Sobre o futebol, arte, ética e as ‘chuteiras’, por Cristiane Alves

E o jovenzinho tem capital pra caramba. Inclusive porque esse injustiçado fraudou a Receita Federal. Um crime de somenos importância, diga-se. Roubar de todos é roubar de ninguém.

Sobre o futebol, arte, ética e as ‘chuteiras’

por Cristiane Alves

Sou péssima em qualquer esporte, sempre fui. Mas como o assunto é macho rico indefeso e “Marias Chuteiras” vou me atrever um pouquinho.

Penso que o Brasil já foi melhor em jogadores de futebol e espírito desportivo. Não digo perfeito, porque racismo, machismo, clientelismo e outras corrupções sempre foram vistos sem ajuda de lupa. Mas pelo menos o futebol era bonito. Tinha alma libertadora, de um povo que precisava mostrar a que veio.

Em tempos líquidos ainda sei que existem os bons nos esportes. Assim como em toda outra profissão. Apenas que os bons nem sempre são os reverenciados. É a lei selvagem da competição marketeira. Ninguém precisa ser bom, só precisa ter um apoio que se encarregue de convencer-nos que seja.

Reforço. Isso em qualquer profissão.

Quero dizer que não estou apontando os falsos de talento no futebol. Apenas que muitos, mais espertos, compreenderam o poder do ilusionismo e já não se desgastam. É investimento ser a “bola da vez”, para o bem ou para o mal, se é que me entendem.

Mas a fama, desejada em qualquer profissão, também traz problemas, para qualquer vivente (os mortos não estão isentos, mas já não se importam tanto). O famoso perde liberdades (ganha outras), mas às vezes tem o desejo de poder caminhar sobre o mar de ignorados pelo sistema sem afundar. Nem sempre conseguem. Alguns param de tentar ao ver os erros alheios, outros caem na mesma armadilha todas as vezes, bastando mudar a isca, ou o material da arapuca.

Leia também:  Em "Vivarium" o micro e o macrocósmico se encontram na prisão da família e do casamento, por Wilson Ferreira

Nem é bom divagar muito. Voltemos ao futebol e às “Chuteiras”.

Por aqui institucionalizamos a “catimba”. Não vemos só entre os nossos, mas muito entre os tais, tal que já virou normal. O Neymar usa.

Tá ali na jogada e sempre que possível usa de meios capciosos. Virou “jeitinho brasileiro”, talento até. “Cava falta”, “cava pênalti”, “cava choro”. Normal, é um garoto.

E sedução é jogo. Você examina o campo, estuda o oponente, elabora uma estratégia. Coloca o time em campo e espera o apito. Se o jogo começa você dribla os obstáculos, arma a jogada e chuta. Se entrar, é golaço!

Mas tem o outro lado do campo, e nessa você pode ser a maior aposta. O método é o mesmo. Mas por vezes a catimba entra na jogada. E se você não tiver o bandeirinha atento, vai precisar do árbitro de vídeo. Complica.

Daí o herói das catimbas, o cara com talento para cavar faltas, o atleta top model de cabelo e declarações duvidosas, cava um pênalti. Tudo certo para o gol, mas a outra equipe pede tempo porque tem jogador caído. Advinha?  O artilheiro não respeita o fair play. Faz o gol, mas pega muito mal. E o pior é que comentaristas defendem a falta de ética desportiva, afirmam que o jogador do outro time fez EXATAMENTE o que o craque criticado SEMPRE fez. Mas como quem pode mais paga o almoço, taí a justiça é escrava sexual do capital.

E o jovenzinho tem capital pra caramba. Inclusive porque esse injustiçado fraudou a Receita Federal. Um crime de somenos importância, diga-se. Roubar de todos é roubar de ninguém.

Bobagem dizer que seu comportamento “fornica” coercitivamente nossas vidas. Ruim mesmo é a moça que poderia ter ficado quieta de ter tido a obrigação de fazer sexo já que foi bem paga, já que sabia o que iria fazer.

Leia também:  Em "Vivarium" o micro e o macrocósmico se encontram na prisão da família e do casamento, por Wilson Ferreira

Penso eu que já paguei para pular de bang jump, desisti. Sabia o que estava pagando, cheguei até a colocar os equipamentos de segurança. É, eu tinha a obrigação de pular pelo visto. Não pulei e não me empurraram, ainda bem. Sempre bom lidar com gente que entende um não. Se tentei voltar na próxima? Até pensei, e talvez me chamem de safada. Se foi ruim nem deveria voltar. Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é.

Ganhar dinheiro fodendo o adversário sempre foi visto com assombrosa indulgência. Só não pode se for uma mulher bonita cobrando ressarcimento de um homem injustiçado e inocente.

E segue que a Geni está quase fazendo um castelo já.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Não vou discutir se houve ou não estupro. Simplesmente porque nada sei.
    Mas tenho que admitir: é impressionante como Neymar tem enorme capacidade de se envolver em escândalos.
    Enquanto isso, quantos títulos de “Melhor Jogador do Mundo” possui ? Resposta: NENHUM.
    Ronaldo, Ronaldinho, Romário, Rivaldo e até Kaká já receberam esse prêmio. A Marta foi premiada 6 (SEIS) vezes. Mas nenhum deles foi tão promovido quanto Neymar-keting (100% Jesus, lembram ?).

    • Lembro sim. E é tanto Jesus que fraudar vira coisa de homem santo. Expor criança em escândalo sexual de adultos vira coisa mínima. Colocar vídeo de cunho sexual à disposição de 20 milhões de crianças e adolescentes no mundo, é coisa de injustiçado.
      Estamos indo muito bem, rumo ao fundo do poço.

  2. Neimar não é inocente de todo pisou na bola, sonegando imposto e indo ao presidente solicitar o mesmo” favor “que o veio da Havan obteve pagar em 115 anos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome