Pleno emprego deu lugar ao desalento e ao desemprego recorde, diz Lula

Em pronunciamento no Dia do Trabalho, ex-presidente culpou atual gestão federal pela piora nos indicadores brasileiros

Jornal GGN – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em sua mensagem de 1º de maio que o Brasil “andou para atrás” quando o assunto é economia e a falta de apoio do governo para manter empresas abertas e a assistência à população durante a pandemia de covid-19.

“Este é um 1º de maio triste para os trabalhadores e as trabalhadoras do nosso país. Um dia de luto”, diz o ex-presidente. “Pelas 400 mil vidas perdidas por conta do covid-19, muitas delas porque o governo Bolsonaro se recusou a comprar as vacinas que lhe foram oferecidas. Pelos 14 milhões de desempregados, vítimas de uma política econômica que enriquece os milionários e empobrece os trabalhadores e a classe média”.

Lula também abordou a situação do mercado de trabalho do país. “O pleno emprego, conquistado pelos nossos governos, deu lugar a uma taxa recorde de desemprego e desalento. Além dos 14 milhões de brasileiros desempregados, 6 milhões desistiram de procurar trabalho, porque sabem que não vão encontrar. 38 milhões estão subempregados, sobrevivendo de bicos”, diz o ex-presidente. “São, ao todo, 58 milhões de trabalhadores sobrevivendo em condições precárias. Ao número recorde de desempregados, somam-se mais de 4 milhões de brasileiros que trabalham na informalidade, para aplicativos”.

Sobre a economia brasileira, Lula afirma que a economia brasileira atualmente é 7% menor do que o visto em 2014. “Já estivemos entre as sete maiores economias do mundo. Hoje descemos ladeira abaixo, ocupando a décima segunda colocação. Entre 2015 e 2020, 37 mil indústrias fecharam as portas, o equivalente a 17  por dia. Sem qualquer apoio do governo, as micro e pequenas empresas, que geram75% dos empregos formais, são as mais atingidas”.

“É preciso acreditar que o Brasil pode voltar a ser um país de todos. Com geração de empregos, salários dignos e direitos reconquistados. Com saúde e educação públicas de qualidade. Um país de livros em vez de armas, de respeito ao meio ambiente e às minorias, do amor em vez do ódio”, ressalta o ex-presidente.

Confira a íntegra da mensagem do ex-presidente no vídeo abaixo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora