PT apresenta projeto que criminaliza privatização sem autorização legislativa

Projeto dos deputados Erika Kokay e Frei Anastacio Ribeiro exige licitação em todas as aquisições, cessões e alienações de carteiras de bancos federais

Empresas do setor elétrico estão no centro do debate sobre privatização. Foto: Reprodução

Jornal GGN – Os deputados Erika Kokay (PT-DF) e do deputado Frei Anastacio Ribeiro (PT-PB) apresentaram na Câmara o Projeto de Lei 4269/20, que tipifica o crime de desestatizar empresas públicas ou sociedades de economia mista sem autorização legislativa, reformula a dispensa de licitação para empresas estatais e regula operações com carteiras de instituições financeiras federais.

A proposta acrescenta um artigo à Lei 13.303/16, que trata do estatuto jurídico da empresa pública, que busca estabelecer como crime contra o patrimônio público a realização de atos que venham a desestatizar sem autorização legislativa, de forma total ou parcial, empresa pública ou sociedade de economia mista, inclusive por meio de alienação de ativos transferidos para subsidiárias com este objetivo.

A pena prevista é reclusão de 10 a 16 anos e multa. “Ainda fixamos que o valor da multa será de 1% a 20% do faturamento bruto da empresa pública ou da sociedade de economia mista afetada no exercício anterior à ocorrência do crime”, explicam os parlamentares na justificativa do projeto, que inclui previsão semelhante na Lei de Improbidade Administrativa.

Em outro ponto, o projeto dos deputados altera a Lei 13.303/16, para excluir a previsão de dispensa de licitação vinculada a “oportunidades de negócio”. “Esse conceito juridicamente vago pode ser utilizado com interesses escusos, em desrespeito a normas de desestatizações. No caso do setor de petróleo, vendas disfarçadas têm sido realizadas com base nesse expediente”, dizem.

A proposta também esclarece, na legislação, que aquisições, cessões e alienações de carteiras de instituições financeiras federais, mantida a posição de controle do poder público, devem ser precedidas de licitação, exceto quando realizadas entre empresas do mesmo conglomerado ou grupo empresarial. As informações são da Agência Câmara.

 

 

Leia Também
“Sem dúvidas há uma crise no bolsonarismo moderado”, diz Esther Solano ao GGN
Erro do governo Bolsonaro deixa 923 mil sem auxílio emergencial e Bolsa Família em agosto
Seis meses após primeira morte, pobreza impulsiona pandemia no Brasil

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora