Mourão chama de “mula qualificada” militar da Aeronáutica brasileira detido em Sevilha por tráfico

'Pela quantidade de droga que estava levando, ele não comprou na esquina, estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada’, disse presidente interino

Vice-presidente Hamilton Mourão. Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – O presidente interino, Hamilton Mourão, chamou o segundo sargento da Aeronáutica, detido em Sevilha, na Espanha, com 39 kg de cocaína na mala, de “mula qualificada”.

“É óbvio que, pela quantidade de droga que o cara tava levando, ele não comprou na esquina e levou, né? Ele estava trabalhando como mula. Uma mula qualificada, vamos colocar assim”, disse segundo informações da Folha de S.Paulo.

O sargento, que não teve o nome revelado, apenas mencionado como “M.R.S”, de 38 anos, estava no voo de apoio ao da comitiva do presidente Jair Bolsonaro rumo ao Japão, onde participa de reuniões do G20.

Mourão ressaltou ainda que o militar preso receberá uma “punição bem pesada” e que não é a primeira vez que um membro do exército é detido por tráfico de drogas.

“As Forças Armadas não estão imunes a esse flagelo da droga. Isso não é a primeira vez que acontece, seja na Marinha, seja no Exército, seja na Força Aérea. Agora, a legislação vai cumprir o seu papel e esse elemento vai ser julgado por tráfico internacional de drogas e vai ter uma punição bem pesada”, explicou.

O presidente interino falou também da necessidade de investigar “as conexões” do militar para ter aceitado transportar drogas em uma comitiva presidencial.

“Agora, o mais importante é ver as conexões que ele [militar] poderia ter, porque uma atitude dessa natureza não brotou da cabeça dele. Com certeza existem conexões nisso aí”, pontuou.

Leia também:  Xadrez da entrada do país na era da ebulição, por Luis Nassif

M.R.S foi detido na terça-feira (25). Ele cumpria serviço como taifeiro na copa na aeronave que iria transportar Bolsonaro quando fizesse uma escala na Espanha ao retornar do Japão ao Brasil. A aeronave (Airbus-319 executivo) serve à Presidência desde o governo Lula e precisa de duas escalas para chegar ao Japão, uma na Europa e outra na Ásia Central.

Na viagem de ida para o G20, presidente também iria fazer uma escala na Espanha antes de chegar no Japão. Entretanto, antes do problema acontecer, sua agenda foi alterada e o país de escala escolhido foi Portugal.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, até agora a assessoria da Previdência não deu explicações sobre a falha na segurança presidencial.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. O sargento “aviãzinho” da FAB é, realmente, uma mula qualificada. Mas, o responsável pela segurança do presidente da República, ministro-chefe do GSI, Gal. Augusto “Murro-na-mesa” Heleno é, neste caso, uma múmia desqualificada.

    • Depois de escrever o comentário sobre a “mula” e a “múmia” minha mente (descabilibrada, diga-se) foi em frente: e se?
      Se o golpe contra a Presidenta – passei a declinar o gênero depois golpe – Dilma tivesse seguido o roteiro original? Não teríamos Bolsonaro na Presidência. Seria um reino tucano e o presidente seria outro, muito provavelmente, aquele.
      Nesse caso, a razão dos 39 quilos sendo transportados no Aerococa Presidencial teriam causa plausível e oficial, lançados no manifesto de bordo como: snacks for trip.

    • A mula qualificada traficando cocaína. conforme o vice presidente Mourão, ela não está agindo sozinha. Quem está botando a sela na mula? Deve ser alguém superior, que domina a mula e que lhe põe o arreio. A meu ver, deve ser gente de dentro do próprio pasto.

  2. a postura morbidamente patriarcal das forças armadas, passa a mão na cabeça do “garoto” e só não se refere assim o general, porque ficaria forçado demais. Vamos ver se a investigação vai ficar com a Espanha e ai, se a “mula” com peso excedente de droga na bagagem fizer parte de uma trupe miliciana, o que será?
    Os militares não estão aptos a viverem em períodos onde a informação não tem dono e onde o risco de deturpações nas notícias pioram as difamações. Se aliaram a um governante carregado de suspeições, repleto de rancores contra a própria instituição, sem a menor capacidade de responder pelo minimo que é preciso ser feito pelo país e um hipócrita, falso moralista. O vice, para quem não terminou a campanha eleitoral faz discursos para sua base, apenas aguardando a ordem das elites para assumir a cadeira.
    Em tempos de golpes e conspirações a fogueira das vaidades permanece acesa para queimar os que se aqueciam nela. Creio que vai ser mais azar para os militares que para a população, o dia a dia destes na situação.

  3. o governo caindo pelas tabelas e o mourão
    dando mais uma empurradinha…
    se fosse um cara de esquerda, a direita

    acionaria o sniper do witzel….

  4. O traficante era da comitiva do Bolsonaro, então vale o ditado: diga-me com quem andas e eu te direi quem és.

    1
    1
  5. Ao dizer corretamente que o sargento é uma mula, o general na realidade está dizendo, pelo acontecido, que se trata de tráfico internacional de drogas, podendo aviões da Força Aérea Nacional estarem sendo utilizados para essa finalidade. O sargento está há anos atuando a serviço da Presidência (diz-se que já trabalhou na escolta aérea de três presidentes). No caso, o acontecido não se resume na participação apenas do sargento. O general Heleno, que disse não ser adivinho, tem tudo para apurar, esclarecer a opinião pública, trabalhar para punir os envolvidos e impedir que as viagens da presidência possam ser utilizadas pelos traficantes de drogas que atuam na FAB, livrando os presidentes e o Brasil dessa vergonha internacional.

  6. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome