domingo, junho 16, 2019
  • Carregando...
    Início Partidos “Bolsonaro Gourmet”: Na UFPE, Amoêdo defende cortes nas universidades e critica protestos,...

    “Bolsonaro Gourmet”: Na UFPE, Amoêdo defende cortes nas universidades e critica protestos, por Maria Carolina Santos 

    Parece que para Amoêdo o curso superior deve ser algo para poucos. Ele falou que os investimentos públicos devem ir para a educação básica e fundamental

    Amoêdo na UFPE. Foto: MCS/MZ

    do Marco Zero Conteúdo 

    “Bolsonaro Gourmet”: Na UFPE, Amoêdo defende cortes nas universidades e critica protestos

    por Maria Carolina Santos 

    Quinze minutos antes da hora marcada para a palestra de João Amoêdo, candidato do partido Novo derrotado à Presidência da República com 2,5% dos votos, a fila era grande no auditório do Centro de Tecnologia e Geociências (CTG) da UFPE. No sol quente do começo da tarde, o que chamava atenção era a predominância de estudantes do sexo masculino – chutaria em 99%. Na fila, as conversas iam de como escapar da convocação militar e do porquê de não terem ido aos protestos pela educação (“se fosse somente contra os cortes…”) até uma teoria da suposta superioridade do carteado em relação às ciências exatas. Vez ou outra, alguém furava a fila. Ninguém reclamava.

    Lá dentro, o ar-condicionado era fraco e o auditório lotado ainda ganhou cadeiras de plástico para acomodar mais estudantes. O evento foi promovido pelo Clube Frei Caneca, uma agremiação de cerca de 60 alunos que consideram liberdade sinônimo de liberalismo. Fizeram uma longa apresentação sobre o clube, entremeada de muitas críticas ao “viés ideológico” das universidades em geral e um quê de recalque.

    Olhando para a plateia do palco, uma das participantes ainda soltou que “é difícil um evento liberal juntar tantas mulheres como hoje”. Olhei com cara de choque para o lado, mas não fui correspondida. Todos pareciam concordar.

    Por incrível que pareça, o clube não se diz de direita. Ao invés dessa denominação, o porta-voz do Clube recomenda a instalação de um aplicativo do Diagrama de Nolan para que “cada um se conheça melhor”.

    Fila para ouvir Amoêdo. Foto: MCS/MZ

    Antes de Amoêdo chegar, houve palestra de um tal de Edísio Pereira Neto apresentando sua empresa de criptomoeda. O que parecia meio deslocado, ganhou ares de trolagem quando ele jogou a seguinte pergunta para a plateia: “Tem algum virgem aqui?”. Espanto, seguido de risadinhas. Ao lado, um grito tímido: “Ninguém”. Edísio, enfim, retoma a fala para discorrer sobre como os impostos são ruins, como os políticos são maus, como ele soube inovar, etc, etc, etc. (ah, o ‘virgem’ era sobre o uso de criptomoeda).

    Leia também:  Ameaças do governo Bolsonaro une oposições contra retrocessos

    Quando finalmente João Amoêdo subiu ao palco – do jeito de sempre: camisa branca, calça social, cabelo bem cortado – foram muitos os aplausos e assobios. Novamente o representante do Frei Caneca, que não se apresentou, fez uma rápida introdução: voltou a falar que as universidades são movidas por um pensamento único, mas desta vez tentou ser mais enfático, quase colérico. Não funcionou muito.

    João Amoêdo começou em um tom bem mais conciliatório que o do estudante. O tema era “As reformas que o Brasil precisa”, mas durante a apresentação ele basicamente forneceu dados sobre previdência e dívida pública – muitas vezes com slides que não citavam a fonte das informações ou a fonte estava ilegível. Outras vezes, a fonte era o Banco Mundial ou o Todos pela Educação, organização criada por empresários (entre eles, Viviane Sena e Jorge Gerdau).

    Entre um e outro dado, Amoêdo despeja chavões sobre empreendedorismo para a plateia e comprova todos os lugares-comuns sobre ele. É quase uma fábrica de memes para página de humor “Empreendedor nem é gente”. Para ele, o principal problema do Brasil parece ser a autoestima. Afirma chavões do tipo “Não há atalhos” e “Não há almoço grátis”. Sim, Amoêdo não surpreende. Mas a plateia vibra.

    Diz que o Brasil tem que copiar o que deu certo em outros lugares – ele genuinamente parece desconsiderar as inúmeras idiossincrasias deste imenso país. Cheio de preconceitos, cita a Índia – “nunca fui, mas parece ser um tumulto lá” – como exemplo de certificação digital. “Se um país daquele conseguiu, o Brasil também consegue”.

    O último slide é um resumo do que aqueles homens que lotaram o auditório querem tanto acreditar: “Você é o salvador que a pátria precisa”.

    Leia também:  Confira pelo menos 5 razões para cruzar os braços na Greve Geral desta sexta
    Ir para às ruas só se for a favor da Reforma da Previdência

    Se na apresentação Amoêdo parece um coach sem criatividade, é na seção de perguntas e respostas que ele mostra porque ganhou o apelido de “Bolsonaro Gourmet”. Ele pode ter uma presença mais afável, certamente fala de modo menos ríspido e seu português é claro, mas as diferenças acabam aí. Em certo ponto, ele até reconheceu: “O problema desse governo é a forma, não o conteúdo”.

    E vamos ao conteúdo de Amoêdo. Ele defendeu os cortes na Educação e ainda citou a conta de 3,5% do ministro da Educação Abraham Weintraub – que desconsidera que quase 90% das despesas das universidades são com pagamento de pessoal e, na verdade, os cortes chegam a 30% da manutenção das instituições. Disse que era melhor ter tirado o R$ 1,7 bilhão do fundo partidário, mas que não via grandes problemas em tirá-los do ensino federal.

    Amoêdo na UFPE. Foto: Clube Frei Caneca

    Defendeu que as universidades públicas cobrem mensalidades. Quem pode pagar, paga. Quem não pode, não teria bolsa: seria um financiamento. “Mas não como o Fies, que colocou uma quantidade enorme de financiamentos. Isso só beneficiou os grandes grupos educacionais”, criticou.

    Parece que para Amoêdo o curso superior deve ser algo para poucos. Ele falou que os investimentos públicos devem ir para a educação básica e fundamental – “Para não criar um gap cognitivo que não se pode corrigir depois”.

    A fala mais “bolsonarista” – em termos de fuga da realidade e anti-intelectualidade – foi quando afirmou que quando se investe nas universidades o principal beneficiado é o próprio indivíduo. “Quem se aproveita da educação superior é o cidadão. A pessoa se forma em engenharia, medicina e o ganho é dela. Por que obrigar a sociedade a pagar isso para ele?”, afirmou, para uma plateia que não deu um “ai”. Amoêdo simplesmente deslegitimou os benefícios do trabalho intelectual para o benefício da sociedade: um médico formado a mais, não traz benefício além do próprio ganho. Tudo mantendo uma entonação de voz que Bolsonaro jamais conseguiria.

    Leia também:  Quem tem medo da liberdade acadêmica?, por Nina Ranieri

    E, coerentemente, ele desacreditou os atos pela educação que ocorreram na quarta (15) pelo País, achando tudo um exagero. “A população deveria estar nas ruas era para pedir que a Reforma da Previdência fosse aprovada logo”, disse, sendo aplaudido pelos estudantes presentes.

    Sobre a previdência, Amoêdo quer apenas celeridade. Não propôs nenhuma mudança na reforma sugerida por Bolsonaro. Mas no mundo alternativo que ele vende, o ideal mesmo seria assim: “Viver em um ambiente de muita liberdade econômica, empreender, ganhar dinheiro e depois se aposentar com essa riqueza”. Não vale rir.

    Neste mundo paralelo onde o capitalismo é essa perfeição toda, Amoêdo também traz um aviso para quem não deseja ser empreendedor: “se você trabalhar com muito afinco, como se fosse o dono, você vai ter riquezas da mesma forma”. Anotou?

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

    Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Assine agora

    17 comentários

    1. E que tal chamar esse imbecil almofadinha para um debate?
      É de debate que estamos precisando, como disse o professor Luís Felipe Miguel, desinterditar o debate. Só assim pessoas como o “Amodinheiro” e suas propostas podem ser expostas ao público para que sejam vendidas pelo que são, excludentes, antipopulares, antidemocráticas, um bolsominion de camisa pólo e que sabe usar os talheres, mas talvez até pior como ser humano e agente político.

      Cara, acabei de pensar, por que o GGN não passa a bancar essa tarefa (com outros jornalistas da resistência), de chamar dois representantes de lados opostos de um tema de interesse imediato, como “Privatização versus Reforma da Previdência”, Direita e Esquerda e seus projetos para o Brasil, o ativismo político e social em tempos de comunicação digital, entre outros?
      Alguém precisa aglutinar o debate e ser um ponto de encontro das discussões que fervem, entre os pobres e a classe média (sei que as pessoas estão sedentas de debate e de informação porque convivo entre as duas pontas, oriunda da primeira), do contrário, seremos reféns das bolhas de rede social, dos blogues de direita e centro-esquerda mais duvidosos, da Globélica e da mídia tradicional, e perderemos a oportunidade de renovar o espaço público de debate e formação de opinião cuja destruição pelos golpistas midiáticos foi decisiva para o Golpe e o é para sua persistência.

      Sampa/SP, 17/05/2019 – 15:04

    2. Eu sempre disse que esse Amoeda não passa de um Bolsonaro de sapatênis Osklen e bitcoins. E é tão celerado e psicopata quanto.

    3. Quem é essa Maria Carolina Santos que não mostra nem o rosto na matéria. Fez uma matéria rasa, cheia de opiniões particulares e, sem fundamento algum. Ela entende de economia para saber se essa contingência não é importante? Houveram cortes de verdade, não foi contingência, foi corte, nos anos de PT. Foram cortes de bilhões de reais, não foram milhões, foram BILHÕES. Não lembro de ver ninguém com tanto afinco em dizer que era um absurdo. Sinceramente, tá visível a “birrinha” de adolescente, talvez por isso não queira mostrar o rosto, visilmente uma possível “Lula livre”.

    4. Juliett Félix da Silva, o Brasil está precisando de Lula livre, para que possa alguém realmente conduzir o debate: Brasil para gringos, ou para os BRASILEIROS? Precisamos retomar a Autoestima e parar com os latidos de vira latas!

    5. Será que meu comentário vai ser publicado? Pq todos os jornais q eu vejo é só um bolha de pseudo-intelectuais dizendo que sabe mto sobre o outro. O jornal da “direita” aplaude o da “esquerda” detona. Mas como eu e grande parte dos bolsistas do PROUNI (pq somos separados pela elite, em faculdades privadas), fazemos faculdade simplesmente por um interesse meramente individualista, ter ensino superior pra trabalhar e ganhar bem. Resumindo, o Amoedo está correto em afirmar que é somente usufruto do indivíduo porém retirar o investimento por completo é a mesma coisa que os brancos fizeram com os escravos após a aprovação da lei Áurea. Ou seja, o Estado rouba, nos fornece migalhas e qndo tem alguém com visão diz “vc merece mto mais migalhas”, se vira agora oh criança desnutrida, um dia vc chega lá. Aí é falácia e pouco entendimento da história no Brasil.

    6. HeuaHEUAheuaHEUAHeuaHEUAheuaHEUA
      Dou muita risada desse pessoal na internet que falam mal de tudo e todos sem dar o benefício da dúvida.

    7. Fui daqueles caras pintadas que estreitaram o vão livre do MASP para manifestações de estudantes manipulados pela esquerda, só que naquela época ninguém subia em carro de som pra defender abertamente idéias socialistas, o muro de Berlim tinha acabado de cair, qualquer um que fizesse isso seria taxado de idiota.
      Hoje é diferente, o domínio do espaço na educação pela esquerda é escancarado, idéias que antes seriam motivo de chacota hoje são ditas com orgulho, porém, essa onipresença da esquerda está acabando, essa palestra do Amoedo é prova disso, e o recalque da escritora dessa matéria apenas mostra como os esquerdistas não estão acostumados com a pluralidade de ideias nesses espaços.

    8. Pessoas com paitrocinio se manifestando como gente grande…. não passa de braços do PT, quero ver a hora que tiverem que sair a campo para se sustentar se o discurso será o mesmo….duvido.

    9. Mais uma do PT. Bom, realmente o país tá bem não é mesmo? E ainda tem gente que se deixa levar em vez de raciocinar um pouco. O Partido Novo, na minha opinião, está tentando algo diferente. Basta observar as ações no congresso e em Minas.

    10. Quem estuda em faculdades publica é o filhinho de papai que pagou escola particular a vida toda. Tem que investir na educação básica para que todos tenham a mesma oportunidade de um ensino superior de qualidade, e quem puder pagar que pague. Gratuidades sao para estudantes de baixa renda

    11. “Amoêdo simplesmente deslegitimou os benefícios do trabalho intelectual para o benefício da sociedade: um médico formado a mais, não traz benefício além do próprio ganho” A mesma visão simplista que justifica gastos com as olimpíadas, copa do mundo, lei rouanet e por aí vai. Pelo jeito a jornalista não sabe o que é social-democracia e liberalismo. Se soubesse, saberia que vindo de Amôedo não iria ouvir outra coisa senão algo com viés liberal.
      A tentativa de colar Amoêdo a Bolsonaro falha desde o início, quando ainda no 2º turno da eleição presidencial Amoêdo se recusou a apoiar qualquer candidato. O simples fato de apoiar reformas que o país precisa, mostra que independente da origem da proposta, mas sendo boa ou necessária, ele será favorável.
      Diferente da maioria dos políticos que apenas apoiam as propostas do próprio partido ou quando ganham algo.
      Amôedo mostra uma grandeza que infelizmente poucos políticos têm.

    12. + comentários

    Deixe uma mensagem

    Por favor digite seu comentário
    Por favor digite seu nome