Roberto Freire, crítico do ‘aparelhamento petista’, coloca 18 nomes do seu partido no MinC

roberto_freire_-_alexandra_martins_camara_dos_deputados.jpg
 
Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados
 
Jornal GGN – Roberto Freire, ministro da Cultura e presidente licenciado do PPS, nomeou ao menos 18 nomes de seu partido assessorias, secretarias, diretorias, entidades vinculadas e representações regionais da pasta. De acordo com a Folha de S. Paulo, dez deles foram nomeados nos três primeiros meses de 2017.
 
Freire assumiu o ministério após a saída de Marcelo Calero, que deixou o cargo alegando pressões para liberar a construção de um imóvel do ex-ministro Geddel Vieira de Lima. Desde então, o atual chefe da pasta da Cultura afirma que houve um “aparelhamento petista“ no órgão. 
 
“Lamentavelmente, um ministério que teria muito a dar ao país ficou voltado para atender a interesses de facções políticas”, disse Freire em janeiro. 

 
Alguns dos nomes do PPS que ganharam cargos no MinC são políticos que perderam eleições recentes. Um exemplo é Fábio Sato, que disputou a prefeitura de Presidente Prudente (SP) e hoje é assessor na secretaria-executiva do ministério. 
 
Ainda de acordo com a Folha, o ministro justificou as nomeações afirmando que aos nomes são “qualificados, eficientes, idôneos, republicanos e que gozam de minha mais absoluta confiança, independentemente de terem ou não filiação partidária”. 
 
“É algo bem distinto de aparelhar toda a estrutura do ministério em função de um projeto político, como ocorreu durante o governo anterior”, afirmou Freire, também dizendo que “não faria o menor sentido” manter “aliados de um governo que sofreu impeachment” em cargos de direção e de confiança.
 
Pessoas ligadas ao PPS e que ganharam funções técnicas têm pouca ou até mesmo nenhuma experiência na área. Um exemplo citado pela reportagem do jornal é o de Renata de Carvalho Machado, advogada filiada ao partido, que é especialista em direito do consumidor. 
 
Confira a lista dos nomes ligados ao PPS no MinC abaixo:
 
João Batista de Andrade
No MinC: Secretário-executivo e futuro presidente da Ancine (Agência Nacional do Cinema)
No partido: Filiado, mas com cadastro desatualizado, e candidato a vice-prefeito de São Paulo em 2008
 
João Artur de Almeida Pinheiro
No MinC: Chefe de gabinete substituto
No partido: Membro do conselho fiscal
 
Fabiano Caldeira
No MinC: Chefe da Assessoria de Comunicação Social
No partido: Filiado
 
José Haddad
No MinC: Chefe da representação regional da pasta nos Estados do RJ e ES
No partido: Presidente do PPS de Niterói
 
Alberto Aggio
No MinC: Assessor especial
No partido: Membro do conselho político
 
Sionei Ricardo Leão de Araújo
No MinC: Assessor
No partido: Filiado 
 
Assine

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

12 comentários

  1. Comentário.

    Aparelhamento petista?

    Quaquaquá.

    Roberto Freire é parecido com o Paulinho da Força, vive à sombra de outro partido ou de alguém mais poderoso, e sempre comendo migalhas. Com a diferença que o Paulinho está em sombra mais escura (sic), só se ouve a voz, ninguém sabe mesmo de onde a voz vem.

    Olha só o tipo de cargo.

    Tudo burocrático, emperrador, zero cultura. Cargos de atrapalhamento, como diria uma amiga minha, pois só fazem fumaça e atravancam qualquer iniciativa.

    Nem pergunte sobre cultura ao Roberto Freire. O comunista que nunca foi, por isso, nem ex pode ser. É um nada, nunca teve um estofo de, por exemplo, um Mário Pedrosa. Não se trata de defender ou não comunistas (vividos, finados ou ex) – palavra essa que muita gente repete sem saber o que é – ou se alinhar a tal e qual, mas de colocar as coisas do ponto de vista histórico, apenas isso.

    Até o Roberto Marinho, que colocou gente de esquerda pra trabalhar pra ele – mais por esperteza do que por outra coisa – sabia que o pessoal conhecia do riscado.

    Menos o Roberto Freire.

    O negócio é surfar na onda do golpe branco.

     

     

  2. Mais do mesmo

    Faça o que eu falo….

    Essa história de aparelhamento petista é de lascar. Só troxa para embarcar. Mas como o mundo é dos trouxas cada vez mais…

    O que ninguém discute é a necessidade de diminuição desses cargos para aparelhamento, pois é mais do que natural que quem quer que seja que estiver no poder vai colocar gente sua lá.

    Isso não só não vale para os governos progressistas democráticos republicanos até a medula, que nunca enxergaram as corporações de Estado como fundamentais no jogo do Poder (principalmente o Poder Judiciário) e colocaram os inimigos dentro de casa. Deu no que deu. E não foi por falta de aviso.

    Que sirva de lição para o futuro distante em que surgir nova janela de oportunidiade de governar de novo.

    Porque infelizmente enxergo que esse golpe não vai ser desfeito facilmemente e que os golpistas não irão devolver o poder de mão beijada, depois de tanto trabalho concatenado e com apoio inegável de fora. Basta olhar para o resultado das eleições no Equador e a repetição do modus operandi daqui, com um pouco mais de pressão inicial, já que o modelo brasileiro foi exitoso.

    Aqui era a riqueza de um país imenso para explorar.

    Lá o sistema têm o fator Assange para ser considerado e isso não me parece insignificante, até mesmo como exemplo intimidatório para que não se replique o fenômeno.

  3. Esse escroque é um dos

    Esse escroque é um dos maiores demagogos do Brasil, chega a dar ansia de vômito ao ver um golpista como este falar em moralidade na administração. Do golpista que ofendeu Raduan não se pode esperar coisa melhor. 

  4. Roberto Freire é muito Tucano!

    O Roberto Freire é tão Tucano que já aprendeu até a falar Tucanês fluente! No PT é “aparelhamento”, no caso dele é “escolhidos por critérios republicanos”…

  5. roberto freire

    Nada como um dia após o outro. A verdade vos libertará. É esta gente que faria um novo tipo de política? Que transformaria o país com uma nova redemocratização e Constrituição? Rato engolindo rato. A bandidagem esquerdopata tupiniquim. Então esta tal elite vermelha, parasita de cargos e benesses púiblicas, irá querer mudar esta realidade de salários, pensões e mordomias nababescas fornecidas pelo Estado Brasileiro, para que? Morrer de inaniçaõ? Ficar sem discurso? Acordar cedo ter que arrumar emprego? Melhorar sua condição financeira através da meritocracia? A pele de cordeiro não disfarça o mal cheiro. Canalhas e Hipócritas revelados diariamente. 30 anos de farsantes. Muito tardiamente o Brasil começa a acordar. 

  6. Tucanês para principiantes

    O tucanês é uma língua difícil só na aparência. Quando o tucano (com pedigree ou sem) diz que é contra o aparelhamento petista, está claramente dizendo que é contra um determinado, específico, discriminado tipo de aparelhamento. Se quisesse dizer que era contra qualquer aparelhamento, dizia que era “contra o aparelhamento”, sem complemento frasal.

    Assim, quando Aécio disser que não tem a conta número tal do banco tal (como dirá brevemente), é apenas nos estreitos limites de número de conta associado a nome de banco que a frase deverá ser entendida.

  7. Qualquer pernambucano sabe

    Qualquer pernambucano sabe sobre as estrepolias-político-negociais-criminosas desse destempero freirense. Baita picareta, desde sempre. Desconfio que até possa desafiar a que alguem encontre na vida desse “coisa” algo de útil para o nosso país. Nadica de nada, só “boquinhas”, “boquinhas” e boquirrotas manobras de “sobrevida”. Haja saco.

  8. Essa coisa aí não vale, nunca

    Essa coisa aí não vale, nunca valeu e nunca vai valer nada, é escória politica, lambe botas para garantir a boquinha na SABESP.

  9. uma historinha em Porto Alegre

    eu, modestíssimo militante do então PCB,  fui a uma reunião aberta no auditório do Banco do Brasil-Centro. Já se falava em mudanças no partido. Um então companheiro pediu a palavra pra um pequeno questionamento (não lembro qual, mas era leve).Rispidamente, em voz alta, esse pós-comunista, pós-tudo, gritou que o partido ainda era centralizado. Em debate público precongresso (por sinal, não via um pingo de crítica de Jose´Paulo Netto (da cúpula nacional, hoje posando de feroz crítico de Dilma e PT) já dava pra notar o jogo de cartas marcadas pra eleição do próximo Secretário-Geral. Um bando de cordeiros crentes depois se filiou ao PT gaúcho (ou então fazia reuniões ultrasecretas, diferentes do que pichavam o PT em reunião menos fechada…). Fez parte de minha vida. E do aprendizado pra diminuir expectativas, crenças , enaltecimentos, quase idolatrias.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome