Mudança na estratégia de preços da Petrobras era urgente e necessária, avalia Ineep

A nova estratégia poderá garantir mais flexibilidade à Petrobras para definição de seus preços, que devem se orientar por outras premissas

Divulgação

 Ineep sobre mudança na estratégia de preços da Petrobras: urgente e necessária

A revisão da política era urgente e necessária. Pilar da estratégia de negócios vigentes na Petrobras desde 2016, o preço de paridade de importação (PPI) não só permitiu ganhos extraordinários para os acionistas da companhia nos últimos anos como resultou na explosão dos preços dos combustíveis no mercado nacional, penalizando, sobretudo, os consumidores brasileiros. As novas diretrizes indicam menor volatilidade dos preços praticados pela Petrobras no mercado interno, mas elementos comerciais e geopolíticos internacionais seguirão incidindo sobre a política comercial da companhia.

A conclusão é do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep) ao analisar anúncio feito, na manhã de hoje (16/05), pela Petrobras sobre mudanças na sua política de preços. Segundo o comunicado da estatal, a Diretoria Executiva aprovou a substituição do PPI por uma estratégia comercial para definição dos preços do diesel e da gasolina nas suas refinarias. O anúncio apresenta os parâmetros dessa nova política de preços.

Como primeira grande marca da atual gestão, a nova estratégia poderá garantir mais flexibilidade à Petrobras para definição de seus preços, que devem se orientar por outras premissas, como competitividade, ampliação de seu market share, rentabilidade e otimização operacional. Os custos de produção e as condições de mercado passarão a ser parâmetros para além do PPI. A companhia passa a não ter obrigação de acompanhar o preço de paridade de importação (PPI) tão de perto. Portanto, o PPI deixa de ser mandatório para seguir apenas como uma das referências a serem consideradas. Não sai de cena, mas muda de papel.

Para uma melhor avaliação será necessário continuar acompanhando as práticas comerciais da Petrobras, com vistas a entender de forma mais objetiva o movimento de preços praticados pela companhia de agora em diante.

Redação

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Ontem, logo após o anúncio da nova política de preços da Petrobrás, vozes defensoras dos importadores de combustíveis, se apressaram em proclamar o fim da transparência sobre os preços da empresa. Ora, que transparência existe em seguir os preços determinados no exterior sem considerar minimamente os fatores de produção aqui no Brasil onde são produzidos na sua quase totalidade? Fica cada vez mais evidente, que a portaria da Petrobrás em 2016, objetivava favorecer a expansão e benefícios dos importadores de combustíveis e premiar os acionistas com uma farta distribuição de dividendos, em prejuizo dos consumidores. Não podemos esquecer do programa de venda de ativos, principalmente de refenarias, além da transformação da empresa numa mera exploradora de óleo cru. É preciso salientar, que os ativos vendidos, entravam na formação do lucro que era distribuido acima de percentuais razoáveis.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador