WBO destaca manobra para desmoralizar investigação do STF

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Em nota, escritório destaca que extrema-direita brasileira instrumentalizou comissão dos EUA para fragilizar apuração de tentativa de golpe

Imagem de 12019 por Pixabay

A Comissão Judiciária da Câmara de Deputados dos Estados Unidos pode estar assumindo posicionamentos sobre a realidade política e jurídica do Brasil “sem o respaldo de informações confiáveis” sobre as medidas tomadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para proteger a democracia.

Tal posicionamento levou o Washington Brazil Office (WBO) a elaborar um comunicado a respeito das diferenças de funcionamento da justiça entre o Brasil e os Estados Unidos, principalmente após a carta enviada pela Comissão ao presidente Joe Biden na última quarta-feira (17/04).

Paulo Abrão, atual diretor-executivo do WBO, destaca que a carta apresentada pelos deputados norte-americanos “distorce aspectos da realidade brasileira e, por isso, ficou claro que há grupos de interesse induzindo a erro e a uma leitura tendenciosa por parte dessa importante Comissão”.

“A Comissão tornou públicas diversas decisões da Corte Suprema brasileira mantidas em sigilo em razão das investigações em curso sobre a tentativa de golpe contra a democracia e outros graves crimes previstos na legislação do Brasil”, pontua Abrão.

Diante disso, o diretor-executivo do WBO destaca que esse movimento foi induzido “por membros da oposição de extrema direita brasileira para fragilizar as investigações dos crimes cometidos dentro do país”, em uma “clara estratégia de impunidade deles”.

Pedro Kelson, coordenador do Programa de Democracia do WBO, considera que a Comissão Judiciária da Câmara dos Deputados dos EUA foi “instrumentalizada” por esse grupo para vazar dados sigilosos referentes à tentativa de golpe de Estado.

Kelson destaca ainda que esses interessados tentam “desmoralizar as investigações de responsabilizações contra os ataques ao Estado Democrático de Direito do Brasil com informações incompletas e superficiais sobre a realidade brasileira”.

Divulgação de dados confidenciais

Como lembra o WBO, a Comissão norte-americana acabou por tornar pública “diversas decisões judiciais mantidas em sigilo em razão das investigações em curso sobre a tentativa de golpe e ataques às instituições democráticas perpetradas no Brasil”.

Os políticos norte-americanos chegaram a citar falta de “fundamentação” do ministro Alexandre de Moraes, do STF, em suas decisões.

Contudo, nota divulgada pela Corte brasileira em 18 de abril indica que as ordens tornadas públicas “não se tratam das decisões fundamentadas que determinaram a retirada de conteúdos ou perfis, mas sim dos ofícios enviados às plataformas para cumprimento da decisão”.

“Fazendo uma comparação, para compreensão de todos, é como se tivessem divulgado o mandado de prisão (e não a decisão que fundamentou a prisão) ou o ofício para cumprimento do bloqueio de uma conta (e não a decisão que fundamentou o bloqueio)”, ressaltou o Supremo brasileiro. 

O site de checagem de informações Aos Fatos destaca ainda que os documentos não provam que as decisões de Moraes são ilegais, uma vez que “não é necessário que ofícios emitidos durante a tramitação de uma ação judicial contenham a motivação do magistrado para a remoção de um conteúdo ou o bloqueio de um perfil, especialmente se a ação corre em sigilo”.

A íntegra do comunicado divulgado pelo WBO pode ser acessada clicando aqui

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Gostei do nome chic atribuido à safadeza que nossos políticos derrotados de direita fizeram cruzar as nossas fronteiras para nos demonizar junto ao tio sam: Acusações “sem o respaldo de informações confiáveis”. Isso não é nem eufemismo, é diplomacia (falsa)

  2. Hahahaha…

    Engraçada mesmo é essa comoção sobre o que os EUA ou o congresso ou seja lá o que forem de lá, estejam pensando sobre os nossos processos políticos e institucionais…

    É assombroso o nivel de vida latice.

    Quer dizer que caberiam informações corretas a comissão do congresso de lá?

    Uai, mas por quê?

    Olha, eu acho que e a solução, Raulzito já cantou: “a solução é alugar o Brasil.”

    Pela amor de Zeus, Nassif, como pública um troço desses?

    WBO é o que, TV a cabo?

    Cada vez a direita dando as cartas e pautando os bobocas da “esquerda”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador