FUP: Temer continua vendendo o pré-sal brasileiro

Foto: Lula Marques

Da FUP (Federação Única dos Petroleiros)

Acontece amanhã (dia 07/06), mais um leilão da Agência Nacional de Petróleo, ANP. Uma rodada de licitação de campos de petróleo em áreas do Pré-Sal brasileiro, a quarta no modelo de partilha da produção.

Com as mudanças regulatórias implementadas no setor pelo governo Temer, e a partir do fim da exigência da Petrobrás como operadora única dos campos do pré-sal, abriu-se oportunidade para maior atuação das empresas estrangeiras. Foi o resultado da 2ª e 3ª rodadas de leilões realizadas em 2017. Contexto diferente do ocorrido na 1ª Rodada de Licitação do pré-sal, em que o Estado brasileiro possuía maior capacidade de coordenação das atividades de petróleo e gás, e a Petrobrás assumia o papel central neste processo.

Desta vez estão em oferta 4 áreas, Itaimbezinho, Três Marias, Dois Irmãos e Uirapuru, nas bacias de Campos e Santos. Esses quatro campos abrangem uma área de 4.231 km² e estima-se, segundo ANP, um volume de reservas de petróleo de cerca de 14 bilhões de barris. A ANP espera arrecadar, como bônus mínimo de assinatura, o montante de R$ 3,2 bilhões. Assim, cada barril de petróleo custará R$0,23 e o percentual mínimo de excedente em óleo para a União ficou em 13,5%.

Há 16 empresas inscritas a participar, número recorde de interessados neste tipo de leilão e isso acontece por conta do grande volume de petróleo existente nos campos do pré-sal, os mesmos que o ex-presidente da Petrobrás, Pedro Parente, tanto desdenhou.

Está claro que a política estratégica do governo Temer é atrair empresas privadas para a exploração do petróleo do Pré-Sal, ele está dando a maior parte do óleo produzido para as operadoras vencedoras do leilão a um valor menor de pagamento de bônus de assinatura.
Para Simão Zanardi, coordenador geral da Federação Única dos Petroleiros, “o leilão, um crime contra a soberania do país, só acontece porque a política de estado continua sendo mantida pelo governo atual, e todos precisam saber que o que está sendo leiloado é uma reserva natural e por isso deve ficar para o povo brasileiro.”

Leia também:  Xadrez do início do jogo pós-Bolsonaro, por Luis Nassif

—————-
O pré-sal refere-se a uma das melhores áreas exploratórias do mundo, com as maiores descobertas offshore na última década. Um poço do pré-sal produz, em média, mais de 30.000 barris por dia de petróleo no início da vida. Em abril de 2018, sua produção já responde por 54,4% da produção total do Brasil. A título de exemplo, apenas um poço do pré-sal, no Campo de Mero (no modelo de partilha da produção) produziu neste mês média de 50 mil boe/dia. Este volume é maior do que produzido no Estado do Rio Grande do Norte, com mais de 1.300 poços (cerca de 47,7 mil boe/dia), e corresponde a duas vezes a produção de Sergpe, com cerca de 4.000 poços.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. A FUP ou puf puf

    Mais um leilão mais uma choradeira e o que fize a FUP além de uma grevisinha para inglês ver? Nada.

  2. Petróleo coxinhas e petralhas brigando e o ouro indo embora

     

    A produção media do pré-sal dos campos de Lula, Sapinhoá, Jubarte e Baleia Azul no mês de março de 2018 foi de 1,396 milhão de barris de óleo por dia e representa 89% do total produzido da camada de pré-sal.

    Fonte: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome