Rasgar a Constituição fratura o país, por Flavio Goldberg

De certa forma quanto mais uma Constituição se incorpora à história dum país mais estáveis suas instituições e maior segurança à sociedade.

Rasgar a Constituição fratura o país

por Flavio Goldberg

Quando se invoca o conceito de Carta Magna se espalha uma lei que protege o cidadão, o Estado democrático de Direito, mas antes e acima de tudo o que assegura o reconhecimento jurídico da Nação. Dai seu artigo 5º com suas direitos fundamentais assegurados.

E deste documento que tem o caráter unificado derivar as ilações de cláusulas pétreas. De certa forma quanto mais uma Constituição se incorpora à história dum país mais estáveis suas instituições e maior segurança à sociedade.

Coincidindo com sucessão de crises que se desdobram desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff o fato político-partidário e ainda mais ideológico é a divisão da opinião pública polarizada entre visões de esquerda e direita, na tradição dos movimentos políticos brasileiros.

Como resultado dos embates a eleição de Jair Bolsonaro, e logo em seguida a eclosão da pandemia da Covid-19, provocando milhares de mortes, o derretimento do sistema de saúde já sucateado, a quarentena desmontando toda a estrutura da Economia nacional, desenha-se um quadro sombrio que exigiria uma união nacional para superação da tragédia.

Mas o que se constata é um esgarçamento vertiginoso do pacto federativo, Constituição Federal com conflito entre os três poderes e governadores, prefeitos atordoados com impulsos totalitários ameaçando a população com imposição estrambelhada de medidas de efeito discutível para debelar a crise sanitária, porém violando preceitos constitucionais como a liberdade de ir e vir, garantias fundamentais, uso obrigatório e generalizado de máscaras tudo com linguagem, formatação, e recursos fascistas, invadindo a privacidade pessoal, no controle de celulares, critérios amalucados de uso de equipamentos para a preservação da vida e principalmente, na figura do governador de São Paulo atitudes de enfrentamento que obviamente visão sob pretexto de isolamento social encarcerar a cidadania.

Leia também:  Só esqueceram de dizer que a direita que ganhou as eleições é tão fascista como Bolsonaro, por Rogério Maestri

A doutrina de prender para salvar vidas não resiste à constatação do desemprego em massa, a quebra do parque industrial e a imposição de paranoia coletiva.

No mal encoberto embate entre o presidente Bolsonaro e o governador Doria não se pode admitir aquilo que o governador Leonel Brizola antecipava quando levantava a suspeita de interesses internacionais em arruinar o Brasil, economicamente.

Já se fala na divisão entre Centro e periferia na estatística macabra dos enterros, UTIs de ricos e pobres, Norte e Nordeste com políticas diferentes de privilégios e sofrimentos em relação ao Sul e Sudeste.

Agora o que se deve preservar é a nação com o povo exercitando os direitos inscritos na Constituição. Este é o papel dos três  poderes sem regimes de províncias com pequenos tiranos na expressão de Carlos Castaneda aterrorizando o ser social.

Flavio Goldberg, advogado e mestre em Direito.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome