Unicef ​​diz que lockdown em áreas de pobreza pode matar mais que coronavírus

Estudo é centrado na situação de países da África e Oriente Médio, mas vale para bolsões de pobrezas da América Latina, incluindo favelas

The Telegraph

O risco de crianças morrerem de malária, pneumonia ou diarréia nos países em desenvolvimento é crescente devido à pandemia e “supera em muito qualquer ameaça apresentada pelo coronavírus”, alertou a Unicef.

Em uma entrevista exclusiva, o Dr. Stefan Peterson, chefe de saúde da Unicef, alertou que os bloqueios generalizados impostos em muitas classes de baixa e média renda não são uma maneira eficaz de controlar o Covid-19 e podem ter repercussões mortais .

“Medidas indiscriminadas de bloqueio não têm um efeito ideal sobre o vírus”, disse ele ao The Telegraph . “Se você está pedindo às famílias que fiquem em casa em um quarto da favela, sem comida ou água, isso não limitará a transmissão do vírus.

“Estou preocupado que as medidas de bloqueio tenham sido copiadas entre os países por falta de saber o que fazer, raramente com qualquer contextualização para a situação local”, disse ele.

“Um tamanho não serve para ninguém. O objetivo é retardar o vírus, não prender pessoas. “Precisamos levantar os olhos e olhar para o quadro total da saúde pública.”

De acordo com um forte relatório publicado na revista Lancet Global Health na quarta-feira, quase 1,2 milhão de crianças podem morrer nos próximos seis meses devido à interrupção dos serviços de saúde e suprimentos de comida causada pela pandemia de coronavírus.

A modelagem, realizada por pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg e Unicef, descobriu que as taxas de mortalidade infantil podem aumentar em até 45% devido a interrupções relacionadas ao coronavírus, enquanto as mortes maternas podem aumentar em quase 39%.

Leia também:  Para economizar em testes, Mandetta gastou muito mais em UTIs e vidas

Peterson disse que esses números refletem, em parte, restrições rigorosas em grande parte do mundo que impedem as pessoas de deixar suas casas sem documentação, impedindo-as de acessar serviços essenciais de saúde.

Em alguns países, o público também está evitando hospitais e centros de saúde por medo de pegar o Covid-19, enquanto os serviços também foram desviados para se concentrar na pandemia. As campanhas de vacinação contra doenças como sarampo também foram interrompidas – pelo menos 117 milhões de crianças em todo o mundo provavelmente perderão as imunizações de rotina este ano.

Peterson alertou que essas tendências resultaram em uma redução na “utilização eficaz dos serviços” – uma mudança que, em alguns lugares, pode ser mais perigosa que o próprio vírus. E os bloqueios têm um alto custo econômico, o que poderia desencadear um aumento da pobreza e da desnutrição .

A pesquisa analisa as consequências da ruptura em 118 países de baixa e média renda, com base em três cenários. Mesmo no caso mais otimista, onde o acesso aos serviços de saúde caiu 15% e o desperdício de crianças aumentou 10%, morreram 253.500 crianças e 12.200 mães adicionais.

Mas um cenário de pior caso, em que os serviços são reduzidos em 45% e a proporção de crianças desperdiçadas cresce em 50%, pode resultar em 1,16 milhão de mortes infantis adicionais e 57.000 mortes maternas em apenas seis meses.

A modelagem projetava que a Índia veria o maior número de mortes adicionais em crianças menores de cinco anos e a mortalidade materna, seguida pela Nigéria. Também é provável que o Paquistão, a República Democrática do Congo, a Tanzânia e a Indonésia sejam duramente atingidos.

Leia também:  Bolsonaro retira obrigação do uso de máscara em locais fechados com aglomeração

Tal situação tem algum precedente – a pesquisa mostrou que em 2014, durante o surto de Ebola no oeste da África, mais pessoas morreram por efeitos indiretos do que a própria doença. Mas a escala da pandemia significa que as consequências serão muito maiores.

“Desde que começamos a contar as mortes de crianças e a mortalidade materna, esses números vêm diminuindo e diminuindo”, disse Peterson. “E, na verdade, esses tempos são sem precedentes, porque é muito provável que olhemos para um cenário em que os números estão subindo .

“Isso não é de Covid – Covid não é uma doença infantil. Sim, existem casos raros e os vemos divulgados na mídia. Mas pneumonia, diarréia, sarampo, morte no parto, essas são as razões pelas quais veremos o aumento das mortes ”, afirmou. “Essas ameaças superam em muito qualquer ameaça apresentada pelo coronavírus em países de baixa e média renda”.

O Dr. Peterson pediu aos países que não imponham bloqueios draconianos, mas que se concentrem na identificação de pontos críticos para que restrições regionais menos prejudiciais à saúde pública possam ser introduzidas.

Ele disse estar preocupado com o fato de a atual batalha contra o Covid-19 estar se transformando em uma “crise dos direitos da criança” e roubando uma geração de suas perspectivas em saúde, educação e economia.

Ao lançar a campanha ‘Save Generation Covid’, o maior apelo da Unicef ​​em seus 73 anos de história, Sacha Deshmukh, diretora executiva da Unicef ​​UK, acrescentou: “Esta pandemia está tendo consequências de longo alcance para todos nós, mas é sem dúvida a maior e crianças de crise global mais urgentes enfrentam desde a Segunda Guerra Mundial.

Leia também:  Fora de Pauta

“Não podemos permitir que quase uma década de progresso no fim das mortes evitáveis ​​de crianças seja desfeita sob nossa vigilância”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Os Deserdados da vida vão poder escolher a própria morte: ou morrem por Covid-19 ou de Fome ou por outra enfermidade.

    Um falso dilema posto pela Unicef

    3
    1
  2. “…Unicef ​​diz que lockdown em áreas de pobreza pode matar mais que coronavírus…” O Presidente da República já alertava para esta realidade já muito mais tempo que Unicef. A Verdade é Libertadora. Milhões e milhões morrem diariamente de desnutrição ou diarreia neste Brasil. Os números de latrocínios, suicídios, feminicidios explodem por todo o país. Imprensa Partidarizada juntamente com a NecroPolitica infla o histeria e caos. A Velha Política desce onde somente os medíocres conseguem chegar. Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

    2
    3
    • O seu “presidente” da república está fazendo o quê para solucionar as mortes causadas pela desnutrição e morte de crianças no Brasil? Entregando as riquezas nacionais para os milionários brasileiros ladrões de terra e de minério? Desmatando a Amazonia? Abrindo espaço para a agricultura americana nas exportações para a China? Destruindo territórios indigenas que sem terra tem que que vir para as periferias da cidade? Entregando o estado brasileiro para o mercado? Vai se catar.
      Seu “presidente” é um genocida que quer a morte de milhares de brasileiros para se manter no poder. E vagabundo pois administra o país para sua familia e fica o dia inteiro no twiter conversando com o seu gado.
      O presidente da Unicef alertou para o problema buscando uma solução para o caso e a solução definitivamente não é matar 200 mil de brasileiros de covid 19 como quer o seu “presidente”.

      2
      3
      • VLV : Mas que o “Nosso” Presidente alertou, muito antes da UNICEF, isto alertou. É difícil confrontar a verdade, quando se passou por quase 1 século na doutrinação e cabresto. Entendo sua revolta. Mas tem tratamento assim como Síndrome de Estocolmo. Tome os remédios regularmente, que passa. Conheceis a Verdade. E a Verdade Vos Libertará.

        • “Seu” presidente. Eu votei no Haddad. Diz aí: você acredita em fake news ou é assalariado como os “renans e saras” de Brasília? Quero partilhar uma informação com você: o Estado brasileiro é laico e regido pela Constituição e não pela biblia manipulada por picaretas.

          1
          1
    • Primeiro que o ogro presidente disse que não havia risco pro brasileiro, ou que era uma gripinha, que só mataria doentes e fragilizados, idosos preferencialmente ..depois que as vítimas não chegariam a mil e que não haveria ajuda pros precarizados, pra depois propor 200 que, humilhado qdo comparado ao 1 trilhão oferecido ao sistema bancário, teria topado súbir o valor pra 600.
      Bom lembrar TB que durante todo tempo o ogro presidente defendeu e tentou contaminar o máximo possível de gente, desconsiderando a falta de equipamentos e de UTIs por exemplo, pra dali então, ir dando ênfase a atividade econômica, meio que compensando a popularidade perdida, mesmo que bombardeando QQ isolamento, cedendo depois ate topar o tipo VERTICAL, que praticamente todo planeta diz ser ineficaz.

      Qual seja, antes de vc sair defendendo a pseudo sabedoria desse animal do Planalto, melhor se convencer de que desde sempre ele desmereceu a ciência, preferindo trilhar pela tentativa e erro, isso a ponto de hj ter que editar a MP 966 que, como uma auto anistia, tenta antecipar QQ isenção de culpa que possa recair a ele, por sua omissão, imperícia, negligência e loucura que ele cultivou e que irá nos custar milhares de mortos nesta pandemia.

  3. “Está morrendo gente? Está! Lamento! Mas vai morrer muito mais se a economia continuar a ser destroçada”. – Bolsomerda

    “Essa é uma realidade, o vírus tá aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, porra, não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Todos nós iremos morrer um dia”. – Bolsobosta

    Já que todos nós iremos morrer um dia, que morramos seja de corona, ne não de fome. Portanto, vamos salvar a economia

    Se eu fosse governador, eu responderia ao saco de Bosta Naro:

    “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Se você, que é Messias, não faz milagres, imagine Eu, que não sou Messias”.

    É MELHOR morrer pouca gente do que morrer MUITA gente.

    Para o Bolsonaro, o problema não são as mortes, mas a quantidade de mortos. Por isso, ele não quer salvar as pessoas, mas a economia

    • Divirgo, caro Rui,
      o presidento não descansará enquanto não matar ao menos 30 mil (gentes). É promessa de campanha.
      O messias veio para confundir e instaurar o caos.
      É um agente da kaos.
      Ele é o eleito. Temos, portanto, que aceitar essa realidade. Das gentes que não morrerão de coronavirus e nem de fome, ainda abundam aquelas que morrem por ele.
      Vontade de falar um grosso palavrão!

  4. Nassif: avise pro pessoal do TheTelegraph que a UNICEF chegou tarde à conclusão. Os VerdeSauvas vibraram quando os da QuerênciaDeCruzAlta apresentaram o projeto. Que desde o fim de janeiro já sabiam da praga. Alias, à boca miúda, tão dizendo que impediram fosse suspenso o Carnaval, justamente pra propagar o treco pela periferia das Metrópoles. Calcularam até os bilhões de dólares que economizariam com a carpição dos pobres, que eles acham que são praga como capim. Portanto, a notícia nem é nova nem acrescenta nada à realidade de Pindorama…

  5. Se milhões e milhões morrem diariamente de desnutrição ou diarréia neste Brasil, qual o problema em morrer gente também de coronavírus?

    Não há nada tão ruim que não possa piorar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome