Aprovação do governo Bolsonaro continua em queda e chega a 35%, segundo XP

Comparação com a série de levantamentos desde fevereiro apontar que existe uma tendência de queda na aprovação. ‘Levantamento é idêntico na margem de erro ao resultado da última pesquisa Ibope’, pontua cientista político

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Zeca Ribeiro / Agência Câmara dos Deputados

Jornal GGN – A aprovação do presidente Jair Bolsonaro (PSL) continua em queda, segundo a mais recente edição da pesquisa mensal XP/Ipespe, divulgada nesta sexta-feira (5 de abril) onde a aprovação do mandatário aparece entre 35% dos entrevistados. A título de comparação, em fevereiro, 40% aprovavam o governo Bolsonaro. Em março, houve queda, passando para 37%.

O levantamento mais recente da XP foi realizado entre os dias 1 e 3 de abril. A pesquisa ouviu 1.000 pessoas por telefone de todas as regiões do país. A margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para cima ou para baixo, portanto a variação na taxa de aprovação de Bolsonaro pode ser considerada dentro da margem de erro.

Porém, fazendo a comparação com a série de levantamentos desde fevereiro, é possível apontar que existe uma tendência de queda na aprovação, como explica o cientista político Alberto Almeida.

“No que diz respeito à avaliação do governo, [o levantamento da XP] é idêntico na margem de erro ao resultado da última pesquisa Ibope. Todavia, a variação entre janeiro e março/abril é bem diferente. Na pesquisa Ibope, feita face a face, a avaliação positiva diminui 15 pontos percentuais e na pesquisa XP essa diminuição é de somente cinco pontos. A única explicação plausível diz respeito à metodologia diferente das pesquisas, uma vez que a pesquisa XP é feita por telefone”, pondera.

O último levantamento da pesquisa Ibope, divulgada no dia 20 de março, apontou que o governo do presidente Bolsonaro foi considerado ótimo/bom por 34% dos entrevistados, apontando queda de 15 pontos percentuais em relação a primeira pesquisa feita, logo após sua posse, em janeiro, quando 49% dos entrevistados consideraram o governo ótimo ou bom. Em fevereiro, o percentual caiu para 39%, revelando também a tendência de queda.

“A pesquisa da XP indica que a piora da avaliação do governo estancou. Teremos a chance de avaliar essa trajetória caso o Ibope faça e divulgue uma nova pesquisa agora em abril. Caso isto ocorra, e seja mantida a mesma data dos meses anteriores, a divulgação será em 19 de abril”, destaca Almeida.

Reforma da Previdência

A pesquisa XP revelou que existe um amplo apoio à reforma da Previdência. Para 61%, o sistema previdenciário no país precisa de reformas. Em março 64% concordavam com essa afirmação.

Mas Alberto Almeida chama atenção que o levantamento revela que o apoio à reforma fica menor quando medidas específicas são mencionadas, ao mesmo tempo que “as medidas que têm mais apoio da opinião pública são as três que diminuem os privilégios das corporações, justamente aquelas que encontrarão a maior resistência dos lobbies organizados”, pontua no cientista político.

Confiança nas instituições e “nova política”

A pesquisa XP confirma que a população continua confiando pouco nas instituições, especialmente nos partidos. Cerca de 89% dos entrevistados disseram que não confiam nos partidos. Por outro lado, 66% dizem confiar nas Forças Armadas.

Ao serem perguntados se o governo Bolsonaro representa “uma nova política”, 33% responderam que não, contra 62% que disseram sim.

Quando questionados o que demonstraria a nova política, esse foi o resultado:

Reprodução/XP-Ipespe

Os entrevistados também foram questionados sobre como está a relação entre Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, e Bolsonaro. Para 13%, o relacionamento entre os dois é ótimo ou bom; 44% disseram regular; 36% afirmaram que ruim ou péssimo e 7% não souberam responder.

Por outro lado, ao serem questionados sobre a importância da relação entre os Maia e o Bolsonaro, 81% responderam como muito importante (43%) ou importante (38%), contra 15% que disseram ser pouco importante (7%) ou nada importante (8%).

A XP/Ipespe também perguntou como o presidente deveria atuar em relação ao Congresso: 33% se disseram favoráveis ao endurecimento da posição de Bolsonaro em relação ao Legislativo; 19% que o presidente mantenha a conduta atual; e 37% defendem a flexibilização das posições do governo Bolsonaro para aprovar sua agenda, mesmo que isso signifique o afastamento do discurso inicial.

6 comentários

  1. Bolsonaro foi eleito com 39% do total de eleitores. Se ele está com 35%, o apoio continua praticamente o mesmo. Some-se a isso os 29% dos indiferentes ao futuro do Brasil…
    Isso reforça minha percepção: quem votou em Bolsonaro tem com ele identidade em algum ou todos os seus valores e suas concepções…
    Portanto, enganam-se aqueles que consideram a generosidade, a solidariedade, a compaixão como atributos do “povo brasileiro”. Esse ente chamado “povo brasileiro” é em sua maioria ignorante, valentão, mentiroso e corrupto. É duro encarar a realidade, né ?

  2. ou seja…
    por enquanto nada a comemorar porque os que responderam continuam pensando com a mente distante da verdade, direcionada para manobras políticas, para a realidade dos seus desejos e não para o que pode acontecer com a aprovação das reformas………………………………….

    muito fácil perceber quando respondem pensando que as perguntas foram criadas por eles mesmos

    infelizmente ainda são levados pela enganação ou desviados das realidades futuras

  3. A tendência é zerar, até a renúncia ou ao impeachment. O povo só concede maioria, em suas avaliações, aos que governam de verdade e não a incompetência dos que promovem o desgoverno.

  4. Antes da prisão do LULA, o miliciano tinha em torno de 20% de intenção de votos.

    Historicamente a esquerda tem 30% e a direita 30%

    A extrema direita detêm aquele percentual apontado acima de 20%

    O miliciano ainda vai cair para estes 20%, mas agora, um pouco mais lentamente.

  5. A XP ñ é um daqueles Institutos de Pequisas como o IBOPE, CNT/CUT, DATA FOLHA, que diziam q Bolsonaro perdia para todos os candidatos no segundo turno? Ah! Acredite se quiser.100%bolsonaro! Obs.: esse comentário ñ é repetido ou ñ vale pq é favorável ao Presidente?

  6. A Unica verdade é que o Presidente Bolsonaro herdou um Brasil completamente quebrado, Empresas Estatais saqueadas por dirigentes corruptos indicados por Lula ou por Dilma cuja orientação destes foi que juntamente com pool de Empreiteiras lideradas pela OAS superfaturamento de Contratos de obras no Brasil e no Exterior e o esquema explodiu com as investigações do Ministério Público com a LAVAJATO descobrindo o maior esquema de corrupção do Mundo no Brasil durante os Governos Petista de LULA e Dilma. A Petrobras que era considerada uma das DEZ MAIORES EMPRESAS DO MUNDO passou para a LISTA NEGATIVA que apontou A PETROBRAS COMO A EMPRESA PETROLÍFERA MAIS ENDIVIDADA E DESVALORIZADA DO MUNDO.
    Isso foi a principal causa do desemprego nos Estados e Cidades com obras paralisadas e crescente desemprego em toda cadeia iniciando quedas da Produção na Petrobras, sendo o ESTADO DO RIO DE JANEIRO o maior PREJUDICADO com a brutal QUEDA DOS REPASSES DE ROYALTY pela Petrobras ao Estado que somado ao ESQUEMA DE CORRUPÇÃO NOS GOVERNOS DE CABRAL, HOJE CONDENADO E PRESO, deixou a cidade e o Estado do Rio de Janeiro QUEBRADO com atraso de pagamento aos seu servidores da saúde, segurança pública, educação e o maior desemprego da história que hoje no Brasil atinge 13 milhões de pessoas desempregadas e subempregados na informalidade
    Então com esse pequeno RETRATO DO BRASIL QUEBRADO que o PRESIDENTE BOLSONARO HERDOU DOS GOVERNOS DE FHC, LULA, DILMA e TEMER o NOVO GOVERNO BOLSONARO E SUA EQUIPE DE MINISTROS vão precisar de no mínimo 180 dias para limpar toda a máquina administrativa corrupta nos 3 Poderes da União, aprovar o projetos e reformas em andamento para aí sim MOSTRAR ao POVO e ao MUNDO A CARA DO NOVO BRASIL da ERA BOLSONARO.
    Por isso essas FAKENEWS pesquisas não tem subsídio fáticos e real para dar credibilidade às pesquisas por aqueles que erraram feio nos seus prognósticos e pesquisas durante as campanhas para as eleições Presidenciais de 2018 onde o povo contrariando todos os prognósticos contrário da GRANDE MÍDIA e PESQUISAS FAKENEWS foi às urnas dando ampla maioria de votos ao Candidato Bolsonaro e no segundo turno confirmou a tendência elegendo JAIR MESSIAS BOLSONARO Presidente do Brasil.
    Vamos deixar o homem trabalhar! Aí sim teremos base para avaliar seu trabalho e de sua equipe de Ministros.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome