Isolado, Bolsonaro passeia com assessores no final do G20

Presidente esnoba evento com príncipe Charles e sai pelas portas dos fundos da embaixada brasileira em Roma

Foto: Alan Santos/PR

Jornal GGN – O presidente brasileiro Jair Bolsonaro fechou sua participação na reunião do G20 neste domingo sem nenhuma reunião bilateral com líderes globais, e sem qualquer integração social com eles.

Reportagem do jornal Folha de São Paulo não só destaca tal isolamento, como pontua que Bolsonaro saiu pelos fundos da embaixada brasileira em Roma e preferiu usar o tempo para caminhar pela cidade com seus assessores e cercado por alguns apoiadores articulados por canais de WhatsApp.

Clique aqui e veja como colaborar com o jornalismo independente do GGN

Enquanto Bolsonaro passeava, primeiros-ministros e presidentes estavam reunidos no centro de convenções onde a reunião era realizada para ouvir o príncipe Charles. O Brasil estava representado pelo ministro das Relações Exteriores, Carlos França.

Os repórteres presentes no evento também destacaram o isolamento do presidente brasileiro ao longo do evento, apontando como exemplo o primeiro encontro com o primeiro-ministro italiano Mario Draghi.

Bolsonaro foi o único a quem Draghi não estendeu a mão, e o brasileiro também não foi abordado pelos líderes presentes na ocasião.

Entre eles, estavam a alemã Angela Merkel, o australiano Scott Morrison, o canadense Justin Trudeau, o britânico Boris Johnson, o francês Emmanuel Macron e a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen.

Leia Também

Bolsonaro mente no G20: “Economia está voltando forte”

Juristas querem explicações de Bolsonaro por declarações sobre compra de vaga no STF

Redação

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. O maior drama é a possibilidade concreta deste energúmeno continuar no trono aé 2026, para a já manifestada alegria da banca, do andar de cima e também de USA.
    Daqui pra frente, poderão ser cinco anos de uma substancial destruição do país, tudo de acordo com o PROJETO cuja execução teve início no episódio do golpe sobre DRousseff.
    O genocida, quando viaja, apenas faz turismo pessoal, já que ninguém quer ficar perto dele, afinal, alguém já viu um selfie do vagabundo ao lado de um político de expressão internacional ?
    Ele e filhotes, família de bandidos e assassinos, perderam o trem e já não mais conseguem recuperar o tempo perdido.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador