OAB-MT se inspira em leilão de gado para oferecer crianças para adoção, por Luis Nassif

Organizaram em um shopping de Cuiabá o evento “Adoção na Passarela”, no qual colocaram crianças e adolescentes de 4 a 17 anos “aptas para adoção” em uma passarela, para serem avaliados pelos candidatos a pais. As adolescentes desfilam como manequins.

A escalada da selvageria brasileira é uma caixinha permanente de surpresas.

Mas a Associação Mato-grossense de Pesquisa e Apoio à Adoção (AMPARA) a Comissão de Infância e Juventude (CIJ) da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), conseguiram se superar.

Organizaram em um shopping de Cuiabá o evento “Adoção na Passarela”, no qual colocaram crianças e adolescentes de 4 a 17 anos “aptas para adoção” em uma passarela, para serem avaliados pelos candidatos a pais. As adolescentes desfilam como manequins.

É inacreditável o nível de deterioração das instituições brasileiras. O evento dos mercados de escravos na Roma Antiga ou os leilões de gado. Não há nenhuma preocupação com a situação de crianças que forem rejeitadas pela segunda vez, com a possibilidade do desfile atiçar olhares de pedófilos, ou com o respeito a Lei de Adoção.

Há lugares que promovem aproximação prévia entre candidatos a adoção e as crianças. Mas se trata de um trabalho lento, de aproximação, de criação de empatia. Não um filtro baseado na avaliação física das crianças em uma passarela de moda.

 Segundo a representante da OAB-MT,  Tatiane de Barros Ramalho “é como sempre dizemos: o que os olhos veem o coração sente”. No site da OAB-MT, o leilão de gente é saudado com ênfase.

Exposição convida famílias a despertar o sentimento de amor

27/03/2019 13:06 | Adoção

    Você acredita em amor à primeira vista? A frase pode parecer clichê, mas o que os olhos despertam no coração ao encontrar aquela pessoa capaz de transformar toda a sua vida é um sentimento quase indescritível.

Espera-se que as entidades de defesa dos direitos das crianças e a própria OAB nacional se posicionem em relação a essa selvageria.

Leia também:  Cientista brasileira trabalha para instigar interesse científico em crianças, especialmente nas meninas

 

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

21 comentários

  1. Disparada
    (Geraldo Vandre / Théo de Barros)

    Prepare o seu coração prás coisas que eu vou contar
    Eu venho lá do sertão, eu venho lá do sertão
    Eu venho lá do sertão e posso não lhe agradar
    Aprendi a dizer não, ver a morte sem chorar
    E a morte, o destino, tudo, a morte e o destino, tudo
    Estava fora do lugar, eu vivo prá consertar
    Na boiada já fui boi, mas um dia me montei
    Não por um motivo meu, ou de quem comigo houvesse
    Que qualquer querer tivesse, porém por necessidade
    Do dono de uma boiada cujo vaqueiro morreu
    Boiadeiro muito tempo, laço firme e braço forte
    Muito gado, muita gente, pela vida segurei
    Seguia como num sonho, e boiadeiro era um rei
    Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
    E nos sonhos que fui sonhando, as visões se clareando
    As visões se clareando, até que um dia acordei
    Então não pude seguir valente em lugar tenente
    E dono de gado e gente, porque gado a gente marca
    Tange, ferra, engorda e mata, mas com gente é diferente

    Se você não concordar não posso me desculpar
    Não canto prá enganar, vou pegar minha viola
    Vou deixar você de lado, vou cantar noutro lugar
    Na boiada já fui boi, boiadeiro já fui rei
    Não por mim nem por ninguém, que junto comigo houvesse
    Que quisesse ou que pudesse, por qualquer coisa de seu
    Por qualquer coisa de seu querer ir mais longe do que eu
    Mas o mundo foi rodando nas patas do meu cavalo
    já que um dia montei agora sou cavaleiro
    Laço firme e braço forte num reino que não tem rei

    Ê, ô, ô, vida de gado, povo marcado, povo feliz.

  2. Sendo realista…
    é melhor do que permanecerem condenadas ao esquecimento intramuros

    ou invisíveis

    no meu entender, tudo o que contribui para despertar o desejo de adotar é válido, pois a situação dessas crianças e adolescentes é muito mais dramática do que muitos imaginam

    esse ambiente aí, mesmo que passageiro, não deixa de ser uma família

  3. Geste, retirem as fotos ou descaracterizem as identidades das crianças. Elas foram expostas indevidamente.

  4. Porra, vagabundo está maluco. Deve existir algum mecanismo que avalie esta aberração e puna os cretinos que organizaram tamanha filha da putice.
    Leitores e leitoras perdoem o linguajar, mas tá duro de encarar está cambada.

  5. Vergonha alheia, repudio a quem promove e aos que participaram.Qual será a história contada por quem fez uma escolha dessa a criança no futuro?.pessoas não são coisas.

  6. Prezado Nassif e camaradas

    Os campeões da moralidade vão culpar você por denegrir a imagem deles. Já passou da hora de todos estes sacanas do judiciário e ministério público responderem por seus crimes. Há juízes em Brasília?

  7. Sendo visionário…
    sem nunca ter sido,
    dos aparecimentos que mudam destinos, passo pela questão e só prossigo na certeza, sentida, de que o manto mais sufocante que existe é o da invisibilidade social

    muito obrigado pela oportunidade de expressar pressentimentos do passado

    se certo ou errado, se com razão ou não, pouco me importa quando diante de situações dramáticas

  8. Estamos descendo o poço sem fundo a velocidade progressiva.
    Com o judiciário que temos, a oab só pode ser essa podridão escancarada.
    Tô aflito com os acontecimentos, apavorado!

  9. Fiquei sufocada .Não existem palavras para expressar tamanha aberração ,tamanha violência
    cometida contra crianças e adolescentes .

  10. Quase todos aí, demonstraram o correto sentimento de repúdio a essa regressão sociológica (sinal dos tempos) , menos o santo do peregrino. Para este maquiavélico só posso repetir a famosa frase de um frei, colega de escola ” para quem não importa os meios para alcançar os fins, é porque não tem princípios”.

  11. quando o que se supõe belo se transforma em feiúra e degradação….
    imagine a pessoa q

  12. quando o que se supõe belo se transforma
    em feiúra e degradação….
    imagine a pessoa qUE não é escolhida…
    quem reporá essa perda que vira abominação?

  13. Luis Armidoro : só o fato de vc usar em seu post a palavra “DENEGRIR’, não precisa dizer mais nada.

  14. rs……….gostei dessa………….”o santo do peregrino”…

    acrescento que o meu único desejo é que todas as opiniões se encontrem no melhor momento para elas e eles, o momento da adoção

    e que há lógica nos caminhos opostos

  15. ESTOU MUITO CHOCADO !
    Mas muito chocado mesmo…..
    A gente aguenta muita coisa, sabe?!
    Vender as empresas nacionais, acabar com postos de trabalho, com as universidades, com a aposentadoria, com as leis trabalhistas, com o meio ambiente, homofobia, etc….

    Mas tratar crianças desamparadas como produtos é mais que absurdo. É criminoso.

    E o mais absurdo ainda é ver gente aqui nesse blog concordando com essa aberração falando que é melhor do que a “Invisibilidade Intramuros”.

    Cara, quer acabar com a invisibilidade intramuros ?
    – Pega a porra desse dinheiro pra fazer esse evento de merda e levem as crianças aos parques, à exposições de arte, ao cinema, visitem as crianças, auxiliem no material escolar e na escola, visitem essas instituições, visitem as crianças, etc, etc, etc…

    Agora, gastar uma grana pra fazer uma apresentação de crianças desfilando para serem adotadas ?!
    Cara?! Sério?!

    Qual é o critério de alguém que decide adotar uma criança em uma situação dessa ?!
    Beleza corporal ? Desenvoltura ?
    Ou empatia, carinho, parceria, identificação com a criança e com o próximo ?!

    SURREAL !!!

    Obs.: Desculpe o linguajar mas não dá pra falar outra coisa. Absurdo. Nojento. Asqueroso.

  16. A intenção pode ter sido a melhor do mundo. Mas a forma, é preciso dizer, foi infeliz. Super expõe crianças e adolescentes, que após não serem adotadas acabam por colecionar mais um trauma, mais uma rejeição, mais um revés ou fracasso, embora a adoção não dependa delas, e sim de quem as avalia. Vamos pensar melhor, sociedade brasileira, e buscar formas menos constrangedoras de tentar auxiliar a estes frágeis e já tão sofridos seres humanos.

  17. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome