Evangélicos hesitam em apoiar TSE contra fake news

Eleitorado fiel a Jair Bolsonaro evita se comprometer contra disseminação de notícias falsas em meio às eleições de outubro

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) assinou no começo deste mês um termo de cooperação com entidades e representações religiosas para desmistificar e incentivar a propagação de notícias concretas sobre as urnas eletrônicas e as eleições.

Contudo, o pacto encontra resistência entre os evangélicos, justamente o público eleitor mais próximo do presidente Jair Bolsonaro (PL), uma vez que nenhuma das entidades ligadas a tal religião se compromete a defender os dispositivos.

Tal posicionamento vai de encontro com o que Bolsonaro falou no dia do encontro, quando disse que o ministro Edson Fachin, atual presidente do TSE, teria armado contra os evangélicos anteriormente.

“O Fachin fala de ‘paz e tolerância nas eleições’, só que, no ano passado, ele tentou criar jurisprudência no TSE criminalizando a participação de religiosos e evangélicos nas eleições”, afirmou o presidente em entrevista a um canal ligado ao agronegócio.

A União Nacional das Igrejas e Pastores Evangélicos (Unigrejas) recebeu convite para assinar o acordo, mas disse não sentir-se confortável.

Em nota, o presidente da entidade, bispo Eduardo Bravo, afirmou que os pastores e igrejas representados pela entidade resolveram “ficar como observadores do evento, posto que há temas sensíveis em pauta, como o chamado combate à desinformação”.

O pastor Silas Malafaia, um dos mais próximos a Bolsonaro, também se disse contra o acordo, ao ponto de gravar um vídeo em suas redes sociais pedindo o boicote do acordo e chamando Fachin de “esquerdopata de carteirinha”.

Com informações do Correio Braziliense

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente.

Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Leia Também

Após bravata de Bolsonaro, oposição se mobiliza por CPI da Petrobras

Membros do governo admitem que Bolsonaro deve atuar para suspender eleição, diz jornal

O ‘caso Uberlândia’, um histórico de conservadorismo e violência política no Brasil, por Túlio Muniz

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador