A posição brasileira sobre as Malvinas

Por MiriamL

Da Folha.com

Argentina cita “irmandade” em decisão do Brasil sobre Malvinas

GUSTAVO HENNEMANN
DE BUENOS AIRES

O governo argentino considerou uma prova de “irmandade” o fato de o Brasil ter impedido um navio britânico vindo das ilhas Malvinas de fazer escala no porto do Rio de Janeiro neste mês.

O chanceler do país, Hector Timerman, falou nesta quarta-feira pela primeira vez sobre o assunto, após o governo brasileiro ter confirmado à Folha que barrou a embarcação britânica HMS Clyde por razões “políticas e diplomáticas”. O episódio ocorreu no início de janeiro.

Essa”Essa medida mostra nossa relação tão próxima com o Brasil. É parte dessa construção que temos realizado de aliança estratégica e de irmandade, que é demonstrada não só pelo comércio, mas também por meio deste reconhecimento da soberania [argentina nas ilhas Malvinas]”, disse o chanceler em entrevista a uma rádio local.

Segundo a Embaixada do Reino Unido no Brasil, o Itamaraty negou um pedido de “autorização diplomática” para que o navio de guerra HMS Clyde atracasse no porto do Rio. A embarcação teve de seguir até um porto do Chile para reabastecer.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou ontem que a decisão do governo brasileiro é “padrão”.

Segundo ele, o Brasil tomou essa medida porque reconhece a soberania da Argentina sobre as Malvinas.

“É padrão porque todas as demandas que são feitas de navios ou de aviões britânicos de operações de guerra para as Malvinas, o Brasil não aceita sua atracação em portos brasileiros porque nós reconhecemos a soberania nas Malvinas da Argentina e não da Inglaterra”, afirmou.

Na terça-feira (11), o Itamaraty informou a permissão para que navios britânicos atraquem em portos brasileiros será tomada caso a caso.

p(tagline) Colaborou SIMONE IGLESIAS, de Brasília 

Luis Nassif

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador