Pela primeira vez, Jornal Nacional é derrotado na audiência do RJ

Jornal GGN – Dados do Ibope mostram que o Jornal Nacional perdeu em audiência para outro programa no Rio de Janeiro pela primeira vez na TV Brasileira. A novela “Os Dez Mandamentos”, da Record marcou 22,3 pontos contra 20,4 pontos do JN, entre 20h28 e 21h07 da quarta-feira (14). Cada ponto do ibope no Rio de Janeiro é igual a 42,2 mil domícilios.

Enviado por Irene Rir

Do Uol

Pela primeira vez, “Jornal Nacional” sofre derrota no Rio

Pela primeira vez na TV brasileira, um programa concorrente derrotou o “Jornal Nacional” em pleno Rio de Janeiro.

Dados do Ibope consolidados, obtidos por esta coluna, mostram que a novela “Os Dez Mandamentos”, da Record, derrotou ontem o “Jornal Nacional” e a Globo em todo o tempo de confronto.

O Rio de Janeiro é o segundo maior e mais fiel público do “Jornal Nacional” em todo o Brasil (só menor que Florianópolis, SC)
Entre 20h28 e 21h07, ontem, no confronto direto, a novela bíblica da Record marcou 22,3 pontos contra 20,4 pontos do “JN” — quase dois pontos de diferença, um feito inédito.

Em todo o seu horário de exibição, a novela também bateu a Globo por uma diferença ainda maior: 23,5 contra 20,9 pontos.

Cada ponto de ibope no Rio equivale a 42,2 mil domicílios (em São Paulo vale por 67 mil). A novela ontem foi assistida por quase 3 milhões de cariocas.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Heleno diz ao STF que destruição ambiental é mentira dos opositores a Bolsonaro

26 comentários

  1. Finalmente uma boa notícia

    Finalmente uma boa notícia logo pela manhã. Espero estar viva quando essa máquina de fazer idiotas vá definitivamente para o buraco!

  2. Jornal Nacional, apenas um detrito na avalanche

    As empresas de mídia, no insano objetivo de extirpar o PT do governo federal a fórceps, ainda que ao custo de provocar instabilidade política e social no país, decidiram entrar em confronto com quase um terço dos eleitores do país, que são simpatizantes desse partido ou de iniciativas políticas com inclinação social.

    Ocorre que, num país sem grande tradição de apreço dos cidadãos pela leitura política, um número considerável de eleitores dos partidos de esquerda, aí incluído o PT, historicamente compõem a fatia mais culta da sociedade. São, portanto, formadores de opinião. Ao desprezar a opção políica dessas pessoas, sua capacidade de formular opiniões críticas e disseminá-las através da imensa capilarização do fluxo de informações possibilitada pela internet, iniciou-se a derrocada de gigantes da informação, até então considerados grandes demais para quebrar.

    O que era para ser um incômodo para as grandes empresas de mídia – a natural democratização na distribuição da informação com o advento da internet -, tornou-se um pesadelo ante a natureza das informações produzidas, formada em grande parte por críticas negativas à conduta ética da imprensa.

    Essa tragédia que se desenrola entre as grandes empresas de informação poderia ter sido mitigada pela cumplicidade que naturalmente se forma entre uma imprensa ética e seus leitores. Não são poucos os que se lembram do carinho que tinham por um Jornal do Brasil, no Rio, uma Folha, em São Paulo, ou mesmo pela Veja em seus bons tempos. Era impensável trocar o jornal ou a revista querida por outro. Essa vinculação, formada a partir do respeito mútuo, poderia ter sido transportada para o meio virtual, não fosse a opção desastrosa da grande mídia de abdicar de sua condição de imprensa livre e passar à de oposição política, desonesta como de praxe. Essa escolha selou seu destino.

    A derrocada da grande imprensa não começa agora, a da Globo com a queda da audiência do Jornal Nacional ou a da Abril com a redução da distribuição da Veja. Começou lá atrás, com o abandono da ética jornalística.

    Como toda avalanche, a massa inicial de detritos em queda sinaliza apenas o começo do evento. O pior vem depois.

    • Sem contar a chegada do

      Sem contar a chegada do instituto alemão de medida de opinião publica. Isso é como as reações eleitorais do PT proximas das eleições: ajustes do vies (da distorção) pra não dar muito na cara.

  3. Tiro no pé

    Na sanha de acabar com o governo Dilma , Lula, PT, esquerda …a Globo deu um tiro no próprio pé. Não assisto a novela da Record, mas ontem mudei para um canal fechado quando ouvi as manchetes do JN. No final das chamadas já estava com uma mini-depressão. Daí fui ver programa gastronômico em outro canal. As notícias? Leio na internet, com variedade de fontes e opiniões.

  4. Esses daos provam, pelo

    Esses daos provam, pelo menos, duas simples coisinhas:

    1. os dirigentes da Record tem sido muito criativos;

    2. a criatividade deles se embasa no fato, incontestável, do crescimento brutal das igrejas evangélicas, que fazem a cabeça dos incautos até mesmo para ditarem que programa de televisão eles devem assistir.

    Eu, particularmente, acho a novela OS DEZ MANDAMENTOS uma caricatura horrorosa.

    Esclareço que meus jornais preferidos são o da TV BRASIL, e, quando der, assisto o jornal da Record.

  5. Pela primeira vez, “Jornal Nacional” sofre derrota no Rio????

     

    Eu acho que é a primeira vez que o Globope mostra isso. Já deve ter acontecido muita e muitas vezes e não só no Rio como em outras cidades do país. Eu já não assisto a qualquer programação da Globo há muitos anos e não é só pelo seu mau-caratismo é também pela péssima qualidade da  programação que vem apresentando nas ultimas décadas. Parece que a Globo e seus dirigentes estão em franca campanha em busca de um traço mínimo na sua audiência. Já não era sem tempo.

     

     

  6. Novela de um lado, JN do

    Novela de um lado, JN do outro…

    Alguem ta  comecando a desconfiar que eu tenho razao de sobra pra nao ter ou querer televisao brasileira na minha casa?

  7. A goebbels é como uma droga.

    A goebbels é como uma droga. Se você deixar de ver um programa aqui outro ali, um dia sim outro não, nunca ficará livre do vício. Não sei quando foi exatamente, mas já faz uns 20 anos que resolvi não ver absolutamente nada na goebbels, nem futebol. Depois fui cortando o resto da tv aberta. Mês passado cancelei a tv a cabo já que não consegui nenhum pacote sem os canais abertos e da goebbels. Diminui meus gastos em 200 reais. Estou com duas tvs de LCD 32 polegadas aqui em casa praticamente servindo de enfeite. Às vezes vejo alguma série ou filme do Netflix. 

    Fui ao médico essa semana, tenho 52 anos, e ele disse que minha saúde está ótima, coração, pressão, colesterol, os exames de sangue que fiz todos perfeitos, sem nenhum problema.

     

  8. SE METERAM NA POLÍTICA EM ÉPOCA DE INTERNET, SE FU…

    Em época de internet uma MENTIRA dita é desmentida em segundos. A GLOBO se tornou obsoleta como veículo de informação, pois tudo de ruim que acontece como a maioria do povo brasileiro tem o dedo da GLOBO de alguma forma. Ninguém mais aceita canal de TV que mais parece um partido político agindo sem nenhum controle, estão bilionários enquanto o povo besta pagando a conta de bilhões em publicidade desnecessária. O dinheiro que a GLOBO recebeu dava para cobrir o défit e o governo não precisaria fazer corte nenhum, é só fazer as contas. O instituto de pesquisa novo, regulou a MENTIRA que a globo sempre foi. Com o seu 171 sempre ganhou muito dinheiro às custas do povo brasileiro. Tinha que haver uma CPI para apurar toda essa espécie de SACANAGEM que a GLOBO fez conosco esse tempo todo e paga com muita grana de nossos impostos.

  9. teatrinho da escola

    O JN perdeu para o teatrinho da escola…e eu aí com isso?

    além do extintor, já identifiquei um roscão de padaria sobre a mesa da ceia…me divirto com a produção, que aliás melhorou muito desde “Sanção” ou “José”, mas ainda tem aquele pezinho na falta do non sense.

    O JN sofre com a Sidrome de PT…sentou no próprio ferrão.

     

     

  10. Precisamos evoluir mais

    Apesar dos indícios do enfraquecimento do monopólio midiático estabelecido há muito tempo, acredito que trocar 6 por meia dúzia ainda não resolve o ploblema da falta de esclarecimento mínimo para termos uma sociedade – e por consequência um estado – verdadeiramente republicanos.

    A utopia é chegar ao ponto de que a audiência de programas da grade de programação tradicional brasileira seja superada por outros que facilitem a exploração do mundo do conhecimento.

  11. Bastou a família montenegro

    Bastou a família montenegro vender o ibope e os números REAIS começam a aparecer…

  12. não confundir com o melhor JRNews (21:00 h) tv aberta faixa UHF

    e em tv paga, plano básico. Em Recife, é no canal 17, a anteena de UHF é baratinha, formato de anteena tradicional. O Jornal JRNews tem reprises noutros horários, apresentado geralmente por Heródoto Barbeiro, com entrevistas pondo pontos de vistas divergentes aem dias consecutivos ou no mesmo dia. A faixa UHF (equivalente a uma faixa FM de rádio) tem pouco alcance em kilômetros (nãos ei quantos).

      • é de se comemorar, sim. Só por que é do Bispo ???

        o bispo nesse ponto separa bem as coisas. O que não parece ocorrer com alguns: – só por que a TVBrasil é governista? O JRNews é melhor (e tenho horror ao bispo).

          • Está, sim. Não é à-toa que o JN tá ficando menos pior

            eu vejo o JN pela maravilhosa produção, imagem e poder de manipulação (por curiosidade) e troco às 21 horas pelo JRNews. Acredito que não sou o único. Concordo em parte: o povo não presta atenção nem em leitura de jornal além das manchetes e capas safadas da Veja. Da mesma forma, não há neutralidade, nem imparcialidade do lado de cá: basta ser de um partido de esquerda que é santo e defendido com unhas e dentes pela galera, ou parte dela. Hà vários exemplos de manipulação de bases sindicais, partidárias e imprensa alternativa. É só prestar mais atenção, com olhar mais crítico, mais distanciado emocionalmente (repito: emocionalmente, e todos temos emoções que às vezes cegam).

          • Eu discordo de que o JN estaria ficando menos pior.

             

            É muito ruim e assim continua. A inflexão de voz, o tom irônico dos apresentadores quando falam de tudo a que se refere ao governo, o destaque absoluto a qualquer denúncia vagabunda que incrime o PT e o Lula, a notícia plantada de que o governo e a bancada do PT estariam apoiando o Cunha… é simplesmente nojento e revoltante. Mentem na maior  caradura. Eles fazem tudo menos jornalismo.

            Claro que não há neutralidade nem imparcialidade do lado de cá. Só que eu, por exemplo, não sou jornalista. Como simpatizante e eleitora da esquerda, não tenho nenhuma obrigação de ser  isenta. Um jornalista pode ter a posição política que tiver mas, enquanto jornalista, no exercício de seu ofício, tem por obrigação informar o publico de forma honesta  e isenta.

          • Manipulação

            Esse tom irônico, as caras e bocas e postura anti governo é uma das caracteristicas impostas não só do JN, senão de todos os jornais e programas da rede Globo, aberta e fechada, inclusive esportivos. Excluem-se é claro, por obviedade, filmes e enlatados americanos…

            Se bem que é bom ficar atento nas dublagens, pois pode surgir o nome do Lulinha em alguma fala de Law & Order ou CSI. Não seria surpresa.

        • dear Nick,

          vc acha que o JRecNews é melhor pq o Barbeiro mantém até hj o viés direitista que o caracteriza, embora, eventualmente, o outro lado tenha alguns minutos por lá. E, mesmo sendo pouco, comparado aos jornais de outros canais (globo sbt cultura band cnt) não é 100% de direita/ultradireita…

          o jornal da tv Brasil é racional, bem mais imparcial que qquer outro. E nem tão esquerdista quanto eu gostaria, p.ex. …

          :/

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome