Prometo não tocar no assunto, por Elika Takimoto

do Minha Vida é um Blog Aberto

Prometo não tocar no assunto

por Elika Takimoto

Fui orientada por várias editoras que entraram em contato comigo a não falar de política nas redes sociais caso queira ser uma escritora vendável. Perguntei: e sobre o que posse escrever? Disserte sobre seu trabalho, Educação, ouvi como resposta. Ou sobre os seus filhos, sugeriram.

Pois muito bem, trabalho no CEFET há dez anos como professora de física e há um ano como coordenadora. Cheguei lá pouco depois de Lula ter sido eleito presidente. No dia de minha posse, o diretor falou que ali eu não iria encontrar professores infelizes. Achei estranho, pois vinha da rede estadual e da particular onde professor que não reclama nunca havia visto.

O tempo passou. De fato, nunca vi ali professor reclamando das condições de trabalho. Vi as salas ganhando projetores multimídia e quase todas serem climatizadas. Tudo o que pedimos para que nosso laboratório de física ficasse mais moderno e atualizado conseguimos. Fiz meu doutorado com redução de carga sem redução de salário. Viajei para congressos e simpósios pelo Brasil inteiro tudo bancada pelo CEFET. Jamais, em tempo algum, lembro-me de querer fazer algo ali dentro para os alunos e para meu crescimento intelectual e ser freada.

Há quatro anos, minha sala viu a diversidade. O sistema de cotas foi implementado no meu CEFET. Se ganharam os cotistas com a oportunidade, ganhamos muito mais os professores por entender que capacidade intelectual nada tem a ver com a nota de uma prova de seleção e mais ainda enriqueceram os outros alunos por testemunhar o esforço de quem vive em outra realidade.

Sempre quis dar a melhor educação para meus filhos. Nara se formou ano passado pelo CEFET e ontem, depois de chegar da rua e ter visto o quão alienante é uma escola particular me disse: o CEFET deveria ser obrigatório para todos. As escolas particulares deveriam ser proibidas. Exageros à parte, ela quis dizer que lucrar com educação (e saúde) deveria ser, no mínimo, digno de vergonha.

Leia também:  Mais Che e menos Lampião, por Francisco Celso Calmon

Moro em Madureira, Yuki tem amigos na escola em que estuda (todos brancos) e, para equilibrar esse universo, levo meu filho sempre no Parque onde a diversidade impera.

No Parque Madureira, semana passada, Yuki conversava com um menino da idade dele (dez anos) que mora na Serrinha. O coleguinha viu a mãe ser estuprada e estava contando para a gente como foi. Ele estava acompanhado do irmão mais velho que estava “andando de skate não sei onde” enquanto ele brincava no parquinho. Disse o menino que o irmão vai matar quem fez isso com a mãe.

Hideo, meu filho mais velho, se formou agora em música. Está doido procurando emprego – assim como seus amigos que se formaram em engenharia, psicologia e ciências socias. Os editais para cultura estão fechados. Sabe Deus com que idade eles vão se aposentar.

Desde o meio do ano passado, recebo orientações de meus chefes imediatos para ajudar na contenção de despesas. Vi professores querendo ir a congressos e impossibilitados por falta de verba. Vai piorar, avisaram.

Temos toda a liberdade para usar metodologias diferentes para ensinar não só no CEFET como em todo o Brasil como já garante a Constituição. Mas essa nova reforma do Ensino Médio engana e toma para si esse discurso que ‘agora’ as escolas vão poder trabalhar de forma mais livre sendo que, em breve, veremos o aumento da dificuldade dos pobres chegarem às universidades como deixa claro o texto dessa Reforma.

Pronto. Falei do meu trabalho, sobre Educação e sobre meus filhos. Seguirei a orientação e continuarei dissertando sobre esses temas. Trarei números de quantas escolas técnicas foram criadas em dez anos e quantas universidades novinhas em folha visitei. Falarei também sobre a quantidade de amigos que tenho concursados e sobre Lucimar, minha empregada, e suas colegas de trabalho que estão felizes recebendo tudo o que tem direito.

Leia também:  Os “maus brasileiros” e o Reinhard Heydrich tupiniquim, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Mas evitarei falar sobre política. Prometo.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. E ainda há pseudo revolucionários falando mal dos governos do PT

    É a versao moderna do “Tanto pior melhor”. Sao de um revolucionarismo tao puro que negam todas as melhorias para as classes populares, que só serviriam para “incluí-las no sistema” (no qual, evidentemente, eles estao bem incluídos…; mas pimenta nos olhos dos outros é refresco mesmo). Primeiro ajudaram a validar o discurso moralista (tao seletivo…) que foi usado para tirar o PT do poder (crendo talvez, os imbecis, que seriam herdeiros da posiçao de liderança do PT nas esquerdas; só ajudaram a direita a tomar o poder). Agora vêm com papo furado culpando o PT por nao fazer o que é mesmo impossível de fazer sem uma revoluçao.

  2. va para os senai´s da vida

    va para os senai´s da vida que esles estarão na onda. na moda, o resto a gente da um jeito depois com umas gambiarras.

  3. Excelente

    Inteligente e oportuna lição de resistência ou desobediência civil, como queiram. É por aí minha gente. Parabéns Elika por essa postagem. Absurdo mesmo é uma editora impor condições de cunho político a um escritor seja de que área for educativa, técnica, ficção. E muitas por aí devem estar fazendo isso. Não são editoras sérias, são caça talentos que lhes dê dinheiro sem que façam adequada retribuição ao escritor. No exterior elas pagam direitos muito bem e ninguém vai à falência por isso e não impõem esse tipo de restrição a quem quer que as procure. Perguntaria a uma dessas editoras medíocres se iriam dizer isso ao ex-chanceler norte-americano pelo Partido Republicano Henry Kissinger quando escreveu o livro Sobre a China (e outros se seguiram) com rasgados elogios aos chineses, livro que desvenda para o leitor a história e desenvolvimento de uma das nações mais antigas da humanidade com sua hostilidade e aproximação com os Estados Unidos ainda em plena guerra fria. É claro que foram editoras com letras maiúsculas que publicaram: Penguin Press nos USA e Objetiva no Brasil.

  4. sem politíca

    O meu sobrinho, brasileiro engenheiro no Brasil e Alemanha mestrado e doutorado na Alemanha, professor CEFET, trabalhos para Petrobrás etc., em compasso de espera para aqui permanecer.

    Definiu a próxima eleição presidencial (Lula evidentemente) como marco de permanecia na sua terra ou a volta para a universidade do seu doutorado.

  5. Fique tranquila menina.
    O
    Fique tranquila menina.
    O sucesso de mercado nunca foi um bom critério para definir o que é alta literatura.
    Escrava o que quiser sobre política.
    E mande os editores se foder.
    Eles gostam de publicar lixo.
    E podem fazer isto sem a sua ajuda.

  6. Essa situação é similar a da

    Essa situação é similar a da Alemanha Nazista onde quem não era filiado ao partido era impedido de trabalhar e falar de política era considerado um pecado mortal. Literalmente! Será que já chegamos a isso? Que os deuses nos protejam! Todos, porque somente um único Deus em nossa atual situação catastrófica não é suficiente!

  7. TERIA SIDO UM GOLPE?
    COMO É QUE PODE? PAÍS SEM PUDOR.CADA UM TEM A SUA “JUSTIÇA”.TODOS NA QUADRILHA! A QUADRILHA SE ASSUME COMO QUADRILHA, SEM MEDO DE SER FELIZ!E O POVO QUE SE FODA! Assim é. País sem pudor! TERIA SIDO UM GOLPE? TERIA SIDO UM GOLPE COMANDADO PELOS PODERES DA REPÚBLICA, SOB DOGMAS DOS PODEROSOS MULTI-NACIONAIS E GOVERNOS EXTERNOS?> https://gustavohorta.wordpress.com/2017/01/05/assim-e-pais-sem-pudor-teria-sido-um-golpe-teria-sido-um-golpe-comandado-pelos-poderes-da-republica-sob-comando-dos-poderosos-internacionais/ ”TERIA SIDO UM GOLPE? TERIA SIDO UM GOLPE COMANDADO PELOS PODERES DA REPÚBLICA, SOB DOGMAS E PATROCÍNIO DOS PODEROSOS MULTI-NACIONAIS E GOVERNOS EXTERNOS? O que você acha? Você ainda tem dúvidas?Não as tem? Está convencido de que foi um golpe? Está convencido de que não foi um golpe?Em qualquer dos dois casos pouco ou, no segundo caso, nada esta crônica poderá acrescentar. Se você está convencido de que foi um golpe esta crônica apenas ilustra mais alguns fatos que eventualmente irão corroborar seu entendimento. …” 

    PUTAQUEOPARIU!

     

  8. Acompanho Elika diariamente

    Acompanho Elika diariamente no Twitter, sempre (sempre) ótima.

    Inclusive o cartazinho em javanês na Olimpíada.

    Bom humor, alto astral e inteligência lúcida, apesar do clima de fim de feira que o Golpismo burro nos legou.

    .

     

  9. Elika, seu texto remete à ‘Comportamento Geral’, do Gonzaga Jr.

    Comportamento Geral

    Gonzaguinha)

    Você deve notar que não tem mais tutu
    e dizer que não está preocupado
    Você deve lutar pela xepa da feira
    e dizer que está recompensado
    Você deve estampar sempre um ar de alegria
    e dizer: “Tudo tem melhorado”.
    Você deve rezar pelo bem do patrão
    e esquecer que está desempregado

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé
    Se acabarem com teu Carnaval

    Você deve aprender a baixar a cabeça
    E dizer sempre: “Muito obrigado”
    São palavras que ainda te deixam dizer
    Por ser homem bem disciplinado
    Deve pois só fazer pelo bem da Nação
    Tudo aquilo que for ordenado
    Pra ganhar um Fuscão no juízo final
    E diploma de bem comportado

    Você merece, você merece
    Tudo vai bem, tudo legal
    Cerveja, samba, e amanhã, seu Zé,
    Se acabarem com teu Carnaval?

     

    Gostaria de lhe dar miríades de Estrelas, Elika.

  10. Você prometeu não tocar mas está tocando no assunto

    Karl Marx disse:

    “The writer must necessarily make money in order to live and write, but he should not, at any circunstance, to live and write in order to make money”.

  11. Elika Tskimoto
    Elika, assim como tantos de nós, certamente viveu a adolescência entre 1975 e 1990, cheia de qualificadas referências políticas, culturais, filosóficas, sociológicas, … de toda natureza.

    Assim como ela, ingressei na então ETFAL em 1996, passando pelo CEFET-AL, hoje IFAL. É indiscutível a mudança de lá para cá! 1) Foi reeditado o Decreto de FHC que “proibia” a construção de novos campi universitários e novas unidades dos CEFETs, possibilitando assim a quase duplicação da rede universitária e a quadruplicação da rede de ensino técnico de nível médio. 2) Após 10 sem reajuste salarial, uma política de cargos e salários digna à carreira docente foi instituída. 3) O aporte financeiro destinado à capacitação docente e operacionalização dos Institutos, foi intensificado. 4) O programa ciências sem fronteiras permitiu a integração científica com países do primeiro mundo. 5) O sistema de cotas permitiu a inclusão dos jovens oriundos das escolas públicas aos espaços anteriormente ocupados “apenas” pelos filhos abastados da elite burguesa nacional. Etc, etc, etc! Só quem viveu está realidade, pode aferir e registrar os fatos sem leviandade.

    Ora, tudo isso incomoda às oligarquias e descaracteriza a velha estrutura de poder mantida ao longo de 5 séculos. Estou aqui tratando de políticas de governo e não do estadista, a quem posso elogiar ou mesmo condenar – tenho motivos para isto! Mas uma coisa ninguém pode negar: foi durante o governo de Luis Inácio Lula da Silva que o olhar para os mais pobres e a orientação no sentido de que estes possam construir censo crítico em relação às podridão que acontece nos bastidores do poder, aconteceu pela primeira vez.

    Gostem ou não, é como disseram um outro dia: Lula é o cara!

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome