Os cálculos não divulgados sobre o regime de capitalização, por Luis Nassif

Trabalhador que contribuiu por 45 anos com 10% de seu trabalho, a aposentadoria integral permitia a ele apenas 9,40 anos de benefício. Se esgotaria aos 74,4 anos.

Vou pegar o modelo de cálculo do dileto amigo, professor Dutra Vieira Sobrinho, e avançar em mais algumas simulações sobre o regime de capitalização.

Uma pessoa que trabalhasse por 45 anos, se aposentasse aos 65 anos, mas ficasse 10 anos na informalidade, e aceitasse receber apenas 50% do salário como benefício, ainda assim o saldo se esgotaria aos 77 anos.

Os cálculos

Trabalhei com as seguintes hipóteses:

1. Entrada no mercado: 20 anos

2. Sai com 65 anos. Portanto contribui por 45 anos.

3. Na linha, os valores de contribuição sobre o salário.

4. Na coluna, o valor da aposentadoria, em relação ao salário médio recebido.

5. Remuneração de 3% reais ao ano (isto é, acima da inflação).

A tabela é para ser lida assim:

Trabalhador que contribuiu por 45 anos com 10% de seu trabalho, a aposentadoria integral permitia a ele apenas 9,40 anos de benefício. Se esgotaria aos 74,4 anos.

Se se contentasse com 80% da aposentadoria, o saldo chegaria até os 76,75 anos.

Se aceitasse 50% da aposentadoria, o valor daria para chegar aos 83,80 anos.

Mas se está falando de um trabalhador que conseguiu manter os pagamentos por 45 anos.

Não é a realidade do mercado de trabalho brasileiro, em que, em sua vida útil, os trabalhadores convivem com informalidade e desemprego.

Vamos a algumas simulações levando em conta o tempo de não contribuição.

Se ele passou 10 anos, dos 45 anos de vida ativa, na informalidade, ou desempregado, 100% do salário só lhe permitiria chegar até os 71,13 anos.

Leia também:  Sobre romantização do subemprego e futuro do trabalho

Se receber metade do salário (imagine alguém que tenha contribuído pelo mínimo), e aceitar 50% para a aposentadoria, ainda assim o saldo só lhe permitiria chegar aos 77,26 anos – ou apenas 12 anos de benefícios.

Ainda há muita interrogação no ar.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

15 comentários

  1. Se eu entendi bem, “Trabalhador que contribuiu por 45 anos com 10% de seu trabalho, a aposentadoria integral permitia a ele apenas 9,40 anos de benefício. Se esgotaria aos 74,4 anos.” quer dizer que nessa hipótese, o trabalhador aposentado nesse regime, ao completar 77 anos e meio, deixará de receber a aposentadoria de meio salário, isso se não morrer antes?

  2. Se tivessem um pingo de vergonha na cara, coisa rara ali, os congressistas já teriam jogada essa trolha do sinistro bosta nova no lixo…….
    È massacrar a população para MANTER PRIVILÈGIOS dos bancos, dos abutres do mercado………e na surdina, dele mesmo, assim que for aprovada essa excrecencia ele sai do governo para aproveitar o butim…….afinal, para ministro o sinistro não serve, mas pra mamar nas tetas do estado é mestre….

  3. A crítica racional, metódica, é sempre bem vinda. Porém, é preciso jogar com as regras do novo normal da política brasileira: toda vez que a fascistada usa os termos “petista”, “petralha”, “Venezuela”, etc, o faz para desmoralizar, desacreditar o interlocutor. Foi assim que arrebanharam boa parte da trouxinhada e as forças progressistas tiveram uma perda líquida de sete milhões de votos entre as eleições de 14 e 18.

    Ou seja, sem desmoralizar esse bando de malucos, só a ciência não vai ser suficiente.

    Lembremos que o começo da queda do Macartismo foi quando Joseph Welch confrontou o próprio McCarthy: “afinal de contas, o Sr. não tem um senso de decência?”

  4. Gostaria de saber, se for aprovada essa monstruosidade, como ficariam os já aposentados. De onde se tiraria dinheiro para pagá-los? Nassif poderia fazer um comentário sobre isso?

  5. Alem de loucos são completamente canalhas e a Mídia lhes dá completo respaldo. Aliás, a Mídia no Brasil não serve para nada é só panfletagem dos seus interesses particulares.

  6. Outro “pega-ratão” que não está sendo divulgado pela mídia é que a capitalização gera cobrança de taxa de administração pelo gestor financeiro dos recursos. E, também, que o gestor financeiro nunca se responsabiliza por prejuízos causados por má conduta administrativa, o que poderá diminuir mais ainda o saldo capitalizado, se rendimento negativo. Os bancos sempre fazem o papel de roedores. Logo, quando essa nova modalidade estiver em vigor – que não seja obrigatória e compulsória, melhor seria o trabalhador, ele mesmo, administrar sua aposentadoria, guardando recursos em investimentos, financeiros ou não, a fim de dar guarida futura de uma vida mais tranquila. Sabendo que a maioria dos trabalhadores não conseguirão “poupar” por absoluta falta de capacidade financeira para tal, caberá ao Tesouro Nacional prover esse cidadão brasileiro, porque o Estado foi constituído para garantir os direitos e as condições de cidadania da pessoa nascida neste solo.

  7. Pior ainda será se a reforma da previdência for aprovada que levará o INSS a falência diante da implantação do sistema de capitalização, onde a arrecadação mensal irá abarrotar os cofres dos banqueiros. O INSS ficará sem recursos para pagar as aposentadorias existentes!

  8. Nassi, parabéns pelo estudo. Você poderia informar sobre os recursos de outras fontes que são recolhidas para a previdência?
    Quando a monstruosidade que é a tal reforma, a mesma só seria barrada se nós outros puséssemos abaixo as bastilhas que existem nestes trópicos.

  9. Se essa maldita reforma for aprovada a culpa é somente nossa que elegemos os canalhas Deputados e canalhas Senadores que estão se vendendo contra o povo. Gente e chegada a hora de, no dia da eleição ninguém aparecer.E mais barato pagar a multa do TRE do que eleger esses safados.

  10. É chegada a hora de todos nós irmos pras ruas. Vamos pro tudo ou nada. Teremos que lutar con estés ratos e uma mídia diabólica que faz o Brasil continuar miseria. O direito é nosso. Guedes é un mentiroso e aproveitador, tem que sair. Não adiants reclamarmos e não irmos para as manifestações contra a reforma. Aposentadoria ou não vamos ptas rúas defender o nosso dinheiro, a nossa vida.

  11. Se esta reforma for aprovada eu aconselho os jovens nao pagar um tostao para o governo e economizar dinheiro dentro do travesseiro vao ter + chance de sobreviver nesta esccravidao institucionalizada

  12. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome