Empresa de armas dos EUA teria sido favorecida em licitação com ajuda de Flávio Bolsonaro

Há suspeitas de favorecimento a empresa bélica dos EUA em licitação para a compra de 500 fuzis pela Polícia Civil do Rio de Janeiro

Eduardo Bolsonaro com Marcelo Costa (esq.), representante da Sig Sauer – Foto: Reprodução/Facebook Eduardo Bolsonaro

Jornal GGN – Há suspeitas de favorecimento a uma empresa bélica dos EUA por vencer a licitação no Brasil para a compra de 500 fuzis pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. O filho do presidente Flávio Bolsonaro (PL-RJ) teria ajudado a liberação de mais de R$ 3,8 milhões destinados à americana.

A empresa vencedora da licitação em julho de 2021, Sig Sauer, é gigante conhecida da indústria bélica nos Estados Unidos. Ela ofereceu R$ 3.819.442,05 e venceu o pregão de venda de 500 fuzis à Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Segundo investigação de reportagem do Uol, outros concorrentes fabricantes de armas afirmaram suspeitar do direcionamento, ou seja, de mecanismos impostos na licitação que impedissem que os demais ganhassem o pregão e a americana levasse os recursos milionários.

Ainda, após vencer a venda das armas, faltavam recursos para a efetiva compra por parte da Polícia Civil do Rio. Foi necessária a liberação dos montantes pelo Ministério da Justiça. Tal articulação foi feita por nada menos que o filho do presidente, Flávio Bolsonaro.

A empresa já recebeu diversas manifestações de apoio da família bolsonaro para atuação no Brasil. O representante da Sig Sauer no Brasil, Marcelo Costa, é conhecido por ter bom trânsito com Flávio e Eduardo Bolsonaro.

A pasta negou ocorrer irregularidades na liberação dos recursos e a Polícia Civil do Rio disse que a licitação foi auditada por órgãos públicos. Entretanto, especialistas ouvidos pelo jornal concluíram que a concorrência está “viciada”, com irregularidades e que deveria ser anulada.

Ainda, a reportagem do Uol divulgou que um dos 3 policiais que elaboraram a parte técnica da licitação, Manoel Hermida Lage, inspetor da Polícia Civil, trabalha para a Sig Sauer, é instrutor do campo de tiros da empresa.

Redação

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. ENTRE COMPRAR ARMAS E O BRASIL PAGAR QUASE METADE DO DINHEIRO ARRECADADO NO ANO A ESPECULADORES BANQUEIROS EMPRESARIAIS FINANCEIROS PREFIRO A SEGUNDA OPÇÃO,MELHOR Q LUCREM CEM POR CENTO PRA MAIS COMO AGIOTAS DO QUE SE MATARMOS COM ARMAS !!!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador