Partidos políticos refletem baixa representatividade de negros

Dirigentes autodeclarados negros ou pardos são a minoria em grande parte das siglas; TSE definiu que verba será proporcional a partir de 2022

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) definiu na última semana que, a partir de 2022, a verba pública para financiamento de campanhas políticas será proporcionalmente dividida entre candidatos negros e brancos. E, em grande parte das siglas, negros são minoria nas executivas nacionais.

Segundo dados do jornal O Estado de São Paulo, a participação de pessoas autodeclaradas negras ou pardas nas cúpulas partidárias vai de zero a 41% entre 17 dos 24 partidos representados no Congresso Nacional.

E a baixa representatividade de negros em cargos de liderança também se reflete em outras áreas da sociedade: a presença de negros ou pardos em cargos de gerência dentro de empresas chega a 29,9%, como mostra a pesquisa “Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil”, divulgada no ano passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O IBGE mostra que, nas eleições de 2018, 24,4% dos deputados federais e 28,9% dos deputados estaduais eleitos se declararam negros ou pardos. Recentemente, seis dos sete ministros do TSE decidiram que a divisão do fundo eleitoral e do tempo de propaganda em rádio e TV será proporcional ao número de candidatos negros apresentado por cada partido.

 

Leia Também
Debate sobre futuro de Rodrigo Maia ganha força em Brasília
Editorial da Folha traz a ‘ditabranda’ de volta, diz Jânio de Freitas
Bolsonaro inaugura obras iniciadas nos governos Lula e Dilma

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora