Terrorismo evangélico, por Ricardo Mezavila

Em época de eleição os cultos viram palanque político que influenciam o voto em candidatos da direita e extrema direita fascista.

Agência Brasil

Terrorismo evangélico

por Ricardo Mezavila

No Brasil não há uma guerra santa estilo Jihad, travada contra os inimigos da religião muçulmana, muito longe disso. A guerra santa brasileira é motivada por um grupo de falsos religiosos covardes e corruptos que se denominam pastores, que servem ao dinheiro acima de tudo e de todos, inclusive acima de Deus. 

Há algumas décadas, os casos mais graves do dualismo entre lados opostos, o bem e o mal, eram as violações da liberdade religiosa com invasões a terreiros de umbanda e candomblé. O modus operandi não variou muito, mas os perseguidos passaram a ser, além de outras tradições religiosas, os partidos de esquerda, militantes, apoiadores e seus símbolos. 

Para os extremistas evangélicos, eliminar petista é uma missão suprema, divina e dogmática. A esquerda é vista como anticristã, o demônio comunista que veio para destruir os conceitos conservadores da família, gerar incongruência de gênero capaz de transformar seus filhos em uma ‘aberração’.  

O discurso conservador enfatiza a ordem moral e a continuidade dos costumes, que na verdade é a preservação do poder do patriarcado sexista fundamentado em sinistras e convenientes interpretações da bíblia. 

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba aqui como apoiar

A guerra santa é um recurso extremista que as grandes religiões monoteístas têm usado ao longo da história para proteger o que consideram ameaça aos seus dogmas e a seus lugares sagrados. O lugar sagrado dos ‘nossos’ extremistas é a bancada evangélica no Congresso Nacional. 

O que acontece dentro de uma igreja neopentecostal, Assembleias, Universais e afins, são atividades de demonização de partidos de esquerda como PT, PSOL e PC do B, declarados ímpios. Em época de eleição os cultos viram palanque político que influenciam o voto em candidatos da direita e extrema direita fascista. 

O terrorismo evangélico se fundiu ao bolsonarismo com motivações e propósitos cristãos impregnados de ódio para suas ações políticas. Uma dessas ações aconteceu em Foz do Iguaçu, quando um bolsonarista aos gritos de “Aqui é Bolsonaro”, matou um petista. Esse ato de terrorismo é comum aos extremistas do Estado Islâmico que matam aos gritos de “Alá é grande”. 

Ricardo Mezavila, cientista político

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

Fake News entre evangélicos contra Lula miram campanha eleitoral

Os Evangélicos e a Política

Evangélicos hesitam em apoiar TSE contra fake news

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador