Presidente no Inep reafirma realização do Enem em meio ao surto da Covid-19

Se é seguro ir a bares e restaurante é "seguro fazer a prova do Enem", disse Alexandre Lopes

Arquivo/Agência Brasil

Jornal GGN – Negando os efeitos devastadores da pandemia da Covid-19, o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, defendeu nesta quinta-feira, 14, a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcado para o próximo final de semana. Entidades educacionais têm pressionado para o adiamento das provas pela segurança dos estudantes.

“Se você for nas cidades, shoppings, bares e restaurantes estão abertos. As autoridades dizem que se você seguir o protocolo de segurança pode ir. Se há o entendimento que para certas atividades cumprindo protocolos você tem segurança, a gente entende que com os nossos protocolos é seguro fazer a prova do Enem”, declarou Lopes ao Uol.

O presidente do Instituto também afirmou que procurou especialistas para desenhar o planejamento para realização do Enem este ano. “Conversamos com entidades como a Fiocruz, houve um processo com a equipe técnica do Inep para construir um protocolo de segurança de aplicação”.

“O Enem tem um rigor muito grande. Se o aluno tirar a máscara, que não for para se alimentar ou tomar água, ele está eliminado e será retirado da escola. Essa tranquilidade que quero dar aos jovens: nós cuidamos do planejamento e da preparação para garantir uma prova segura”, disse.

Ainda, segundo Lopes, talvez os estudantes tenham que sair de suas cidades para realizar as provas. “Se não for possível distribuir os alunos numa mesma cidade com segurança, eles terão que fazer na cidade mais próxima. Estamos pedindo a todos os prefeitos para garantir, nos dias de prova, uma quantidade de ônibus, trens e metrôs que permita que os jovens possam se deslocar com segurança e com o distanciamento necessário”, explicou.

Nesta semana, a Justiça Federal negou o pedido da Defensoria Pública da União (DPU) e do Ministério Público Federal (MPF) para o adiamento das provas, que acontecerão nos próximos dias 17 e 24.

A decisão, no entanto, determina que caso algum município aplique lockdown que impeça a realização das provas “ficará o Inep obrigado à reaplicação do exame diante da situação específica”, como é o caso do estado do Amazonas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora