Instituto Sagres, da Operação Satiagraha ao Projeto de Nação

Dois coronéis ligados ao Sagres foram trabalhar como assessores de segurança de Gilmar Mendes, então presidente do Supremo Tribunal Federal.

O Projeto de Nação proposto pelos militares teve patrocínio de três institutos com ligações com militares. Mas o autor intelectual foi o Instituto Sagres. O Instituto tornou-se conhecido por época da Operação Satiagraha.

Um dos homens do Instituto Sagres era ex-assessor de segurança do Supremo Tribunal Federal (STF), coronel Sérgio de Souza Cirilo. Ele foi sócio-fundador do Instituto Sagres.  Dois coronéis ligados ao Sagres – Cirilo e o coronel Joaquim Gabriel Alonso Gonçalves – foram trabalhar como assessores de segurança de Gilmar Mendes, então presidente do Supremo Tribunal Federal.

Foram os responsáveis pelo polêmico relatório sobre grampo no STF, que serviu de base para uma capa da Veja, provocando a CPI dos Grampos. Era uma armação, que foi desmontada pelos leitores do Blog Luis Nassif, assim que o relatório foi apresentado à CPI. Publicado no Blog, em pouco tempo dois engenheiros eletrônicos mostraram a inconsistência da denúncia: o relatório falava em sinais eletrônicos captados de fora para dentro; se fosse grampo, teriam que ser de dentro para fora.

No mesmo período, estourou a Operação Satiagraha, envolvendo um terceiro integrante do Instituto Sagres: Hugo Chironi, trabalhando para o banqueiro Daniel Dantas e flagrado oferecendo dinheiro para o delegado Protógenes, em uma cena armada pela operação.

O Instituto foi fundado em 2006 por oficiais da reserva do Exército. O coronel Gonçalves foi alçado ao posto de consultor de segurança do STF, na gestão de Gilmar Mendes, por sugestão do general Alberto Cardoso, que serviu ao governo de Fernando Henrique Cardoso. Pesou o fato do Sagres ter um Núcleo de Inteligência Prospectiva e Estratégica

Na sentença do juiz Fausto de Sanctis, que condenou o banqueiro Daniel Dantas, há menção expressa ao Instituto Sagres. Menciona Chicaroni como um dos braços-direitos de Daniel Dantas, e menciona nove contatos telefônicos com o oficial do Exército Sérgio de Souza Cirillo, especialista na área de inteligência e contra-inteligência, no período de 4 de junho de 2008 a 7 de julho de 2008, quando ocupava cargo no Supremo.

Segundo a sentença,

Hugo Chiaroni se apresentava como integrante do Instituto Sagres – Política e Gestão Estratégica Aplicadas, segundo ele próprio e os delegados Protógenes Queiroz, Marcos Antônio Lino Ribeiro e Ricardo Saadi, ligou para Sérgio de Souza Cirillo, especialista em guerra eletrônica, com experiência profissional na área de inteligência e contra-inteligência, oficial do Exército e que provavelmente se conheciam porque este também é vinculado ao referido instituto, nove vezes, no período de 4/6/2008 a 7/7/2008 (…). Tal fato revela, pois, que os acusados, para alcançar seus objetivos espúrios, dias antes de oferecer e pagar vantagem às autoridades policiais, atuavam sem medir esforços em suas ações na tentativa de obstrução de procedimento criminal, tentando espraiar suas ações em outras instituições. Sérgio de Souza Cirillo foi, posteriormente, nomeado, em 30/7/2008, como assessor, figurando como substituto do secretário de Segurança do STF, e, finalmente, exonerado em 6/10/2008″.

Já naquela época, em 2008, o presidente do Instituto era o Coronel Raul Stuari, que negou relações com Cirilo e com Hugo Chicaroni. Chicaroni só foi expulso do Instituto depois de preso. Mas não se apurou envolvimento institucional do Sagres com os crimes apurados pela Satiagraha.

4 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Raul Sturari

- 2022-05-26 11:16:02

Matéria mentirosa e abusiva. Alonso Gonçalves nunca foi associado ou ligado ao Sagres. Sérgio Cirillo só recebeu contatos de Hugo Chicaroni para elaborar cartões de visita. Tudo foi plenamente esclarecido e comprovado no inquérito da Polícia Federal. Hugo Chicaroni foi expulso do Sagres assim que soubemos das denúncias contra ele. Nunca neguei relações com ambos. Nunca mais falei com Hugo. Continuo muito amigo de Sérgio Cirillo e atesto sua total inocência nesse caso. A única coisa certa na reportagem: não se apurou envolvimento institucional do Sagres com os crimes apurados pela Satiagraha.

Marcelopontojota ou jotapontomarcelo

- 2022-05-26 08:32:57

ESTE GOVERNO É MILITAR,O Q EXPLICA UNS 11 MIL MILITARES NELE?ORA,GOVERNO MILITARIZADO E O NOSSO FUTURO ROUBADO COM O PAÍS ACABADO,MAS O GUEDES VAI DAR UM JEITO E O BRASIL VAI BOMBAR(DE BOMBA LACRIMOGÊNEO?)OBS.:QQ semelhança com a Alemanha nazista perseguidoramente falando é mera coincidência (poder econômico e militares)convencendo todas as estruturas da sociedade sobre o mal petista/judeus/lulista,enquanto fazem o estrago quietinhos escondidos nós "campos de concentração!"

Vladimir

- 2022-05-26 08:32:09

O Brasil, desde sempre ,não é um país belicoso. Nossas Forças Armadas,então,sem tem o que fazer,preocupam-se em guerrear contra seus patrões,ou seja,nós,o povo brasileiro. Está na hora de pensarmos em rduzirmos substancialmente o tamanho dessas forças e colocando-as,de forma mais profissional,na proteção do país e eme levantamenos estratégicos de segurança dentro de um quadro de geopolítica mundial. Quem sabe,assim,esses milicos milicianos possam vir a serem conhecidos como militares e serem úteis ao país e deixem a política para os representantes eleitos pelo povo.

jucemir rodrigues da silva

- 2022-05-26 00:53:20

Nassif, como você bem sabe, pares de Gilmar no STF condenaram o jornalista Rubens Valente a engordar a conta bancária do referido Gilmar em 310 mil reais. O caso pelo qual Rubens Valente foi condenado tem tudo a ver com essa matéria. Vejamos o que pode acontecer. Gilmar certamente é leitor assíduo do GGN. Lê a matéria. Entra com processo. Perde a causa na primeira instância. Seus advogados apelam. O processo vai para o STJ e a sentença é reformada em desfavor do réu. O processo vai para STF, onde Gilmar trabalha, e este condena Luís Nassif a ser mais um infeliz jornalista a pingar uma graninha esperta na conta de Gilmar. Não tendo mais a quem recorrer, Nassif recorre à vaquinha. No outro dia, lá no ConJur, Márcio Chaer – aquele mesmo que você entrevistou num vídeo em 10/05/2021– escreve um artigo intitulado “MAIS UM JORNALISTA CONDENADO LANÇA CAMPANHA DE SOLIDARIEDADE A SI MESMO”. Cuidado, Nassif.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador