Peritos afirmam que registros de ligações no condomínio de Bolsonaro foram editados

O GAECO (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), do Ministério Público Estadual do Rio de Janeiro, apresentou uma falsa perícia em duas horas e meia, para desmentir o porteiro que sustentara que Elcio Queiroz, o motorista que transportou o carro que matou Marielle, pediu inicialmente para ir à casa de Jair Bolsonaro. Ao que parece, o órgão está vazando depoimentos visando defender Bolsonaro. E sequer solicitou o equipamento de telefonia do condomínio para perícia.

No entanto, com base exclusivamente nos vídeos de Carlos Bolsonaro, divulgados pelo Twitter, peritos contatados pela revista Piauí constataram adulteração nos registros de áudios.

O segundo vídeo divulgado por Carlos, com áudios de chamadas feitas para a casa 58 (de Jair Bolsonaro) e 36 (de Carlos), é inconclusivo, segundo o perito, porque Carlos editou os trechos iniciais dos áudios, e a duração não confere com a que consta no nome dos arquivos.

Segundo o perito, o áudio com a chamada para a casa 58 tem 11 segundos, enquanto a planilha informa que demorou 29; e o áudio da ligação para a casa 36 tem 12 segundos, quando, segundo a planilha, deveria ter 27.

“Para o perito aposentado, há ‘incongruência’ no vídeo. Mas ele ressalta que uma análise definitiva só é possível a partir da perícia do computador da portaria”, diz ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora