Povos Indígenas estudam “medidas cabíveis” após ataque de Heleno à Sônia Guajajara

Coordenadora executiva da Apib, Sônia Guajajara foi acusada de crime de lesa-pátria por divulgar a campanha internacional "Defund Bolsonaro"

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A APIB, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, anunciou via redes sociais que estuda “medidas cabíveis” contra o ataque do general Augusto Heleno, que acusou a instituição coordenada por Sônia Guajajara de crime de “lesa-pátria” por divulgar a campanha internacional “Defund Bolsonaro”.

Segundo Heleno, “a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) está por trás do site http://defundbolsonaro.org, cujos objetivos são publicar fake news contra o Brasil; imputar crimes ambientais ao Presidente da República; e apoiar campanhas internacionais de boicote a produtos brasileiros.”

“A administração da organização é de brasileiros, filiados a partidos de esquerda. A Emergency APIB é presidida pela indígena Sônia Guajajara, militante do PSOL e ligada ao ator Leonardo Di Caprio, crítico ferrenho do nosso país. O site da Apib se associa a diversos outros, que tb trabalham 24 horas por dia para manchar a nossa imagem no exterior, em um crime de lesa-pátria”, escreveu Heleno no Twitter.

Em nota, a Apib afirmou que “o maior crime que lesa nossa pátria é a omissão do governo diante da destruição de nossos biomas.” Confira:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Secretários de Saúde criticam gestão Pazuello/Bolsonaro

2 comentários

  1. Este general de pijama sabe muito bem quem é lesa-patria no brasil.
    A amazonia esta ardendo, acabando, e este sujeito tenta ocultar o óbvio ocultando os criminosos que manejam as tochas.

  2. GENERAL HELENO, CONTE A VERDADE AO MIKE POMPEU

    O Mike, general, está chamando o Maduro de traficante de drogas.

    Mas como o Sr. sabe, general, os 39 kg de cocaína encontrados pela polícia da Espanha estavam “escondidos”
    num dos aviões da comitiva presidencial do nosso “querido presidente” Jair Bolsonaro. O senhor estava lá e sabe que isso é verdade.

    Portanto, chamar o presidente Maduro de traficante sem mencionar o nome de Bolsonaro é no mínimo uma tremenda sacanagem. O Senhor não acha?

    Ou será que o Mike não conhece a história dos 39 kg de cocaína, faltando um para completar 40?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome