Dennys Guilherme, o favelado que iria conquistar o mundo, e que a PM paulista matou

" Vou ser um dos favelados que vai conquistar o mundo. Vou ser pra minha mãe o motivo de tanto orgulho".

No Twitter, descobriram a mensagem orgulhosa de Dennys Guilherme. Uma foto na Praça da República, e a legenda:

” Vou ser um dos favelados que vai conquistar o mundo. Vou ser pra minha mãe o motivo de tanto orgulho”.

Ontem, Dennys se tornou mais uma estatística do genocídio infame que governadores insanos promovem em seus estados, para conquistar o apoio de eleitores doentes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O amigo Trump avisa que vai taxar o aço brasileiro

12 comentários

  1. Já passou da hora de o Estado deixar de ser omisso e disponibilizar locais para eventos de bailes funk.
    Pacaembu, Anhambi, Pq. Ecológico Tietê, Pq. do Carmo, Pq. Ibirapuera e tantos outros locais.
    Disponibilizar segurança da PM, como nos dias de jogos importantes. Sem massacrar as pessoas.
    Não acho que torcedores de times de futebol têm comportamento mais amigável que jovens que frequentam bailes funk e, no entanto, a segurança é disponibilizada.
    Trata-se de omissão do Estado.

    11
    2
  2. O ATENTADO TERRORISTA DE PARAISÓPOLIS

    Por que não se dá o nome certo – ATENTADO TERRORISTA – ao que aconteceu no domingo sangrento domingo de 01/12/2019 em Paraisópolis, quando um grupo de militares paulistas ceifou a vida de pelo menos nove jovens da periferia paulistana?

    Se o que fizeram os criminosos militares no Riocentro é considerado um ATENTADO TERRORISTA, por que não classificar da mesma forma aquilo que os criminosos militares paulistas fizeram em Paraisópolis?

    Por que não se vê em lugar algum a classificação correta para este massacre de um grupo da PM de Dória?

    Se no Riocentro os militares bandidos fecharam praticamente todos os portões de saída para encurralar milhares de pessoas no show e gerar pânico e morte, não foi a mesma coisa que os terroristas paulistas fizeram em Paraisópolis?

    Se os militares bandidos do Riocentro falharam no uso de algumas bombas para obter o desejado efeito de terror, não é a mesma coisa o uso, pelos criminosos militares paulistas, de dezenas de bombas de gás de pimenta e lacrimogêneo, tiros e porrada numa multidão encurralada, com a única diferença de que estes não falharam no seu intento terrorista (exceto, quem sabe, pela quantidade de vítimas, caso desejassem números bem mais ‘expressivos’) ?

    Será este o primeiro ATENTADO TERRORISTA para fechar de vez o regime? Afinal de contas, se entregaram o poder a praticantes e defensores da tortura, do estupro, do assassinato e da ditadura, o que esperavam?

    6
    1
  3. A “elite” bolsominia não se importa com estes jovens, afinal são pobres, são do povo. Mas dói demais a quem tem coração assistir a esta tragédia desumana, cruel, insana, impotente. Queria estar lá, queria poder abrir um portão para estas crianças desesperadas passarem, queria poder salvá-las desta polícia que deveria proteger os cidadãos e não matá-los. Pra onde caminha nosso país, meu Deus?!!

    7
    1
  4. Se nossos “homens e mulheres de bem” batessem suas panelas, tomassem as ruas indignados e revoltados com esses assassinatos, a mídia mudaria de lado (ela não sobrevive sem a opinião pública….) e as instituições poriam um fim nesse genocídio perverso……
    Mas como o “satanás” da alma desses brasileiros é Lula e o PT e os mortos são “apenas jovens favelados”, a verdade é que essas tragédias não provocam comoção pública – porque não? pode perguntar alguém…. e a cruel resposta é: porque se trata da morte dos “invisíveis”, dos excluídos, dos “que não contam”…..

    5
    2
    • Se fosse um atentado em Paris, quase todos os Brasileiros estariam indignados. Como pode os Terroristas fazerem isso com os Franceses?

      Mas a França pode bombardear impunemente os países do Terceiro Mundo.

      4
      1
  5. Selvagem
    (Os Paralamas do Sucesso)

    A polícia apresenta suas armas
    Escudos transparentes, cassetetes
    Capacetes reluzentes
    E a determinação de manter tudo
    Em seu lugar

    O governo apresenta suas armas
    Discurso reticente, novidade inconsistente
    E a liberdade cai por terra
    Aos pés de um filme de Godard

    A cidade apresenta suas armas
    Meninos nos sinais, mendigos pelos cantos
    E o espanto está nos olhos de quem vê
    O grande monstro a se criar

    Os negros apresentam suas armas
    As costas marcadas, as mãos calejadas
    E a esperteza que só tem quem tá
    Cansado de apanhar

    5
    1
  6. Downtrodden
    (Fats’e)

    I tried to numb the pain, the pain numbed me
    I need a break now
    I’m running in circles
    Nothing stays the same, already wanna get away now
    But where would I go?
    (But where would I go?)

    Downtrodden
    Less often, I wish
    I’m tasting
    This poison on my lips

    I tried to run away, but I tripped right over my laces
    I guess I’m stuck here
    Nothing stays the same but I’m just sick of all that’s changing
    I guess I’m stuck here
    (I guess I’m stuck)

    Downtrodden
    Less often, I wish
    I’m tasting
    This poison on my lips

    • Ver a foto e o texto desse menino dói. Fisicamente. Ver gente (muita gente) comemorando o assassinato dele e dos outros meninos e menina no twitter me desperta um sentimento terrível que não pode ser traduzido em palavras. Essa gente vil que comemora a morte deles é a mesma que se indigna com a possibilidade do aborto vir a ser descriminalizado. Essa gente vil deveria ter sido abortada para o bem da natureza e da humanidade. Licença que eu vou ali vomitar.

      1
      1
  7. quem pratica o terror é o que senão terrorissta?
    além de terem implantado o estado de exceção contínuo
    esses governos de direita aplicam o terrorismo e sua infame necropolítica para manterem o poder atavés do terror permanente e simulacros de ditadura (vide o poema congresso internacional do medo, do cássico drummond e o nãi menos clássico do cinema nacional vozes do medo, de roberto santos.

    4
    1
  8. Deixando claro, de início, que consigo está e outra inúmeras outras ações das PMs em todo o país, de uma truculência, despreparo e, pior, de um rancor inimaginável. Mas dois detalhes que ainda não vi nem aqui nem alhures:
    1) nenhuma menção que tais festas ( de ricos também, por favor), a venda e consumo de álcool e otras cositas correm soltas;
    2) os tempos são outros, não dá para imaginar meninada com 15 anos às cinco da matina em festa funk.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome