Raquel Dodge decretou: na Lava Jato Habemus Papam, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Coitado do Papa Francisco. Ele cometeu o erro de escrever uma generosa carta a Lula. Em razão disso, no Brasil ele foi deposto e substituído por um marreco.

Raquel Dodge decretou: na Lava Jato Habemus Papam

por Fábio de Oliveira Ribeiro

A principal característica extra-jurídica do caso do Triplex foi a competência “ad urbe et orbi” que o Judiciário reconheceu em Sérgio Moro para julgar Lula. Todas as regras de competência foram simplesmente ignoradas pelo TRF-4 e pelo STJ para que o juiz lavajateiro de Curitiba pudesse julgar um caso não relacionado à corrupção da Petrobras envolvendo um imóvel no Estado de São Paulo.

Agora, ao se manifestar num HC de Lula a PGR Raquel Dodge acrescentou à decisão de Sérgio Moro outra característica marcante: a infalibilidade. Apesar das provas de que Moro conspirou com Deltan Dellagnol para reduzir as chances de absolvição do réu a sentença dele não pode ser anulada. Ex cathedra, a condenação de Lula no caso do Triplex deve ser considerada imutável, inquestionável e infalível.

A Lava Jato era uma pantomima política. Agora ela virou uma Bula Papal. Em razão disso resolvi enviar um Twitter ao Papa:

Sadly I report that the @Pontifex was deposed. The Judiciary of Brazil has recognized that @SF_Moro has “ad urbe et orbi” jurisdiction to try Lula. Now the @MPF_PGR said the judge is infallible despite evidence that he corrupted the criminal lawsuit to harm the defendant.
https://twitter.com/FabioORibeiro/status/1142432710415265792?s=19

Coitado do Papa Francisco. Ele cometeu o erro de escrever uma generosa carta a Lula. Em razão disso, no Brasil ele foi deposto e substituído por um marreco.

Leia também:  Busca e apreensão desastrada ou sob medida?, por Marcelo Auler

Ninguém ficará surpreso de o Papa marreco da Lava Jato invocar a supremacia do Direito Canônico à CF/88 para colocar o The Intercept no Index Librorum Prohibitorum. Sem o Nihil Obstat tudo que o Greenwald publicar está fora da Lei e não pode ser usado como prova no STF.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora