Reino Unido investiga se mutação fez coronavírus se espalhar mais rápido na segunda onda

Ainda não há evidências de que mutações gerem casos mais graves de Covid, ou que tornem a vacina menos eficiente

Fotografia: Mario Tama / Getty Images

Jornal GGN – Cientistas do Reino Unido anunciaram nesta terça (15) que estão estudando a possibilidade de uma mutação ter aumentado a transmissão do coronavírus durante a segunda onda.

De acordo com o ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, as mudanças ocorreram na proteína “spike”, “por meio da qual o Sars-CoV-2 infecta células humanas”, escreveu O Globo.

“Esforços estão sendo feitos para confirmar se alguma destas mutações está contribuindo ou não para uma transmissão maior”, afirmou o Consórcio de Genômica de Covid-19 do Reino Unido.

O Reino Unido registrou no último domingo (13) 1.108 casos novos de Covid-19 com a nova variante. De acordo com os cientistas, durante a pandemia no mundo, ao menos duas mutações por mês foram registradas no vírus.

Ainda não há indícios de que a mutação gere infecções com sintomas mais graves ou que torne as vacinas menos eficientes. Os estudos em andamento devem trazer mais detalhes sobre esses dois pontos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora