O papel da mídia na política do Amazonas

Eu poderia fazer comentários sobre esta tese de doutorado do professor Gilson Vieira Monteiro, mas depois refleti e pensei que é melhor você, meu caro leitor, tirar suas próprias conclusões e passar a fazer uma nova leitura sobre os veículos de comunicação e a forma com que são divulgadas as notícias.

Isso ocorre de norte a sul do Brasil e mundo afora! Mas em época de eleição se acentua. Ainda bem que hoje temos a possibilidade de, seja através das redes sociais ou de blogs, difundir as informações que não serão jamais veiculadas pelos veículos de comunicação porque cada pessoa torna-se um veículo de comunicação.   MONTEIRO, Gilson.  

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 117 7.3 A mão invisível do Estado e a concorrência em Manaus O economista ADAM SMITH

158 (1904), na obra clássica “An inquiry into the nature and causes of the wealth of nations

” (Uma investigação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações), apresenta o conceito da “mão invisível” como o último estágio de evolução do ser humano. Na visão de SMITH, a “mão invisível” seria capaz de levar o homem a usar a ambição e o egoísmo para criar o bem-estar geral da comunidade. Ao longo do tempo, de forma equivocada, os teóricos passaram a interpretar que a “mão invisível” de SMITH era o mercado, e que esse seria capaz de regular as relações comerciais entre as empresas, seu clientes e a própria sociedade. De acordo com essa interpretação, a “mão invisível do mercado” levaria as pessoas a regular as relações no ponto considerado o melhor possível para que participasse da transação comercial. No caso do jornalismo de Manaus, a mão invisível é do Estado (Governo e Prefeitura). E parece regular, ainda que nada seja admitido oficialmente pelas empresas e nem pelas assessorias de Comunicação, as relações comerciais e o próprio mercado publicitário. Investigar essa relação não fazia parte do objetivo inicial deste trabalho, no entanto, ganhou importância fundamental por explicar uma certa “apatia” em relação ao Mercado da Informação, em Manaus. Essa mão invisível do Estado dita normas editoriais, dita a própria concorrência entre os jornais e, possivelmente, é responsável pela letargia das empresas de mídia tradicional no Mercado da Informação. O “atrelamento” dos jornais de Manaus ao poder foi revelado pelo presidente do Sindicato das Empresas de Jornais (SINEJA), empresário GUILHERME ALUÍZIO DE OLIVEIRA SILVA

159(2002), que também é Diretor-presidente do Jornal do Commercio, ao relatar uma fase da história do seu jornal. Ele disse que, em 1987, o Jornal do Commercio brigava pela liderança em vendas como Jornal A Crítica. Naquele ano, foram impostas sanções ao jornal e às empresas da família. Diante disso, SILVA preferiu mudar o foco da empresa jornalística: “Então, eu prefiro hoje fazer esse jornalismo segmentado, projetando principalmente a economia do meu Estado, a estar envolvido nisso. É muito alto o preço. É

158

SMITH, Adam. An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations. London: Methuen and Co., Ltd., ed. Edwin Cannan, 1904. [Online]. Disponível no endereço eletrônico:<

http://www.econlib.org/library/Smith/smWN1.html>. Acesso: 9, Novembro, 2002; Internet.   159

SILVA, G. A . de O . Guilherme Aluízio de Oliveira Silva: depoimento: [fev. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 118 muito alto o preço”. Ele foi taxativo ao concluir: “

Eu duvido muito que um jornal que não negocia a sua verdade, sobreviva

”(Grifo nosso). A afirmação de SILVA é corroborada pelos números revelados pelo Chefe da Agência de Comunicação do Governo do Amazonas (Agecom), jornalista JOSÉ CLÁUDIO MARTINS BARBOZA

160 (2002): “Do orçamento de R$ 30 milhões, de 2001, mais de 60% (sessenta por cento) foram destinados ao pagamento das empresas de mídia, aí incluídas as de

out-doors, sendo que a televisão ficou com a maior fatia das verbas”. A secretária municipal de Comunicação Social, jornalista MÔNICA ELIZABETH SANTAELLA DA FONSECA

161(2002), revela, também, números esclarecedores. “Nosso orçamento do ano passado foi de R$ 4 milhões. Desses, 89% (oitenta e nove por cento) foram destinados ao pagamento das empresas de comunicação”. Números como esses talvez reforcem a afirmação do presidente do SINEJA de que seria impossível uma empresa jornalística sobreviver em Manaus sem o apoio do poder estatal. BARBOZA explicou que o orçamento de 2001 foi excepcional em função de ser um ano eleitoral. Ele detalhou como o Estado procede para ter um orçamento maior em ano eleitoral:

“Por que é excepcional? Eu vou te explicar porque que é excepcional R$ 30 milhões. Porque se o Orçamento de 2001 não fosse R$ 30 milhões, o Orçamento de 2002 não chegaria nem a R$ 5 milhões. Porque para você fazer o orçamento de 2002 quando há eleições, tem que ser a média do último ano. A legislação não permite, por exemplo, que você coloque um Orçamento que seja, por exemplo, R$ 30 milhões, agora para 2002”.

Ele revelou que esse é um artifício para aumentar a média de gastos com propaganda em anos anteriores às eleições. Com isso, o Estado faz um arranjo para adequar-se à legislação eleitoral. Além de confirmar que se trata de um artifício, BARBOZA diz o quanto, do orçamento, é gasto com a mídia (

ver Anexo de 5162): “Exatamente, um artifício para aumentar a média, o que seria hoje por volta de 9 a 10 milhões. Essa é a verba, vamos dizer, real de mídia do Governo, 10 milhões ao ano, 30 milhões foi excepcionalidade. Agora é dentro daquilo que o Jefferson te falou, 60, 62, 68% dessa verba se destina aos veículos de mídia, com a televisão levando um percentual maior, isso a gente percebe. É uma

160

BARBOZA, J. C. M. José Cláudio Martins Barbosa. depoimento: [ago. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. 161

FONSECA, M. E. S. da. Mônica Elizabeth Santaella da Fonseca: depoimento: [ago. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. 162

O Anexo 5 apresenta uma “fotografia” detalhada dos gastos do Governo do Estado do Amazonas com a mídia, em 2001.   MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 119 coisa que alterou nos últimos anos. A mídia impressa tinha uma maior fatia desse bolo. A gente percebe que nos últimos anos houve uma alteração”.

BARBOZA assegura que o comportamento do mercado editorial, em Manaus, tem forte influência da mão do Estado. Ele admite até certa influência na linha editorial dos jornais:

“Eu diria que há negociações, que não são de hoje. Eu estou te falando isso como jornalista que já esteve dentro das redações aí, em alguns veículos locais, e que também já atua há algum tempo nessa área de assessoria governamental. Eu diria que há negociações onde a linha editorial, eu não te diria assim, vai tornar a linha editorial favorável ao Governo, vamos supor, mas onde você possa colocar o teu material favorável. Deixa-me ver se consigo me fazer entender. Quer dizer, eu anuncio no jornal X, por exemplo, então, quer dizer, esse jornal X vai, tem a linha dele, lá e tudo, mas ele vai priorizar, dar uma prioridade para aquele material que eu produzi. Quer dizer, a minha produção vai ter acesso, ele vai garantir acesso a esse material”.

A secretária municipal de Comunicação Social, jornalista MÔNICA SANTAELLA ELIZABETH DA FONSECA, revela uma opinião semelhante à de BARBOZA, quando se refere ao relacionamento da empresa jornalística com o poder público e as influências desse poder na linha editorial do jornal. Para ela, vigora uma espécie de “acordo branco”:

“Eu acho que acaba sendo um acordo. É aquela coisa assim: se você não paga, se você está devendo o jornal, ele acaba dificultando o espaço para a tua matéria. Ele não vai dizer oficialmente: olha, eu não vou publicar porque vocês não estão me pagando. Mas você começa a ver que eles já não dão tanta prioridade para a tua matéria. Tua matéria sai meio que em segundo plano. A gente observa isso no dia-a-dia”.

Para ela, quanto mais tempo se demora a pagar as empresas, mais tempo as matérias da secretaria vão ficando para trás. Chegam até a não serem publicadas se a demora for longa:

“Isso. Se demorar a pagar vai ficando. É. Até não sair. Só que isso não é uma coisa que a gente pode chamar de oficial. Isso é uma coisa que a gente nota no dia-a-dia. É muito engraçado, quando a gente sai com uma matéria como manchete os próprios repórteres dizem assim:´pagaram o jornal?´

(Um sorriso, quase uma gargalhada).

Não é uma coisa que as pessoas fazem mesmo assim: pagaram. Porque a impressão que dá é essa. Mas eu acho que isso funciona não só com o poder público. Eu acho assim, eu já trabalhei em jornal, e quando a gente tem assim, uma matéria que vai ofender ou vai afetar algum anunciante de potencial do jornal, a gente sempre diz que o Departamento Comercial acaba mandando na redação”.

MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 120 BARBOZA diz que a relação das empresas jornalísticas com o poder público, em Manaus, é uma “relação de amor e ódio”: “é uma relação que eu diria, de amor e ódio entre as duas partes, porque isso não é cumprido, isso não é escrito, então, não é cumprido ao pé-da-letra”. Ele admite que esse tipo de prática abre espaços para empresas inescrupulosas “forçarem a mão” na linha editorial a fim de puxar verbas do Estado ou até mesmo de outras empresas anunciantes. A isso, ele denominou de “prática chateaubriana”. Mas faz questão de explicar: “E eu te diria que é o seguinte, que isso não é um “privilégio”, entre aspas, do Amazonas. Acho, acho, não, tenho certeza que há isso em outros locais, de outras maneiras, em outros níveis”. E explica mais:

“E por que é que eu te digo que isso ocorre de outras formas? Porque você mesmo estando aqui, você recebe propostas de veículos instalados em São Paulo, ou no Rio de Janeiro. Grandes redes. Te propondo, você anuncia ou faz essa campanha e eu, em troca, vou te dar isso. Entendeu, quer dizer, então, é uma questão nacional”.

Segundo BARBOZA, essa questão se deve ao fato de a atividade jornalística ser muito complexa, pois a empresa jornalística, além dos seus leitores, tem como clientes o comércio, a indústria e os serviços. Paralelo a isso, lida com o poder público. Logo, é obrigada a se equilibrar entre quatro pólos distintos, afora o público leitor:

“Quatro pólos. Então, você imagina concentrar tudo isso numa empresa e ter que administrar isso. Ora, no Brasil, as empresas de Comunicação, por uma série de razões, aí acho que tem muito a ver com essa questão de família, empresas que não se profissionalizam, empresas que não crescem no mercado. Quer dizer, as empresas são comercialmente frágeis e dependentes do poder público. Isso é uma coisa que não acontece na economia norte-americana quando as empresas de Comunicação são fortes, são poderosas. Então, aqui elas ficam muito à mercê do poder público”.

Ele faz uma análise do comportamento do mercado em Manaus e considera que as empresas jornalísticas da cidade não têm interesse em aumentar as vendas avulsas, com isso tornam corriqueira a dependência do poder público:

“Você vê a diferença. Aí você pega aqui do nosso caso, no caso do Amazonas. Vou pegar o Amazonas, uma capital que é uma cidade-estado. Em Manaus hoje vamos trabalhar, tranqüilamente eu posso te falar que Manaus hoje caminha para 2 milhões de habitantes, pode trabalhar com esse universo sem receio, 1,8 milhão,

MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 121 caminhando para 2 milhões. Aí você pega jornais, você tem quatro jornais diários. Esses jornais não conseguem vender, juntos, 50 mil exemplares. É uma venda muito pequena. Eu sempre faço um cálculo, eu digo, olha, vamos supor, trabalhar com um universo de 2 milhões de habitantes, tira 1,5 mil, sobram 500 mil. Mas 500 mil é muita gente, você tira 300, sobram 200 mil. Duzentos mil ainda é muita gente, né, tira 100 mil, ficam 100 mil. Tira 50 mil, ficam 50 mil. Não consegue se vender 50 mil exemplares. Por que não se consegue vender? Aí essas questões é que eu acho que as empresas não trabalham isso, não há interesse”. A se levar em a conta a análise do Chefe da Agecom, Manaus, ainda que se tire, hipoteticamente, dos 2 milhões de habitantes, 90% de pessoas que não tenham condições de ler um jornal, sobrariam 200 mil leitores em potencial. A questão é saber o porque de os jornais não atingiram esse número de leitores. BARBOZA tem uma explicação para o fato:

“Eu diria que os jornais de Manaus são altamente pretensiosos. Eles não são jornais nem municipais e querem ser jornais internacionais. Então, não têm vínculo nenhum com isso aqui. Quer dizer, você um jornal, se você quer uma, se você é empresário, executivo, se você tem aplicações no mercado financeiro, aonde é que você vai procurar? Hoje, com a Internet, você tem acesso imediato. Ou então, se você quiser manusear esse tipo de informação você vai na Gazeta Mercantil. Portanto, aos jornais locais, não cabe muito fazer, vamos dizer, uma pseudo-economia, que é o que se faz. Não se tem. Aí o cara faz assim: dá manchete internacional. Às vezes, eu acho, que Gilson, aí é uma crítica a nós mesmos, jornalistas, às vezes o jornalista faz jornal para si e não pensando no leitor”. Em pesquisa realizada para o mestrado, MONTEIRO

163(1998) encontrou alguns indicadores que reforçam a idéia de que os jornais, principalmente de Manaus, são pretensiosos. São empresas que não possuem foco, consideram-se capazes de atingir às classes, A, B, C, D e E. Não têm posicionamento. E, hoje em dia, com a Internet, sem posicionamento, não se vende jornal nem se cria vínculo com o leitor. O chefe da Agecom argumenta:

“Não cria vínculo, eu vou comprar para quê? Qual a relação que esse jornal tem, qual a empatia. Eu, por exemplo, profissional da área, eu tenho que ter jornais, porque eu vivo disso. Mas, por exemplo, a minha família passa perfeitamente bem, não tem nenhum trauma, se não tiver nenhum jornal lá em casa. As meninas e a minha mulher vão para o 163

MONTEIRO, Gilson. O jornal de domingo no mercado brasileiro de jornais: um estudo exploratório das estratégias genéricas de marketing utilizadas por empresas da indústria jornalística brasileira. 1998. 234 p. Dissertação (Mestrado em Administração):Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, 1998. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 122 computado. Agora eu, como sou profissional, compro, o que é terrível constatar isso assim tão próximo da gente”.

Ao que tudo indica, o fato de as verbas públicas praticamente determinarem o faturamento das empresas jornalísticas de Manaus faz com que a visão de marketing, o posicionamento, a concorrência propriamente dita não exista. A secretária municipal de Comunicação Social, MÔNICA FONSECA, acredita que, de certo modo, o poder público sustenta os jornais, as rádios e as TVs em Manaus. Além do mais, a Semcom, por exemplo, acaba investindo no jornal ou em qualquer dos veículos que tiver mais ouvintes, mais leitores. Isso, no entanto, não deixa os veículos acomodados na “luta” por verbas públicas. Na visão da secretária, “eles” sempre querem mais:

“É. Claro que eles sempre querem mais, independente do tamanho da fatia do bolo que eles têm eles sempre querem mais. Natural, isso é uma coisa do mercado. Mas você acaba investindo nos maiores, nos maiores em termos de circulação mesmo. De circulação ou de audiência. É inegável que comercial veiculado no Jornal Nacional vai ser visto por muito mais gente do que um comercial que eu passe de manhã na TV Rio Negro, entendeu. Não tem como. O dono da TV Rio Negro sabe disso. Mas só que normalmente o poder público como tem a questão justamente de ser público, é difícil ele excluir algum veículo do seu bolo”. FONSECA revela que essa exclusão só ocorre por pressões políticas. De forma mais clara: se um dos veículos passa a atacar o prefeito, no caso, a ordem é fechar as torneiras das verbas públicas municipais para aquele veículo. O corte, porém, não é definitivo: “corta, por um tempo, depois volta, ou a gente demora a pagar. Prioriza os que são parceiros. Mas, normalmente, os maiores veículos de comunicação não criam problemas políticos”. Os problemas criados por veículos de comunicação menores decorrem do fato de, na maioria das vezes, na visão da secretária, eles se abrigarem sob a sombra de um político ou de outro. Com isso, uma hora defendem a linha de pensamento que converge com a da administração municipal, outra hora não defendem. O fluxo das entradas ou não de verbas municipais no faturamento dessas empresas depende dessa oscilação. Essa prática, que o chefe da Agecom denominou de chateaubriana, parece se repetir de Norte a Sul do País. Parece ter se enraizado no jornalismo brasileiro e, talvez, haja perigo de se transferir para os negócios no Mercado da Comunicação. Para FONSECA, essa é uma questão cultural:

“Porque eu acho que a questão é cultural e a gente vê que a prática aqui é maior, mas que ela existe também em outras escalas, pra lá. Ninguém vai MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 123 contra, na Globo, a uma determinação do Roberto Marinho! Ele é o dono da empresa, entendeu! Então, o que ele decidir é lei: eu quero eleger esse cara presidente, eu quero destruir aquele ali. Eles vão fazer isso”. No caso do mercado tradicional de Manaus, ficou evidente que há um arranjo comercial, um acordo, para a divisão do “bolo” da verba oficial. Um exame do Relatório das verbas consolidadas da Agecom (

ver Anexo 5) é esclarecedor. Dos R$ 30 milhões, a Televisão leva 35,9065%, os jornais ficam com 14,9421%, as rádios com 3,6831%, as empresas de

out-door, com 2,8653%, a mídia itinerante com 0,6917% e as revistas com 2,7352%, o que dá um total de 60,8240% dos 30 milhões só para a mídia. Visto de outra forma, significa que, no período de abril de 2001 a junho de 2002, dos R$ 30 milhões, a mídia levou exatos R$ 18.247,20 milhões. A segunda página do

Anexo 5 (ver Anexo 5) é mais reveladora, pois detalha, por empresas, quem recebeu verbas do Estado no período. Entre os jornais locais, por exemplo, quem mais recebeu verbas foi o Amazonas em Tempo, com 4,6368% de participação no bolo dos R$ 30 milhões. Como se vê na segunda página do

Anexo 5, o jornal A Crítica não aparece como participante do bolo publicitário. Informações extra-oficiais, que são reveladas a título de ilustração, pois não puderam ser comprovadas, dão conta que qualquer verba publicitária do Governo do Estado destinada ao jornal A Crítica entra na empresa através da TV A Crítica. Os diretores do A Crítica negam que as verbas publicitárias do Governo do Estado tenham qualquer peso no faturamento do jornal. Oficialmente, ninguém no Governo do Estado fala sobre o assunto. Embora não sirva como prova, um exame no

Anexo 5 dá uma pista. A Rede Amazônica de Televisão, que retransmite a programação da Rede Globo de Televisão e é líder em audiência, recebeu 11,0904% dos R$ 30 milhões. A Rede Calderaro de Comunicação, cuja emissora, a TV a Crítica, é afiliada do Sistema Brasileiro de Televisão (SBT), ficou com 11,7279%. Em cifras, a Rede Amazônica recebeu R$ 3.327.114,70 e a Rede Calderaro recebeu R$ 3.518.359,18. Pode-se inferir que, após a divisão do bolo, quando tudo fica acertado, existe a possibilidade de as secretarias, tanto estadual, quando municipal, interferirem na linha editorial dos jornais. No entanto, essa interferência jamais é admitida oficialmente. A própria secretária MÔNICA FONSECA

164 diz que se trata, no máximo, de “uma interferência branca”: “É branca. É muito assim de camaradagem. Por exemplo, se a gente está com uma relação legal com o veículo, a gente anuncia normalmente nele, paga normalmente, paga bem, vem o repórter e quer fazer uma matéria que não vai

164

FONSECA, M. E. S. da. Mônica Elizaberh Santaella da Fonseca: depoimento: [ago. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 124 ser boa. Mesmo que a gente coloque o lado, vamos que a matéria seja falsa, seja uma denúncia que não seja verdadeira, mas que mesmo que ela vá para o jornal, a gente mostrando a verdade das coisas ela não vai ser boa, ela vai respingar, a gente às vezes conversa. Pôxa, eu acho que isso aí não é legal, não tem outra matéria para por no lugar? Isso acaba acontecendo. Mas não impor. Dizer não, eu não quero que essa matéria saia. Não existe isso não. Pelo menos aqui, sabe, o Paulo principalmente, por ter trabalhado, por ter uma vivência muito grande em redação, o Paulo também nunca adotou essa prática de pedir: não, espera aí, essa matéria não pode sair. Não existe isso de pegar o telefone e ligar para o editor e censurar a matéria”.

Ela admite, no entanto, que esse tipo de prática ocorre muito mais pela postura de quem gerencia as verbas públicas. FONSECA assegura que, dificilmente há interferência na linha editorial do jornal para “tirar” matérias que não são de interesse da prefeitura:

“Agora, o que a gente faz mais é pedir para uma boa matéria sair. Por exemplo, a gente tem um material, o secretário de Saúde foi em Brasília representar o prefeito, recebeu homenagem do ministro da Saúde por causa dos projetos que têm aqui, etc. E aí, particularmente, a gente quer que aquela matéria saia. Então, a gente tenta pôr: dá para você dar um destaquezinho, tem uma matéria assim, que a gente acha que seja importante para a administração, dá para dar um destaquezinho nessa matéria?”

A jornalista não considera que esse tipo de prática possa ser condenado do ponto de vista da ética profissional:

“Não é pecado porque é o papel até da assessora. Assessor qualquer, independentemente do poder financeiro faz. Essa prática é mais comum do que você pedir para tirar uma matéria. A gente pede só quando é um caso muito sério, uma coisa que a gente realmente acha que vai afetar. A gente tenta responder tudo, a não ser que a gente ache que seja uma coisa que vai mesmo, sabe, que não é legal mesmo, que vai afetar mesmo, muito negativamente, e se a gente está tendo essa relação legal, de parceria com o veículo, às vezes, a gente acaba fazendo, mas é muito difícil, aqui, no nosso caso aqui, na nossa administração aqui, da Semcom, hoje. Mas é uma prática que acontece muito sim”.

Essa relação de “camaradagem” entre o profissional que trabalha como Secretário ou Chefe de Comunicação, evidentemente, torna-se mais camarada quando o pagamento das verbas está em dia. Ainda assim, de acordo com FONSECA, as empresas jornalísticas sempre colaboram, muito embora não deixe de admitir o poder financeiro como fator preponderante nessa relação:

“Eu acho que a gente não tem como: é óbvio que o poder financeiro manda. Eu acho que você segura as coisas na camaradagem até um limite. Eu acho MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 125 assim, a gente tem uma relação muito boa, até com dono de jornal se conversa, se pede para os caras segurarem. Quando a gente ficou aqui um tempão sem licitação a gente não tinha como fazer nada. Legalmente a gente não podia pagar ninguém. Só que aconteceu um caso, a primeira fase da vacinação, a gente não fez publicidade, porque não tinha como fazer, e pela primeira vez a prefeitura não conseguiu atingir a meta a que ela tinha se proposto. E recebeu críticas da SUSAM

165, recebeu críticas do Ministério da Saúde. Só acabou atingindo a meta porque eles ficaram mais 15 dias vacinando com os médicos da família de casa em casa. Mas, não conseguiu atingir. E foi a primeira vez que isso aconteceu depois de muitos anos. Por quê? Porque não teve uma propaganda. Porque queira ou não queira, a propaganda, no caso da vacinação, faz o cara lembrar: pô eu tenho que levar o meu filho para vacinar. É sábado, eu tenho que levar o meu filho para vacinar. Vai ter sábado de novo, hoje o comercial estará na televisão e na rádio para lembrar o pessoal”.

A secretária diz que quando precisa, as empresas sempre colaboram. No entanto, fez questão de frisar que se trata de uma relação de camaradagem muito maior que a relação financeira:

“Quando precisa sim. Até eventos culturais, a Fundação Villa-Lobos muitas vezes tem pedido e eles têm colocado só por conta de apoio

166. Então, é aquilo que eu estou falando, você tem uma relação de camaradagem, independente da financeira. Mas é lógico que uma hora a financeira aperta e você tem que… é a sobrevivência deles”.

Nos períodos em que as verbas públicas minguam, os assessores de Comunicação enfrentam dificuldades: “Quando a gente está sem, aí fecham as portas”. As negociações, então, passam a ser feitas empresa por empresa:

“É. Acaba tendo que ter negociações individuais e de acordo com o que a gente está passando. A gente teve muitas dificuldades. Eu fico assim …. .Outro dia o prefeito foi fazer uma coletiva e não foi quase ninguém. Também, era num sábado de manhã e a gente avisou em cima da hora. Aí o prefeito falou: Pôxa, não estão mais nem vindo às nossas coletivas. E ele creditou isso às questões políticas. E eu cheguei para ele e disse que a questão não era só política. Também tem esse lado. Eu não posso chegar e ligar para um dono de jornal e dizer: você não vai me mandar um repórter para a coletiva? Eu não posso cobrar o cara. Agora, se eu estou em dia com a empresa eu posso dizer, puxa, vai ser importante essa coletiva. Manda alguém. Não deixe de mandar ninguém. Eu vou pedir. Agora, quando eu não estou em dia, eu não posso cobrar. E no final eles acabaram publicando o material que a nossa assessoria 165

SUSAM é a sigla da Secretaria de Estado da Saúde, que, certamente, criticou o trabalho da Secretaria Municipal de Saúde em função da briga política entre o Prefeito da Cidade e o Governador do Estado. 166

Esse apoio ao qual se refere a secretária é uma espécie de “apoio cultural”.   MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 126 mandou. Eles publicaram o material. Eu achei até legal essa parte. Ele até acabou assim voltando atrás no que ele tinha falado”.

A Diretora responsável pelo jornal Amazonas em Tempo, HERMENGARDA JUNQUEIRA

167(2002), não considera esse tipo de prática aceitável em jornalismo. Ela recorre ao exemplo do Japão para ilustrar suas conclusões. O mais curioso é que, em meio às críticas, JUNQUEIRA revela a forma como os jornais cobram as matérias publicadas em Manaus e diz que o Governo do Estado libera verbas para os jornais:

“Lá. Que nenhum deles recebe um centavo para divulgar o Governo. É proibido. O Governo é uma instituição. O Governo e a Monarquia Parlamentarista, a casa, a realeza. Eles não podem receber dinheiro do Governo. Eles não podem. Não faz parte da cultura deles receber dinheiro para divulgar como a gente faz aqui. O Governo do Estado, o Amazonino

(Governador do Estado do Amazonas, Amazonino Mendes)

libera não sei quanto por mês pra mim, não sei quanto para a A Crítica não sei quanto ta ta ta e a gente divulga e ainda manda cobrar. Recorta e manda cobrar. Deus nos livre. Isso não existe lá”.

De acordo com HERMENGARDA JUNQUEIRA, a concorrência, em Manaus, quando se trata da venda de jornais em bancas, é ditada por métodos nada convencionais. Ela revelou que existe um “estilo” bem definido de tentar neutralizar os concorrentes. JUNQUEIRA explica o que percebeu quando o jornal Amazonas em Tempo foi lançado:

“Aí percebemos como era o estilo. O estilo era o seguinte: nas bancas, o jornal chegava e muitas vezes nós fomos surpreendidos pela seguinte situação: é o dono da banca ficava com poucos exemplares do Amazonas em Tempo, devolvia no dia seguinte e no momento, ele dizia que o jornal tinha pegado chuva, tinha…escondia o jornal. Em outras ocasiões, o próprio vendedor de jornal se encarregava de afugentar os nossos vendedores. Houve casos de registros policiais, inclusive”. O que talvez devesse ser ditado por regras de competição em uma concorrência leal, descambou para o campo dos golpes baixos, só aceitos nas atuais lutas denominadas “vale-tudo”, nas quais os competidores podem aplicar quaisquer tipos de golpes para aniquilar os adversários. JUNQUEIRA revela que houve briga mesmo, com registro policial e tudo:

167

JUNQUEIRA, H. Hermengarda Junqueira. : depoimento: [mar. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”.. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 127 “Houve registro de meninos que foram agredidos. É, é. Aí nós começamos a perceber que nós não estávamos ali com uma concorrência saudável como os teóricos do capitalismo sempre pregaram. Nós estávamos diante de um concorrente que não permitira jamais que nós, que nós ou que outros, pelo jeito, não sei se foi assim com os outros também, surgíssemos. Talvez pelo fato de que naquele momento fossemos um jornal novo, estarmos trazendo alguma novidade em termos de jornalismo impresso e que, não sei, não creio que ameaçasse, mas poderia acontecer algum tipo de busca, até mesmo pela curiosidade, não é que eu esteja querendo ser tão modesta a esse ponto, mas eu tenho a impressão que, eu não via nenhum motivo para ameaça”.

Ao que tudo indica, o concorrente do jornal Amazonas em Tempo sentiu-se ameaçado com a entrada de outro jornal no mercado: “A Crítica, pelo jeito, se sentiu, eu não acho que se tenha sentido ameaçada, ela se sentiu ofendida por alguém ter tido a coragem de montar um jornal”, comenta JUNQUEIRA. Ainda em 1987, época em que o jornal Amazonas em Tempo foi lançado, oferecer ao mercado um novo veículo impresso era uma ousadia. Talvez não apenas tenha sido considerado uma ousadia, mas uma ofensa. E a reação, segundo JUNQUEIRA, foi violenta demais:

“Foram atitudes muito violentas, de mandar bater nos homens que vendiam o jornal, de enxotar, enfim, de tomar o jornal dos garotos e por aí vai. Foi nessa base. Aí nós passamos a ter mais cuidado com isso embora, de certa forma, a gente tenha tido o cuidado de não, não, não se sujeitar, não topar esse enfrentamento. Nunca passou pela nossa cabeça esse tipo de enfrentamento. Nunca. Até porque nós sempre tivemos métodos muito diferentes de fazer o nosso trabalho. Desde o início. Como se não bastasse a gente conhecer como era que funcionava algumas medidas e atitudes de jornais como esse, por exemplo, não estou falando só aqui, porque existe outros, em outros lugares, havia também uma questão muito séria que era o modo como se fazia o jornalismo, também. Nós sempre soubemos como se fazia determinado tipo de jornalismo. Nós sempre soubemos disso. Nós temos, inclusive, uma experiência que aconteceu com o meu marido numa época em que a situação no País estava crítica então um belo dia nós fomos surpreendidos”. E complementa:

“Fomos surpreendidos por um editorial na capa do jornal A Crítica dizendo que a fábrica em que ele trabalha, que ele trabalhava na época, ele trabalha até hoje, estava em concordata. Iam pedir a falência dela. Ora, você sabe que quando se fala isso de uma empresa, os bancos se fecham na hora. Vem um editorial de capa. No rodapé da capa, que aquela fábrica ia.(à falência)”. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 128 JUNQUEIRA não soube informar se o editorial não se trata de uma reação de quem já sabia que outro concorrente entraria no mercado de Manaus, mas sabe que o editorial deixou a fábrica em dificuldades:

Não sei. Não foi muito distante, mas aconteceu. Bem antes. E esse editorial deixou a fábrica em dificuldades porque os bancos imediatamente se retraíram e o meu marido foi obrigado a pagar uma nota, na capa do jornal para dizer que não era verdade, quando a Lei de Imprensa é muito clara e diz que se tem que usar o mesmo espaço, o mesmo tamanho, o mesmo formato, para desmentir aquilo que você disse e que não é verdade. E era uma mentira. Não era verdade. Nós soubemos os detalhes disso muitos anos depois porque a pessoa que escreveu a nota ou o editorial, o chamado editorial, hoje é grande amigo nosso”. É curioso que, quando se faz uma análise do mercado para fins de pesquisa, na maioria das vezes fatos como esses, determinantes para o comportamento do mercado e da concorrência, não tenham sido revelados. JUNQUEIRA diz que aquele período e os fatos funcionaram como um aprendizado, uma lição de como se faz jornalismo em Manaus: “Nós sabemos que pra fazer jornalismo, o impresso, nem só o impresso em determinados lugares, você tem também que conhecer essas regras”. O Superintendente da Rede Calderaro de Comunicação, JOÃO BOSCO BEZERRA DE ARAÚJO

168(2002) não admitiu que o jornal A Crítica possuísse qualquer tipo de estratégia, ainda que não-convencional, de barrar a entrada dos concorrentes no mercado de Manaus:

“Nós não temos nenhuma estratégia aprioristicamente definida para enfrentar qualquer concorrente existente ou por vir. Evidentemente que, quando vem um concorrente, a gente se esforça no sentido de não perder o lugar que temos, não é, de veículo líder no estado do Amazonas”. Ele disse também que, se houve algum caso de violência por parte dos vendedores avulsos do jornal, a empresa não foi mentora de nenhum deles e nunca incentivou esse tipo de atitude por parte dos seus vendedores avulsos que, inclusive, são terceirizados. O jornal A Crítica lidera as vendas avulsas e é considerado o jornal de maior poder político no mercado do Amazonas ha tanto tempo que o próprio superintendente não sabe precisar: “A liderança eu não sei te dizer há quantos anos, mas estimo que essa liderança é de muitos e muitos anos”. Para ele, esse fato de ser o líder já funciona como uma barreira à entrada de concorrentes no mercado:

168

ARAÚJO, J. B. B de. João Bosco Bezerra de Araújo: depoimento: [set. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 129 “Isso já é uma coisa que barra a entrada. Mas, por exemplo, o último concorrente que entrou com o objetivo específico de tentar tomar o lugar de A Crítica em Manaus foi o Jornal do Norte, que entrou, era comandado pelo empresário Paulo Girardi, e que tinha apoio massivo de políticos importantes no Estado, inclusive, o governador do Estado, etc”.

Ele explica o que considera engraçado:

“Engraçado, o Paulo Girardi contou com o apoio explícito tanto do governador Amazonino Mendes quanto do ex-governador Gilberto Mestrinho, de quem ele, Paulo Girardi, é compadre e amigo. Então, ele entrou com um jornal, com muito dinheiro. Trouxe muita gente de fora, Paulo Markun, Isa Assef, um monte de gente, ganhando salários astronômicos, e nós cuidamos de preservar a nossa posição”. O Jornal do Norte foi a última tentativa empresarial de afastar o jornal A Crítica da liderança do mercado em Manaus. A experiência durou pouco mais de um ano. O jornal começou a circular em 1996 e saiu de circulação em 1997:

“Exatamente. Entrou em 96 e se acabou em 97. Esse jornal entrou muito forte, com muito dinheiro, com um marketing pesado, mas nós entendemos que, se a gente conseguisse preservar a imagem que nós temos diante da população de jornal independente, de jornal que tem em si mesmo o seu objetivo, ou seja, isto aqui não é uma empresa em que o jornal seja um apêndice”. ARAÚJO credita a longevidade de A Crítica e a liderança ao fato de o jornal ser a atividade fim do grupo Calderado e o A Crítica funcionar com carro-chefe da Rede:

O jornal é o carro-chefe. Então, por exemplo, o Paulo Girardi era um construtor. Um homem ligado à construção civil. Um empresário forte da área de Construção Civil. O jornal foi uma atividade diletante, sei lá. Estimulado por esses políticos e tal, não é, e que achavam que o momento era oportuno porque ele veio logo depois da morte do Umberto Calderaro Filho. Então, o que é que eles pensavam e a gente sabia disso: morreu o Calderaro, ficou uma filha mulher, ficou o João Bosco, que não é do ramo, porque eu vinha da Universidade, onde eu fui professor por mais de 30 anos. Eles achavam que a gente não teria competência necessária para manter”. Ele diz que A Crítica, no caso específico do Jornal do Norte, tratou de manter a liderança:

MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 130 “Então, no caso específico do Jornal do Norte, nós cuidamos por manter a nossa postura, a nossa linha jornalística, a nossa independência, e não somos amadores, fazemos do jornal o fim da atividade empresarial e não um ramo diletante, um ramo acessório, como o seu Paulo Girardi fez, como o Chico Garcia fez com o jornal A Notícia”. A vice-presidente da Rede Calderaro de Comunicação, TEREZA CRISTINA CALDERARO CORRÊA

169(2002), diz que a entrada de um novo concorrente, à época, funcionou como uma alavanca e deu forças para superar a perda do dono da empresa:

“Na época, isso foi um gás para gente. O papai tinha falecido recentemente e aquilo foi um ânimo para a gente não ficar enlutado por um período, empresa familiar, com a administração muito centralizada na mão do papai. Então, com aquela luta do Jornal do Norte, para mim, foi como eu me levantei. Eu procurei centrar no produto, melhorar o produto. Foi quando eu pensei na reforma gráfica radical do jornal, que era tempo já de fazer, nós já estávamos sem reforma gráfica há 15 anos, que ninguém fica hoje em dia sem fazer um ajuste gráfico no jornal e aí foi a hora que eu me movimentei. Da reforma gráfica eu não quis ficar só numa maquiagem. Porque, às vezes, se faz uma reforma gráfica e se faz só uma maquiagem no jornal, e a coisa, por si só, se dilui. Eu aproveitei e fiz uma reforma editorial, também”. Ela considera que a reforma editorial talvez tenha sido mais importante que a reforma gráfica:

“Essa é a mais importante. Nós demos uma virada no jornal. Hoje o jornal tem cara de jornal de grande cidade, de metrópole. Você olha A Crítica ao lado da Folha, de O Globo, do Correio Brasiliense, e A Crítica tem presença, tem porte. E é elogiada pelos grandes jornalistas do Estadão, da Folha. Aly Cammel se refere a A Crítica. Era editor chefe do jornal O Globo, hoje é editor-chefe do Fantástico, e de jornalismo do Globo Repórter. Ele só se refere a A Crítica como um dos jornais mais bem feitos do País”. O desaparecimento precoce de jornais, em Manaus, não é fato recente e não tem em A Crítica, como líder do mercado atual, a única explicação para o surgimento e a morte de jornais de forma tão rápida. A professora da Universidade do Amazonas, MARIA LUIZA UGARTE PINHEIRO

170 (2001), em tese defendida na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), explica:

169

CORRÊA, T. C. C. C. Tereza Cristina Calderaro Corrêa. depoimento: [set. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. 170

PINHEIRO, Maria Luiza Ugarte. Folhas do Norte: letramento e periodismo no Amazonas (1880-1920). 2001 (Doutorado) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2001. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 131 “O período que se abre na década final do século XIX, já se afigura como um momento bastante diverso da fase inicial, mas passa a enfrentar outros dilemas. Na opinião de muitos jornalistas locais, o que continuava a provocar o desaparecimento precoce de muitos jornais, era agora o excessivo número de periódicos em circulação, amplificando a concorrência frente a um público leitor que, embora também já se mostrasse bastante ampliado desde a década final do século XIX, parecia não possuir dimensões suficientes para assimilar o conjunto dessa produção”.

Esse, certamente, é o mesmo problema enfrentado pelas empresas jornalísticas tradicionais em pleno século XXI. O diretor industrial do jornal A Crítica, AROLDO CAMINHA

171 (2002) atribui à modernização no Distrito Industrial da Zona Franca de Manaus, que substitui homens por máquinas, o fato de as vendas de jornais haverem diminuído sensivelmente em Manaus: “o Distrito, nessa época, empregava 85 mil funcionários diretamente, hoje não tem 25 mil”, analisa. E complementa:

“Olha, nessa época, A Crítica chegou a tirar 32 páginas de Classificados. Tinha um caderno de 16, 12 páginas só de empregos lá no Distrito. Todo o mundo estava querendo ler jornal para ver quem estava oferecendo emprego. Hoje não tem mais isso. Acabou. Hoje o Classificados de A Crítica, quando muito circula com 8 páginas”.

Ele revela que quando Manaus possuía 250 mil habitantes, em 1968, somente o jornal A Crítica, que não era o líder circulava com 8 mil exemplares. O jornal de maior circulação, à época era O Jornal, de propriedade de Maria de Lourdes Archer Pinto, curiosamente, como já se destacou neste trabalho, o berço do jornal A Crítica. Quando o Distrito Industrial gerava empregos a pleno vapor, na década de 70, o jornal A Crítica circulava com 36 páginas de classificados. AROLDO CAMINHA comenta:

“Isso já era em 70 e pouco, por aí assim. E A Crítica tinha, dentro dessas 36 páginas de classificados, A Crítica tinha 8 páginas de emprego. Então, havia uma disputa muito grande no Distrito, para comprar jornal, para saber quem estava empregando. Era a rotatividade de empregos que tinha no Distrito, na época”. À época, o Distrito Industrial da Zona Franca de Manaus empregava aproximadamente 85 mil pessoas, entre executivos e funcionários do chão-de-fábrica. Com automatização da linha de produção, restaram aproximadamente 25 mil empregos, de acordo com os dados apresentados por AROLDO CAMINHA. Para ele, essa retração no nível de emprego é a responsável direta pela diminuição na

MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 132 circulação dos jornais, em Manaus. O Jornal A Crítica, que circulava com 36 páginas de Classificados e dentro dessas 36 possuía 8 de empregos, hoje não circula com nenhuma página de empregos, de acordo com CAMINHA. Aos domingos, o caderno de Classificados foi reduzido para 16, 18 páginas. “Quando muito, vai a 24 páginas”, revela CAMINHA. Nos dias de semana, o caderno de Classificados de A Crítica circula com apenas 6 páginas.

7.4 O posicionamento das empresas jornalísticas de Manaus O foco, e como conseqüência o posicionamento, sempre foi um problema ao longo da história do jornalismo de Manaus. No jornalismo contemporâneo, o problema persiste. O Superintendente da Rede Calderaro de Comunicação, que edita o jornal A Crítica, JOÃO BOSCO BEZERRA DE ARAÚJO, comenta: “Como nós não fazemos especificamente um jornal popularesco, predomina na nossa massa de leitores, as classes A, B, com penetração em C, D e E”. A vice-presidente da Rede Calderaro de Comunicação, TEREZA CRISTINA CALDERARO CORRÊA revela que houve uma mudança gráfica e editorial em A Crítica, baseada em pesquisas, a fim de aprimorar o foco do jornal:

“Foi tudo calçado com pesquisas. Nós contratamos a Vox Mercado, depois a Olgen Olsen, que é o maior pesquisador de mercado do País. Ele trabalhou para a reforma do Correio Brasiliense, ele trabalhou para a reforma de O Globo. Ele trabalha, basicamente, para os veículos. Nós gastamos muito mais em pesquisa do que mesmo no projeto editorial, de reforma editorial e de reforma gráfica. Tudo foi com base em pesquisa”. ARAÚJO assegurou que, tanto na questão do foco empresarial quanto do foco editorial, os movimentos da concorrência não mudam o foco do jornal, mas ele nega que o jornal seja destinado apenas às classes A e B: “Ele não é exclusivamente centrado nas classes A e B. Mas nos interessa preservar o domínio que nós temos nas camadas formadoras de opinião. Então, nós não fazemos um jornal como o Diário do Amazonas”. No caso do jornal Amazonas em Tempo, sua diretora responsável, jornalista HERMENGARDA JUNQUEIRA, considera a empresa responsável por várias mudanças no perfil do mercado de jornais, em Manaus:

171

CAMINHA, A .Aroldo Caminha:. depoimento: [maio. 2002]. Entrevistador: Gilson Vieira Monteiro. Manaus: USP, 2002. Meia fita cassete (30min), 3 ¾ pps, estéreo. Entrevista concedida ao projeto “Por um clique…”. MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 133 “Eu considero a criação do Amazonas em Tempo vitoriosa em muitos aspectos. Primeiro lugar, o mercado profissional na época, não existia. Ele era concentrado no jornal A Crítica, alguma coisa que vinha, que ficava, no jornal A Notícia, que existia também na época, Jornal do Comércio, mas que nunca saíram para uma briga. Pelo menos A Notícia, num período sim, depois não”.

E complementa:

“O outro aspecto que eu considero vitorioso é que ele trouxe sim. Ele trouxe uma experiência moderna, visual, gráfico-visual e implantou essa mudança. Ele disse que era possível fazer, mostrou que era possível fazer, embora, depois disso nós tenhamos, você já sabe o final. No momento não existia, pelo menos naquele momento, não existia em termos de jornal, segmentação. A segmentação por editorias era uma coisa muito confusa. Os jornais eram um corpo só, onde distribuíam, naquele corpo, todos os setores da notícia: misturava-se política com economia, cidade com geral, ou seja, o jornal um corpo só. O Amazonas em Tempo trouxe, pela primeira vez, a segmentação. Ele veio com a criação de um caderno de cultura isolado, com uma editoria de economia isolada, com, enfim, isso aí eu acho um ganho muito positivo basta você consultar os jornais da época para ver”. Na fase moderna, após a reforma gráfica e editorial, o jornal Diário do Amazonas não apresenta dúvidas quanto ao posicionamento. Seu vice-presidente executivo, FRANCISCO CIRILO ANUNCIAÇÃO NETO, é taxativo: “O nosso público-alvo, como todas as pesquisas apontavam, para o lançamento do jornal, eram as classes C, D e E”. O diretor-presidente do Jornal do Commercio, jornalista GUILHERME ALUÍZIO DE OLIVEIRA SILVA, revela que foi obrigado a mudar o foco do jornal em função de pressões políticas:

“Perseguição política. Perseguição política. Há uma…se você enfrenta o Governo, você tem a antipatia do Governo. E, ou pode fazer uma coisa que é indigesta, que é alinhar o seu veículo a uma política. Então, eu não me alinhei. Não me alinhei e tive efeitos danosos na minha vida empresarial. Não é só de jornal não. O Jornal não foi atingido. Foi atingido indiretamente. Os outros negócios é que foram atingidos. Porque nós não fazíamos oposição ao Governo, nós fazíamos um jornal independente. Nós fizemos o colarinho verde, da Suframa, nós fizemos o Escândalo de Sefaz, que foi aquele escândalo da Procuradoria da Fazenda do Estado, que acabaram com a Procuradoria tamanho era o número de irregularidades praticadas lá”. Em 1987, fase relatada por SILVA, o Jornal do Commercio brigava pela liderança em vendas como Jornal A Crítica. Depois das sanções impostas ao jornal e às empresas da família, SILVA preferiu mudar o foco da empresa jornalística: “Então, eu prefiro hoje fazer esse jornalismo segmentado, projetando principalmente a economia do meu Estado, a estar envolvido

MONTEIRO, Gilson.

Por um clique: o desafio das empresas jornalísticas tradicionais no mercado da informação – Um estudo sobre o posicionamento das empresas jornalísticas e a prática do jornalismo em redes, em Manaus. 2002. 309p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação): Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2003. 134 nisso. É muito alto o preço. É muito alto o preço”. Ele foi taxativo ao concluir: “Eu duvido muito que um jornal que não negocia a sua verdade, sobreviva”. SILVA, que também é presidente do Sindicato das Empresas Jornalísticas (SINEJA) diz que essa não é uma característica apenas do mercado do Amazonas ou do mercado de Manaus:

“É do Brasil, do Brasil. Hoje o Jornal do Comércio, se o Governo mandar matéria paga, qualquer coisa, ótimo. Se não mandar. Mas se amanhã sair uma notícia que a Sefaz fez isso, aquilo, o Secretário da Agecom não vai telefonar para censurar o jornal. Nós ficamos independentes de Governo, de Prefeitura. Durante a campanha Política para a Prefeitura nós publicamos uma enquete, uma pesquisa que encomendamos, que não foi agradável para o prefeito que venceu, que é este (Alfredo Nascimento, prefeito municipal de Manaus). Desde então ele resolveu que não publica um edital no nosso jornal. Não publica nenhum. Coisa mesquinha, tacanha”. Ele disse ficar satisfeito em não ser convidado para participar de alguns “negócios” do jornalismo de Manaus. E conta um fato “curioso” para reforçar a imagem de idoneidade dele e da empresa Jornal do Commercio:

“E eu fico muito satisfeito. Outro dia eu falando com o Amazonino (Amazonino Mendes, Governador do Amazonas), o Bosco (João Bosco Bezerra de Araújo, Superintendente da Rede Calderaro de Comunicação) e a Cristina (Tereza Cristina Calderaro Corrêa, Vice-presidente da Rede Calderaro de Comunicação) ficaram muito chateados com um negócio que o Amazonino fez com o Diário do Amazonas. A Crítica de vez em quando batia no governo dele e tal e ele se chateava, precisava de um veículo que o defendesse. Então fez um negócio lá com o Diário do Amazonas e A Crítica ficou chateada. Fez o comentário e eu transmiti a ele o comentário. Ele diz: rapaz, fiz porque são uns loucos, eles vêm aqui, precisam de dinheiro, eu vou e pago, no dia seguinte me dão traulitadas pra tudo que é lado. Eu preciso ter uma coisa desse jeito. Pensei em ti. Mas tu não te prestarias para esse serviço que eu queria. Então eu fiz com o Diário do Amazonas. Eu digo: puxa vida, muito obrigado. Você sempre vai contar com o meu apoio. Não encontrou em mim a pessoa que ele queria. Graças a Deus”. O “atrelamento” dos jornais de Manaus ao poder, revelado pelo presidente do Sindicato das Empresas de Jornais (SINEJA) talvez seja a base das relações de troca. São essas as bases das empresas jornalísticas tradicionais de Manaus que norteiam a concorrência na Internet. E, como se verá a seguir, possivelmente, o funcionamento desse mercado tradicional de mídia, em Manaus, provoque uma miopia, um erro de foco grave que, ao longo dos anos, pode tirar as empresas jornalísticas tradicionais de Manaus da disputa pelo Mercado da Informação até da própria região. 

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador