A história do nascimento da educação pública

Do Portal Luis Nassif

28 de Outubro 1717, uma data que ninguém lembra!

A data de 28 de Outubro de 1717 foi a data em que Frederico Guilherme I (Friedrich Wilhelm I), rei da Prússia instituiu a obrigatoriedade do ensino primário no seu país, obrigando que as crianças ficassem de 5 a 12 anos na escola. Inclusive na mesma época o déspota esclarecido impediu por lei a contratação de qualquer criança que não houvesse concluído o ensino obrigatório.

Lembramos muito da Alemanha como um estado déspota e autoritário, e simplesmente ignoramos que em termos de política de ensino público este país sempre foi líder na Europa.

Fala-se muito na Revolução Francesa que procurou instituir em 1789 (72 anos após a Prússia) o ensino público, mas mesmo assim contra a opinião de Iluministas Franceses como Voltaire, que declarava como inútil a alfabetização do povo.

Os teóricos da educação insistem em ignorar o fato que por mais voltada para a criação do bom soldado, do bom operário a universalização da educação como foi feita na Prússia, foi mais revolucionária do que um monte de baboseiras filosóficas em termos de educação dos últimos 100 anos.

 

Decreto real que institui o ensino obrigatório na Prússia.

Só para provar a minha simples tese, foi a educação Prussiana que criou mentes como Marx, Engels e centenas de pensadores alemães do século passado.

Li a pouco uma tese de 2010, de uma das principais Universidades do país, onde na introdução sobre o ensino público está escrita a seguinte passagem:

“Com a revolução Francesa foi desencadeada uma luta pela expansão da escola pública e da articulação entre ensino primário e secundário,….”

Ou seja, a autora simplesmente ignora que na época da Revolução Francesa, o ensino público era universalizado em toda a Prússia e obrigatório em 8 anos (já haviam aumentado o ensina básico).

Logicamente, este incremento do ensino público não foi devido a teorias Marxistas, pois o próprio Marx é que estudou no Liceu Friedrich Wilhelm em 1830, mas Marx teve a sua formação graças ao próprio Friedrich Wilhelm. Provavelmente se Marx e outros grandes pensadores do século XIX se tivessem nascidos em outro país europeu não teriam deixado o legado que deixaram.

Este último parágrafo é simplesmente para ilustrar que a educação pública não nasce como teóricos modernos pretendem demonstrar no fim do século XIX e início de século XX.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. Correção

    O documento está datado de setembro, não de outubro. Meu conhecimento da língua alemã é precário, mas conheço bem o estilo de letra fraktur, muito utilizado na época para compor textos em “Altdeutsche” (alemão arcaico), como disse Klaus BF em comentário. Transcrevendo o título:

    “No. XCVII. Verordnung, dass die Eltern ihre Kinder zur
    Schule, und die Prediger die Catechisationes, halten sollen;
    vom 28. Sept. 1717.”

    Pedi ajuda ao Google sobre o sentido de algumas palavras, e a tradução parece ser:

    “Nº 97. Regulamenta que os pais devem manter suas crianças na escola, e os Pastores suas catequisações; de 28 de setembro de 1717.”

    Dado o título, há de se observar se o ensino então estabelecido como obrigatório não era apenas religioso. O ensino religioso já existia na Idade Média e era obrigatório pelo clero (sem ser catequisado, o indíviduo não era considerado cristão e poderia ser executado pela Santa Inquisição). Só mais tarde surgiu um conceito revolucionário de ensino público, que incluía o letramento e o aprendizado das ciências.

  2. Surgimento da escola pública

    Bom dia Nassif, encontrei este artigo seu pois estou fazendo uma pesquisa onde o surgimento da escola pública e suas trasformações são expostas. Voce teria mais material que pudesse me ceder???

    Desde já agradeço,

     

    Euler Costa

  3. Calvino e a Educação

    Em 1536, Calvino apresentou um plano ao conselho municipal de Genebra que incluía uma escola para todas as crianças, na qual as crianças pobres teriam ensino gratuito. Era a primeira escola primária obrigatória da Europa.

    Em uma delas as meninas eram incluídas junto com os meninos.

    Calvino tinha um alvo muito claro quanto à educação. Ele desejava que os alunos das escolas de Genebra fossem futuros cidadãos da cidade, bem preparados “na linguagem e nas humanidades”, além de terem formação cristã e bíblica. O currículo que ele ajudou a elaborar tinha ênfase nas artes e nas ciências, além da ênfase nas Escrituras.
    A Academia de Genebra

    Não devemos estranhar que, à luz das convicções teológicas de Calvino, ele tivesse seu coração voltado para a educação da população de Genebra e da Europa em geral.

    Desde 1541 encontramos registros da sua preocupação diária em como dar a Genebra uma universidade. Ele desejava criar uma grande universidade, mas os recursos da República eram pequenos para isso. Assim, ele se limitou à criação da Academia de Genebra (1559), que o historiador Charles Bourgeaud (1861-1941), antigo professor da Universidade de Genebra, considerou como “a primeira fortaleza da liberdade nos tempos modernos”.

    No currículo, incluía-se o ensino da leitura e da escrita e cursos mais avançados de retórica, música e lógica.

    Conforme Campos nos diz em sua pesquisa, os alunos passavam do alfabeto à leitura do francês fluente, gramática latina e composição em latim, literatura grega, leitura de porções do Novo

    Testamento grego, juntamente com noções de retórica e dialética, com base nos textos clássicos.

    Não é sem razão que, diante de sua capacidade no latim, se dizia que os meninos de Genebra falavam como os doutores da Sorbonne.

    O currículo da Academia enfocava não somente as artes e a teologia, como igualmente as ciências.
    Na mente do Reformador, não havia conflito entre fé e ciência na universidade.

    Ao contrário da visão educacional escolástica medieval, Calvino considerava que o estudo da ciência física tinha como propósito descobrir a natureza e seu funcionamento, pois Deus se revelava à humanidade por meio das coisas criadas, da natureza.

    Estudando o mundo, o ser humano acabaria por conhecer mais a Deus.

    A Academia veio a se tornar modelo para outras escolas da Europa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome