Dinheiro do pré-sal começa a entrar em 2016

Enviado por José Carlos Lima Spin

Do Tijolaço

Dinheiro da partilha do pré-sal começa a entrar em 2016

Para os “urubus”, que torcem para o preço do petróleo continuar artificialmente deprimido para criar um menosprezo nacional  pela riqueza do pré-sal, uma má notícia hoje, no Estadão.

Em 2016, começam a entrar os recursos do petróleo para o Fundo que vai investir em educação, saúde, tecnologia e meio ambiente.

Será menos que o que seria com o petróleo a preço alto, mas com o volume de produção dos poços do pré-sal – quase todos eles extraindo altos volumes, o que elimina “descontos” sobre o percentual de partilha – não haverá redução na parte embolsada pela União.

Leia a matéria de hoje do Estadão:

A produção de petróleo e gás natural no pré­-sal vai começar a engordar o caixa da União a partir do ano que vem. Em 2016, a Pré­Sal Petróleo S/A (PPSA) inicia a venda da parcela de petróleo que cabe ao governo, como previsto no contrato de partilha firmado em todos os blocos localizados no polígono do pré­-sal, uma área localizada no litoral entre o norte do Espírito Santo e o sul de Santa Catarina.

Para assumir sua nova atribuição, a PPSA está montando um departamento de comercialização, que deve estar pronto até o fim deste ano.
O comércio de petróleo pela União a partir de 2016 será um ensaio para o “boom” projetado para acontecer de fato a partir de 2026 e durar até 2030, quando o campo de Libra, na Bacia de Santos, alcançar o pico de produção. O esperado, segundo o diretor de Gestão de Contratos da PPSA, Renato Darros, é que, na próxima década, apenas a fatia do governo no pré-­sal chegue a um
intervalo de 300 mil a 700 mil barris diários.
“Isso é muito dinheiro, a depender do preço do petróleo. O grosso vem com Libra e com os excedentes da cessão onerosa (reserva concedida à Petrobrás pela União, em regime de partilha)”, afirmou Darros.

Se alcançado o volume máximo, a PPSA vai ganhar musculatura equivalente à da Petrobrás atualmente. A petroleira estatal produziu 798 mil barris diários de petróleo no pré-­sal na média do mês de julho. O volume que será repassado à União a partir do ano que vem corresponde ao que na Lei da Partilha (12.351/2010) está classificado como “excedente em óleo”, a diferença entre os ganhos com
produção e custos, repartida entre os sócios ­ entre eles, o governo federal. O pagamento funciona como uma compensação pela autorização dada às companhias petroleiras para produzir nas reservas do polígono do pré-­sal.

Continue lendo no Estadão.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora