Presidente do Equador cede a protestos e derruba decreto contra subsídios

Presidente Moreno indica que insistirá em acabar com o subsídio ao combustível para "mais ricos" e traficantes

Jornal GGN – Após vários dias de protestos reprimidos violentamente, que deixaram pelo menos 7 mortos, todos civis, o presidente do Equador Lenin Moreno confirmou, no domingo (14), que derrubará o decreto 883, que acaba com os subsídios do governo à gasolina, aumentando o preço em 123%.

A medida, adotada para agradar o FMI e garantir um empréstimo de mais de R$ 4 bilhões, levou milhares às ruas da capital equatoriana, colocando Moreno contra a parede.

Mesmo após as tratativas de negociações, intermediadas pela ONU, o líder indígena Jaime Vargas afirmou que enquanto o decreto não fosse derrubado, as manifestações não iriam acabar. “Continuaremos mobilizados”, garantiu.

Moreno, enfim, recuou do decreto, mas sinalizou que não pretende restabelecer o subsídio como se dava antes.

O presidente argumentou que “os mais ricos e os traficantes de gasolina” eram os que mais se beneficiavam da medida, indicando que deve redigir um novo decreto beneficiando apenas “os mais humildes”. “Mas não é justo que esses grupos poderosos fiquem ainda mais poderosos com o subsídio”, disse, de acordo com informações da Folha de S. Paulo.

Moreno sustenta que precisa do empréstimo do FMI para equilibrar as contas públicas depois de rombos financeiros deixados pelo governo de Rafael Correa. Mas sem a redução de gastos – como o fim do subsídio ao combustível – o Fundo não deve atender ao chamado de ajuda.

No domingo, Quito estava deserta por causa do aumento do número de militares nas ruas e do toque de recolher imposto na véspera. “As estradas para entrar na cidade ou sair dela estavam fechadas, e era necessário obter uma permissão para atravessar os bloqueios montados pelos militares. Todos os voos internacionais foram cancelados, e turistas tiveram de prolongar a sua estada”, descreveu a Folha desta segunda (14).

3 comentários

  1. Ambigüidades Platino-Globólicas:

    G1, da Rede Bobo, noticia:

    “Equador revoga decreto que elevou combustível após protestos”.

    Interpretando, eu diria que houve protestos após os quais o governo que decretou a elevação do preço dos combustíveis, agora veio a revogar o tal decreto. Mas não foi assim, foi assado:

    Após protestos, Equador revoga decreto que elevou combustível.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome