PNAD mostra o aumento do acesso à internet via celular

A pesquisa realizada em 2014 pelo IBGE compara o acesso domiciliar a internet entre celulares e microcomputadores

Jornal GGN – A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada em 2014 pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estática) em convênio com o Ministério das Comunicações divulgou essa semana que o acesso à internet, em domicílios, por aparelhos celulares superou o acesso via microcomputadores. O percentual de acessos via celular passou de 53,6% para 80,4%, já o acesso por microcomputadores caiu em média 11,5% de 2013 para 2014.

A informação parte do suplemento de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) e destaca que, em 2014, dos acessos em domicílios, utilizando as várias possibilidades de conexão com a internet, 80,4% foi feito por celulares, 76,6% via microcomputador, 21,9% por tablet, 4,9% por TV e 0,9% por outros aparelhos.

Os dados também mostram que 54,9% do total de domicílios brasileiros tinham acesso à internet nesse ano. Sendo eles 60,8% urbanos e 18,5% rurais. Das 36,8 milhões de casas com acesso à Internet, 0,8% possuíam conexão discada e 99,2% conexão em banda larga. Já a banda larga móvel (celular) passou de 43,5% para fazer parte de 62,8% dos domicílios.

“A pesquisa consolida a ideia de que o acesso à banda larga é a principal demanda da população e o celular tem sido o principal dispositivo utilizado para isso ano após ano”, disse Francisco Ibiapina secretário-executivo do Ministério das Comunicações.

De 2013 para 2014 a utilização da Internet subiu em todos os grupos etários, já que anteriormente o acesso era mais comum entre os jovens de 15 e 17 anos. Além de ter aumentado 92,1% dos acessos entre as pessoas com quinze ou mais anos de estudo. Em 2014, entre os estudantes da rede pública, 73,3% utilizavam a Internet. Na rede privada, 97,2% tinham oportunidade de acesso. Em 2013, a utilização da Internet cresceu em todos os níveis de instrução, com exceção do grupo sem instrução (de 5,4%, em 2013, para 5,2% em 2014). Foi observado também que a proporção de pessoas que utilizaram Internet era maior nas classes com rendimento mensal elevado.

Outro aumento significativo foram os acessos domiciliares à Internet via tablet, que cresceu 50,4% em 2014. O equipamento ocupava 11,1 milhões das residências, um aumento de  5,7 pontos percentuais em relação a 2013.

A pesquisa analisou nos domicílios o acesso às TVs digital aberta, por assinatura e por antena parabólica; a existência e quantidade de aparelhos de TV de tubo e de tela fina; a existência de tablet; o acesso à Internet e os tipos de aparelhos eletrônicos utilizados (microcomputador, telefone celular, tablet, TV e outros) e se esse acesso foi discado, em banda larga fixa ou em banda larga móvel. As informações anteriores são referentes aos anos de 2005, 2008, 2011 e 2013.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora