PNADT: a situação do emprego por escolaridade, por Luís Nassif

Cerca de 78,9% daqueles com Ensino Superior estão empregados. No entanto, há 17,8% fora do mercado e 3,4% desocupados.

Os dados abaixo foram tirados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Trimestral, do IBGE.

É curiosa a situação do emprego brasileiro, comparando o 1o trimestre de 2024 com o primeiro trimestre de 2023.

Quantitativamente houve um aumento discreto no emprego de todas as faixas de umidade.

Quando se analisa a situação do emprego por estado, observa-se um quadro curioso, dependendo do grau de instrução do trabalhador.

Quando se somam todos os trabalhadores, houve queda no emprego em 4 estados e crescimento em 24. Mas, entre os trabalhadores de baixa escolaridade, houve queda no emprego em 21 estados para o grupo “sem instrução”, em 16 estados (para ensino fundamental incompleto” e 18 para ensino médio incompleto.

Ou, para ficar mais claro.

Quando se analisa o percentual de cada faixa, tiram-se conclusões curiosas.

Obviamente, o maior percentual de ocupados tem relação direta com o nível de instrução. Cerca de 78,9% daqueles com Ensino Superior estão empregados. No entanto, há 17,8% fora do mercado e 3,4% desocupados.

O pior aproveitamento dos que têm ensino superior é em estados do norte e nordeste. Em relação aos desocupados, a liderança é do Amapá, com 5,4%, seguido do Sergipe, com 5% e Bahia, com 4,99%.

Leia também:

Luis Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador