Vale assina acordo de R$ 37 bilhões para reparações do crime ambiental de Brumadinho

Valor acordado com o Estado de Minas Gerais é cerca de R$ 20 milhões a menos do que foi pedido inicialmente. Familiares das vítimas não foram ouvidos e protestaram nesta quinta

Foto: Marcelo Cruz

Jornal GGN – Após quase quatro meses de negociações, o governo de Minas Gerais, encabeçado Romeu Zema (Novo), e a mineradora Vale assinaram nesta quinta-feira, 4, o acordo para reparação dos danos provocados pelo rompimento da barragem na mina Córrego do Feijão, em Brumadinho, no dia 25 de janeiro de 2019. A tragédia matou 270 pessoas.

O valor acordado foi de R$ 37,68 bilhões para direitos socioeconômicos e sócio-ambientais e não abrange ações individuais e criminais sobre o caso. Inicialmente, o Estado havia pedido R$ 54 bilhões em reparações, R$ 26 bilhões por danos socioeconômicos e R$ 28 bilhões por danos morais e difusos.

As negociações envolveram representantes do governo de Minas, Ministério Público de Minas Gerais, Ministério Público Federal e Defensoria Pública, além do Tribunal de Justiça de Minas.

Os representantes dos atingidos e de familiares das vítimas, no entanto, alegam que não foram ouvidos nem chamados para participar das negociações. Por isso, nesta manhã, protestaram em frente ao Tribunal de Justiça durante a audiência

Após a reunião, o governador do Estado, Romeu Zema, afirmou que irá usar a indenização “para o povo mineiro, não para o caixa do Estado”, disse. “Continuaremos sendo um estado com terríveis dificuldades financeiras, mas o povo mineiro é que vai receber o legado”, afirmou.

Já a Vale informou que está ” determinada a reparar integralmente e compensar os danos causados pela tragédia de Brumadinho e a contribuir, cada vez mais, para melhoria e desenvolvimento das comunidades em que atuamos”, disse o diretor-presidente da mineradora, Eduardo Bartolomeo.

O Procurador-Geral da República, que mediou as negociações, também se manifestou. “Nós pudemos conciliar grandes questões sociais, econômicas, ambientais e, eu diria, sem desprezar a vida daqueles que se foram para mitigar a dor dos que ficaram, propiciando a reparação dos danos e a recomposição desses bens coletivos.“, avaliou. 

Com informações da Folha de S. Paulo e G1

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Os números mostram a Tragédia da Indústria da Miséria e Pobreza que aniquilam este país por intermináveis 90 anos. Onde estava este dinheiro da VALE que não enxergamos na paupérrima Brumadinho/MG? Não enxergamos em lugar algum do Brasil, nem de MG, fora das Elites do Estado Absolutista nas figuras do Nepotismo Fascista dos Neves e outros Déspotas que infestam este Estado nestas décadas todas. 37 Bilhões em Cidade que não tem nem Estrada de Pista Duplicada para seu acesso?!! 37 Bilhões de Reais são quantos Orçamentos Anuais de Brumadinho? Uns 30? Brumadinho que tem pouco mais de 37 Mil Habitantes. Daria quase 1 MILHÃO DE REAIS para cada Habitante da Cidade. Cerca de 4 MILHõES DE REAIS por Família. Só confrontamos a Hecatombe de Dinheiro produzido apenas por uma Empresa Nacional Brasileira, quando nos deparamos com o tamanho da Tragédia Nacional. Pobre país rico.”…é obsceno de tão óbvio…”Mas de muito fácil explicação (P.S. E Mariana / MG, seus Mortos e seus Criminosos já foram esquecidos)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome