Moro e Guedes: as âncoras de Bolsonaro que afundaram

Se domínio nenhum das ferramentas de política econômica, Paulo Guedes vive de esperar a Reforma da Previdência, que mesmo se aprovada, não vai resolver a recessão

Sem domínio nenhum das ferramentas de política econômica, Paulo Guedes vive de esperar a Reforma da Previdência – que, mesmo se aprovada, não vai resolver a recessão.

Sergio Moro, que deveria ser a segunda âncora de Bolsonaro, também se demonstrou inábil e dependente de uma pauta única, o pacote anticrime.

A chance de recuperar a economia com Guedes é zero. O ministro não tem domínio sobre o assunto, apenas de movimentos do mercado.

Investimentos externos, com Bolsonaro, esquece. Quem vai investir em um país em que o presidente é terraplanista, fundamentalista, envolvido com milícias?

Em outros ministérios, só há maluquice. São anti-ministérios. Décadas de avanços estão sendo destruídos nas áreas de direitos humanos e meio ambiente.

A percepção do fracasso conjuntural ficará mais aguda quando a Reforma da Previdência não se provar suficiente para retomar o crescimento econômico.

Assista ao vídeo de Luis Nassif, na íntegra:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Menos de 7% dos territórios quilombolas reconhecidos têm títulos de propriedade

5 comentários

  1. E o PT hein…….mimimi ridiculo mas é a favor da reforma como afirmou com todas as letras humberto costa……….

    Vergonhoso………..

    1
    4
  2. O povo do mundo todo está tendendo ao neofascismo de extrema direita. E todos os neofascistas, a exemplo de Hitler e Mussolini, aplicam algum tipo de keynesianismo nacionalista na economia, para provocar crescimento econômico e alguma distribuição de renda.

    A euforia política fascista combinada com o crescimento torna-o, a curto e médio prazo, imbatíveis. Veja o Trump nos EUA, por exemplo (no longo prazo é diferente, pois a sanha destrutiva do fascismo logo se volta contra si mesmo).

    Bolsonaro cometeu a burrice de unir suas ideias fascistoides, que tem muito apoio da população, cheia de medo e ódio, ao suicídio econômico neoliberal. O mesmo erro de Macri e Macron (mas este último né neoliberal puro sangue). Por isso, ele durará muito, a não ser que demita rapidamente Paulo Guedes e coloque alguém desenvolvimentista na economia – o que me parece impossível.

    Mas mesmo que caia, a onda neofascista popular permanece. Será que a esquerda consegue reverter a insatisfação popular que a origina para suas causas? Ou será que alguém da extrema-direita surfa nesta onda de forma mais inteligente, combinando ideias fascistas com keynesianusmo nacionalista, como os fascismos sempre fizeram?

  3. Bolsonaro disse que acredita no Neymar. Ele deve achar que a modelo Najila Trindade é feia e, por isso, não merece ser estuprada.

    “Não saia, não, Maria do Rosário, fique aí. Fique aí, Maria do Rosário. Há poucos dias você me chamou de estuprador no Salão Verde e eu falei que eu não estuprava você porque você não merece. Fique aqui para ouvir”.

    Asinum asinus fricat

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome