Pretensões presidenciais de Maia alertam PSDB e Bolsonaro, diz Tales Faria

"Hoje, os três [Maia, Doria, Bolsonaro] já se consideram os principais candidatos no campo da direita. À esquerda, não sabem o que virá. Por via das dúvidas, Maia cultiva no Congresso um bom diálogo com o PCdoB e até uma parcela do PT"

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – A promessa de uma agenda forte de reformas na Câmara, à revelia dos interesses do governo Bolsonaro, tem relação com as pretensões presidenciais de Rodrigo Maia (DEM). É o que afirma o jornalista Tales Faria, em sua coluna no UOL.

Não é à toa que o presidente Jair Bolsonaro tem dito que se sente uma “Rainha da Inglaterra”. Ao que tudo indica, do lado da Câmara, presidida por Maia, a intenção é deslanchar uma série de projetos, que passam pela reformulação da reforma da Previdência e chegam a outros itens para fazer a economia sair da estagnação.

É o que Maia tem repetido constantemente: que Bolsonaro não tem uma agenda ampla para salvar a economia e reduzir o desemprego. O presidente e seu ministro, Paulo Guedes, acham que a nova Previdência é tudo.

O GGN ESTÁ EM CAMPANHA NO SITE “CATARSE” PARA LANÇAR UMA SÉRIE DE REPORTAGENS E UM DOCUMENTÁRIO INÉDITO SOBRE PREVIDÊNCIA, TOMANDO AS CONSEQUÊNCIAS DA CAPITALIZAÇÃO NO CHILE COMO EXEMPLO DO QUE O GOVERNO BOLSONARO DESENHA PRO BRASIL. PARA SABER MAIS E APOIAR ESSE PROJETO, ACESSE: www.catarse.me/oexemplodochile

Os aliados de Maia e setores da imprensa já falam em “governo paralelo”. Segundo Faria, Bolsonaro já percebeu que há interesse do presidente da Câmara em disputar a eleição de 2022.

Do lado do PSDB, Maia começa a ser olhado de maneira diferente. Cogitam que ele possa crescer e se encaixar no lugar de vice-presidente numa chapa encabeçada por João Doria, a depender dos resultados de seu governo em São Paulo.

Já na avaliação dos partidários de Maia, “há grandes chances de que em 2022 o eleitorado já tenha se cansado do radicalismo conservador do atual presidente e da belicosidade dos bolsonaristas, especialmente dos filhos de Bolsonaro.”

Leia também:  Bolsonaristas registram novo partido em cartório, mas formalização ainda depende do TSE

“Hoje, os três [Maia, Doria, Bolsonaro] já se consideram os principais candidatos no campo da direita. À esquerda, não sabem o que virá. Por via das dúvidas, Maia cultiva no Congresso um bom diálogo com o PCdoB e até uma parcela do PT.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome