Ministra diz que proprietário de terra tem direito a “se defender” de “invasão” com tiros

"Eu espero que a gente não tenha mais invasão de terra e que a gente não precise ter esse mecanismo", defendeu a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina

Foto: Reprodução

Jornal GGN – “Não sei se sou favorável, mas não é uma coisa que eu descartaria”, disse a ministra Tereza Cristina, da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, sobre a proposta de Jair Bolsonaro que livra de punições produtores rurais que atirarem em “invasores” de terra.

No último dia 29 de abril, Bolsonaro afirmou durante um encontro com ruralistas, na feira Agrishow, em Ribeirão Preto, que vai propor que o agricultor que reagir em caso de invasão de propriedade, ele será beneficiado pela “excludente de ilicitude”, que é uma medida que blinda de punição o responsável.

Assim, se um proprietário de terra atirar em alguma ocupação, ele poderia responder pelo ato, mas não seria punido.

Para a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o dono da terra “tem o direito de se defender”, disse, ao se referir a atirar em pessoas. “Eu não sei se eu sou favorável, mas não é uma coisa que eu descartaria. Todo mundo tem direito a legitima defesa. Quem está dentro da propriedade e é invadido tem o direito de se defender”, afirmou.

A fala foi feita em uma entrevista coletiva, em Brasília, nesta sexta-feira (03). E continuou: “Eu espero que a gente não tenha mais invasão de terra e que a gente não precise ter esse mecanismo, mas é uma coisa que o Congresso tem que votar”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Pretensões presidenciais de Maia alertam PSDB e Bolsonaro, diz Tales Faria

4 comentários

  1. A velha mídia tem sido muito boa com o Bolsonaro. Ele tem provocado enormes danos e as manchetes são muito suaves. Tratam como equívocos, grandes danos. Muito triste o Brasil ter tido ele como presidente. Um retrocesso de décadas.

  2. Vamos torcer para que ela ou algum parente nao apareça de repente, por uma necessidade emergencial qualquer, na fazenda de um “coroné” e, por engano, um cangaceiro meta uns tiros nela ou no parente dela.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome