Vereadora do PT tem mandato cassado após denunciar apologia ao nazismo em SC

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

A defesa de Capra afirma que o processo é, na realidade, uma perseguição política

Os vereadores de São Miguel do Oeste, município de Santa Catarina, cassaram na madrugada deste sábado (4) o mandato de Maria Tereza Capra (PT) por suposta quebra de decoro parlamentar. Foram 10 votos a favor contra um, o da própria vereadora. 

A acusação afirma que Capra atacou os cidadãos da região e propagou notícias falsas ao denunciar nas redes sociais uma manifestação em que os participantes protagonizam um gesto nazista em conjunto, após cantarem o hino nacional, em frente da base do exército da cidade, em 2 de novembro de 2022.

No plenário da Câmara, em sessão que durou cerca de nove horas e só terminou pouco mais das 3h da madrugada deste sábado, a vereadora falou sobre a violência que vem enfrentando desde a denúncia e a falta de representação feminina na Casa. A outra mulher vereadora do município, Cristiane Zanatta (PSDB), se ausentou da sessão.

É no parlamento onde é possível equilibrar as forças de representatividade da mulher, aqui estão 11 homens, uma mulher ausente e uma vereadora que vai ser cassada“, destacou a vereadora.

A defesa de Capra afirma que o processo é, na realidade, uma perseguição política, além de alegar a possível parcialidade do então presidente da Câmara, Vanirto Conrad (PDT), apontado pela Polícia Civil como um dos líderes de atos antidemocrático.

A defesa também apontou supostas falhas e vícios do processo, como a incongruência das denúncias populares, que não descrevem a tal quebra de decoro.

Nas redes sociais, Capra publicou uma carta sobre a cassação em que diz que seguirá buscando por justiça. 

À nossa gente de São Miguel do Oeste, reitero o meu compromisso de lutar pelo nosso povo, de seguir buscando justiça a quem não tem acesso e a de mostrar ao mundo que aqui é terra de gente trabalhadora, séria, respeitadora e que não compactua com violência!”, escreveu. 

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

Justiça já reconheceu existem de célula neonazista em São Miguel do Oeste

Em dezembro passado, A Justiça de Santa Catarina aceitou uma denúncia feita pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e tornou seis homens réus por integrarem uma célula nazista em São Miguel do Oeste, Joinville, Florianópolis e São José. 

Os envolvidos foram acusados de praticarem crimes de racismo e disseminação do ódio com uso de armas de fogo.

As investigações da Polícia Civil tiveram início após a prisão de um dos réus, por tráfico de drogas. Foi Durante o flagrante e a apreensão de objetos, que os policiais descobriram a célula nazista.  

O Ministério Público conseguiu autorização para quebrar o sigilo telefônico e de mensagem do grupo chamado “Todos os mendigos negros nordestinos deveriam ser fuzilados”, onde os criminosos costumava conversar sobre atentados, a compra de material bélico e a produção de armas.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

5 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Não sei quem escreveu esta matéria, mas deveria passar por uma revisão de português antes de publicar. Não existe o termo “cidadões” colocado no segundo parágrafo. Existe sim, cidadãos e cidadãs. Então, fica a dica da revisão pra evitar erros ou lapsos de digitação.

  2. Não deixa de ser paradoxal ver nazistas catarinenses falando em decoro parlamentar porque alguém criticou o nazismo. Justo eles que são defensores da ditadura, adeptos indecorosos do racismo, da violência como instrumento político e do genocídio como meio de administrar o conflito entre os interesses deles e os das minorias. Esses parlamentares que puniram a vereadora do PT deveriam ser todos cassados, pois a decisão deles é que configura falta de decoro parlamentar.

  3. Louvo a coragem dela; mas devia saber que isso seriam favas contadas, né? O traço mais forte de toda sociedade supremacista é a vingança. E, o supremacista, que não conhece regra alguma além de selvagem vontade do momento, não reconhece limites. E, a qualquer confrontação parte pra cima pra mostrar QUEM É QUE MANDA, sobre a vida e a morte de qualquer “inferior”.

  4. Discordo da correção gramatical apontada no comentário.
    No estado de Santa Catarina,infelizmente,é “habitado ” por muitos “cidadões” mesmo, órfãos de Hitler.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador