou outras formas de fazer o negócio sair do papel. Isso inclui até mesmo a aquisição hostil, levando o tema aos acionistas para tentar substituir os membros do conselho da Qualcomm por pessoas favoráveis ao negócio. O comunicado de Donald Trump veta qualquer tipo de fusão entre as duas empresas, e os membros do conselho apontados pela Broadcom deverão ser desqualificados.

Leia também:  Refundação do Brasil passa por desencarcerar e descriminalizar a cannabis, diz Valois

 

Segundo a Bloomberg, a Broadcom tinha planos de mudar sua sede para os Estados Unidos, em um processo que deveria ser concluído até o dia 3 de abril. Isso também não afeta a decisão de Trump, que determina as duas empresas “deverão abandonar permanentemente a proposta de aquisição”, a menos que queiram levar o caso aos tribunais.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome