TSE: Há condições técnicas, mas não políticas, para cassar Bolsonaro e Mourão

Ciente de que não é o favorito nas pesquisas de opinião, Bolsonaro tem direcionado seus ataques ao próprio TSE, afirmando a apoiadores e em entrevistas que a Corte não tem credibilidade para liderar o processo eleitoral

Foto: Marcello Casal/Agência Brasil

Jornal GGN – É destaque na coluna de Lauro Jardim, no começo desta última semana de agosto, que o Tribunal Superior Eleitoral vislumbra condições técnicas para cassar a chapa presidencial eleita em 2018. “O que não existe ainda são as condições políticas” para retirar Jair Bolsonaro e o vice Hamilton Mourão, escreveu o jornal de O Globo.

No TSE, tramitam ao menos quatro processos, segundo Jardim, que pedem a cassação da chapa por abuso de poder econômico, entre outras ilegalidade envolvendo a máquina bolsonarista de disparar fake news e ataques de ódio na última corrida presidencial.

Há algumas semanas, o TSE reforçou pedido de compartilhamento de provas do inquérito que tramita no Supremo Tribunal Federal a respeito do financiamento de ataques à democracia e notícias falsas.

Se cassados, Bolsonaro e Mourão não poderiam concorrer a um cargo político pelos próximo 8 anos. Seria a solução para tirar o extremista de direita do próximo pleito, que ele ameaça reiteradamente de não ocorrer desde que a Câmara pautou e derrotou a proposta do voto impresso com contagem pública de votos.

Ciente de que não é o favorito nas pesquisas de opinião, Bolsonaro tem direcionado seus ataques ao próprio TSE, afirmando a apoiadores e em entrevistas que a Corte não tem credibilidade para liderar o processo eleitoral. Sem provas, ele insinua que a Justiça Eleitoral é suscetível a fraudes perpetradas por pessoas “de dentro”.

Leia também:

Em novo ataque, Bolsonaro acusa TSE de apagar provas de suposto desvio de 12 milhões de votos

Recomendado:

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora